Dias de Observância do Uposatha

O calendário Hindu, de acordo com o antigo sistema herdado pelo Budismo, é dividido em três estações – a estação fria, a estação quente e a estação chuvosa – cada uma durando quatro meses. Os quatro meses são divididos em oito quinzenas (pakkha), a terceira e a sétima contendo catorze dias e as demais quinze dias. Em cada quinzena, as noites de luz cheia e lua nova (décimo quarto ou décimo quinto dias) e a noite de quarto minguante ou crescente (oitavo dia) são considerados muito auspiciosos. No Budismo esses dias se tornaram os dias de Uposatha, dias de observância religiosa. Nas noites de lua cheia e lua nova os bhikkhus recitam o código de preceitos monásticos e os discípulos leigos visitam os monastérios para ouvir sermões e praticar meditação. Os dias do Uposatha são um período de renovada dedicação à prática do Dhamma, respeitado tanto por leigos como monásticos por toda a parte no mundo do Budismo Theravada.

Os leigos observam os oito preceitos no dias do Uposatha, como apoio para a prática da meditação e como uma forma de energizar o compromisso com o Dhamma. Sempre que possível, os leigos utilizam esses dias para visitar o monastério local, para fazer oferendas especiais para a Sangha, ouvir o Dhamma, e praticar meditação com companheiros do Dhamma até tarde da noite. Para os leigos que não estão associados a um monastério local, pode simplesmente ser uma oportunidade para aumentar o esforço na meditação apoiando-se no suporte invisível de milhões de outros praticantes Budistas ao redor do mundo.

O calendário dos dias do Uposatha é calculado usando uma complicada fórmula tradicional que toma por base de forma imprecisa o calendário astronômico lunar, com o resultado de que as datas nem sempre coincidem com as datas astronômicas. Para confundir ainda mais um pouco as coisas, cada seita dentro do Budismo Theravada tende a seguir o seu próprio calendário.

Alguns dias de lua cheia têm um significado especial no calendário Budista:

  • Magha Puja - "Dia da Sangha".
    Este dia comemora a reunião espontânea de 1.250 arahants na presença do Buda. Mil dos bhikkhus reunidos já haviam alcançado a Iluminação anteriormente ao ouvir o Buda discursar o Sermão do Fogo; os demais 250 bhikkhus eram discípulos dos Ven. Moggallana e Ven. Sariputta. Para registrar essa reunião auspiciosa o Buda discursou o Ovada-Patimokkha Gatha, ou a Exortação do Patimokkha - um resumo dos principais pontos do Dhamma - que o Buda proferiu para a assembléia antes de enviá-los para que proclamassem a doutrina.
  • Visakha Puja (Vesak) - "Dia do Buda".
    Este dia comemora três eventos na vida do Buda que ocorreram neste dia de lua cheia: o seu nascimento, Iluminação, e parinibbana.
  • Asalha Puja - "Dia do Dhamma".
    Este dia comemora o primeiro discurso do Buda, que ele proferiu para o grupo de cinco ascetas com os quais ele havia praticado nas florestas durante muitos anos. Após ouvir o discurso, um dos ascetas - Ven. Kondañña - teve o seu primeiro vislumbre de Nibbana, dando origem dessa forma à Nobre Sangha. Os retiros anuais das chuvas (vassa) começam no dia seguinte.
  • Pavarana Puja.
    Este dia marca o fim do retiro das chuvas (vassa). No mês seguinte, ocorre a cerimônia de kathina, em que a comunidade leiga se reúne para fazer oferendas formais de tecido para mantos e outras necessidades da Sangha.
  • Anapanasati Puja.
    Ao final de um dos retiros das chuvas (vassa), o Buda estava tão satisfeito com o progresso alcançado pelos bhikkhus reunidos que ele os encorajou a ampliar o retiro por mais um mês. No dia de lua cheia que marcou o fim daquele retiro de quatro meses, ele apresentou as instruções que agora são famosas, acerca da atenção plena na respiração (anapanasati), que podem ser encontradas no Anapanasati Sutta (MN 118) – O Discurso da Atenção Plena na Respiração.

 

Revisado: 28 Dezembro 2015

Copyright © 2000 - 2019, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.