Majjhima Nikaya 114

Sevitabbasevitabba Sutta

Para Ser Cultivado e Para Não Ser Cultivado

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


1. Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Lá, ele se dirigiu aos monges desta forma: “Bhikkhus” – “Venerável Senhor,” eles responderam. O Abençoado disse o seguinte:

2. “Bhikkhus, eu ensinarei aquilo que deve ser cultivado e aquilo que não deve ser cultivado. Ouçam e prestem muita atenção ao que vou dizer.” – “Sim, venerável senhor,” os bhikkhus responderam. O Abençoado disse o seguinte:

(PRIMEIRA EXPOSIÇÃO)

3. “Bhikkhus;[1] a conduta corporal é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta corporal ou é uma, ou é a outra. [2] A conduta verbal é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta verbal ou é uma, ou é a outra. A conduta mental é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta mental ou é uma, ou é a outra. A inclinação da mente é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a inclinação da mente ou é uma, ou é a outra. A obtenção da percepção é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da percepção ou é uma, ou é a outra. A obtenção do entendimento é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção do entendimento ou é uma, ou é a outra. A obtenção da individualidade é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da individualidade ou é uma, ou é a outra."

(PRIMEIRA PARTICULARIZAÇÃO)

4. Quando isso foi dito, o venerável Sariputta disse para o Abençoado: “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, da seguinte forma:

5. “’Bhikkhus; a conduta corporal pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta corporal ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela conduta corporal que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela conduta corporal que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de conduta corporal que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém tira a vida de outros seres, um homicida, sanguinário, dedicado a golpes e violência, demonstrando nenhuma piedade com os seres vivos. Ele toma o que não é dado, ele toma, como se fosse um ladrão, os bens e propriedades de outros num vilarejo ou na floresta. Ele se comporta de forma imprópria em relação aos prazeres sensuais; ele se envolve sexualmente com quem está sob a proteção da mãe, do pai, dos irmãos, das irmãs, dos parentes, que possui esposo, protegida pela lei ou mesmo com quem esteja coroada de flores por um outro homem. Esse tipo de conduta corporal faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de conduta corporal que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém abandonando tirar a vida de outros seres, se abstém de tirar a vida de outros seres; ele permanece com a sua vara e arma postas de lado, bondoso e gentil, compassivo com todos os seres vivos. Abandonando tomar o que não seja dado, ele se abstém de tomar o que não é dado; ele não toma, como se fosse um ladrão, os bens e propriedades de outros num vilarejo ou na floresta. Abandonando a conduta imprópria com relação aos prazeres sensuais, ele se abstém da conduta imprópria com relação aos prazeres sensuais; ele não se envolve sexualmente com quem está sob a proteção da mãe, do pai, dos irmãos, das irmãs, dos parentes, que possuem esposo, protegidas pela lei ou mesmo com quem esteja coroada de flores por um outro homem. Esse tipo de conduta corporal faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a conduta corporal pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta corporal ou é uma, ou é a outra.’

6. “’Bhikkhus; a conduta verbal pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta verbal ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela conduta verbal que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela conduta verbal que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de conduta verbal que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém emprega linguagem mentirosa; tendo sido chamado para uma corte, uma reunião, um encontro com seus parentes, com a sua corporação, com a família real, se assim for questionado como testemunha: 'Então, bom homem, diga o que você sabe,' se ele não souber, dirá, 'Eu sei'; se ele souber, dirá, 'Eu não sei'; se ele não viu, dirá, 'Eu vi'; se ele viu, dirá, 'Eu não vi'; com plena consciência ele conta mentiras em seu próprio benefício, pelo benefício de outros, ou para obter algum benefício mundano insignificante. Ele emprega linguagem maliciosa; o que ouviu aqui ele conta ali para separar aquelas pessoas destas, ou o que ele ouviu lá, conta aqui para separar estas pessoas daquelas; assim ele separa aquelas pessoas que estão unidas, ele cria divisões, ama a discórdia, se delicia com a discórdia, desfruta da discórdia, diz coisas que criam a discórdia. Ele emprega linguagem grosseira; ele emprega palavras que são grosseiras, duras, que magoam os outros, que ofendem os outros, próximas da raiva e que não favorecem a concentração. Ele emprega a linguagem frívola; ele fala fora de hora, diz o que não é fato, diz o que é inútil, diz aquilo que é contrário ao Dhamma e Disciplina; nas horas inadequadas ele diz palavras que são inúteis, irracionais, imoderadas e que não trazem benefício. Esse tipo de conduta verbal faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de conduta verbal que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém, abandonando a linguagem mentirosa, se abstém da linguagem mentirosa; tendo sido chamado para uma corte, uma reunião, um encontro com seus parentes, com a sua corporação, com a família real, se assim for questionado como testemunha: 'Então, bom homem, diga o que você sabe,' se ele não souber, dirá, 'Eu não sei'; se ele souber, dirá, 'Eu sei'; se ele não viu, dirá, 'Eu não vi'; se ele viu, dirá, 'Eu vi'. Assim, com plena consciência ele não conta mentiras em seu próprio benefício, pelo benefício de outros, ou para obter algum benefício mundano insignificante. Abandonando a linguagem maliciosa, ele se abstém da linguagem maliciosa; o que ouviu aqui ele não conta ali para separar aquelas pessoas destas, ou, o que ouviu lá ele não conta aqui para separar estas pessoas daquelas; assim, ele reconcilia aquelas pessoas que estão divididas, promove a amizade, ele ama a concórdia, se delicia com a concórdia, desfruta da concórdia, diz coisas que criam a concórdia. Abandonando a linguagem grosseira, ele se abstém da linguagem grosseira. Ele diz palavras que são gentis, que agradam aos ouvidos, carinhosas, que penetram o coração, que são corteses, desejadas por muitos e que agradam a muitos. Abandonando a linguagem frívola, ele se abstém da linguagem frívola. Ele fala na hora certa, diz o que é fato, aquilo que é bom, fala de acordo com o Dhamma e a Disciplina; nas horas adequadas ele diz palavras que são úteis, racionais, moderadas e que trazem benefício. Esse tipo de conduta verbal faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a conduta verbal pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta verbal ou é uma, ou é a outra.’

7. “’A conduta mental pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta mental ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela conduta mental que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela conduta mental que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de conduta mental que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém é cobiçoso; ele cobiça os bens e propriedades dos outros, pensando, 'Ah, que aquilo que pertence aos outros seja meu!' Ou a sua mente possui má vontade e as suas intenções estão plenas de raiva: 'Que esses seres sejam mortos e assassinados, que eles cessem, faleçam ou sejam aniquilados!' Esse tipo de conduta mental faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de conduta mental que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém não é cobiçoso. Ele não cobiça as posses dos outros, pensando, 'Ah, que aquilo que pertence aos outros seja meu!' A sua mente não possui má vontade e as suas intenções estão isentas de raiva: 'Que esses seres possam estar livres da inimizade, aflição e ansiedade! Que eles vivam felizes!’ Esse tipo de conduta mental faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a conduta mental pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a conduta mental ou é uma, ou é a outra.’ [3]

8. “’A inclinação da mente pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a inclinação da mente ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela inclinação da mente que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela inclinação da mente que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de inclinação da mente que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém é cobiçoso e permanece com a sua mente imbuída de cobiça; ele tem má vontade e permanece com a sua mente imbuída de má vontade; ele é cruel e permanece com a sua mente imbuída de crueldade. [4] Esse tipo de inclinação da mente faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de inclinação da mente que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém não é cobiçoso e permanece com a sua mente despegada da cobiça; ele não tem má vontade e permanece com a sua mente despegada da má vontade; ele não é cruel e permanece com a sua mente despegada da crueldade. Esse tipo de inclinação da mente faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a inclinação da mente pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a inclinação da mente ou é uma, ou é a outra.’

9. “’A obtenção da percepção pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da percepção ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela obtenção da percepção que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela obtenção da percepção que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de obtenção da percepção que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém é cobiçoso e permanece com a sua percepção imbuída de cobiça; ele tem má vontade e permanece com a sua percepção imbuída de má vontade; ele é cruel e permanece com a sua percepção imbuída de crueldade. Esse tipo de obtenção da percepção faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de obtenção da percepção que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém não é cobiçoso e permanece com a sua percepção despegada da cobiça; ele não tem má vontade e permanece com a sua percepção despegada da má vontade; ele não é cruel e permanece com a sua percepção despegada da crueldade. Esse tipo de obtenção da percepção faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a obtenção da percepção pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da percepção ou é uma, ou é a outra.’

10. “’A obtenção do entendimento pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção do entendimento ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela obtenção do entendimento que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela obtenção do entendimento que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de obtenção do entendimento que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém tem um entendimento como este: ‘Não existe nada que é dado, nada que é oferecido, nada que é sacrificado; não existe fruto ou resultado de ações boas ou más; não existe este mundo, nem outro mundo; não existe mãe, nem pai; nenhum ser que renasça espontaneamente; não existem no mundo nem sacerdotes, nem contemplativos bons e virtuosos que, após terem conhecido e compreendido diretamente por eles mesmos, proclamem este mundo e o próximo.’ Esse tipo de obtenção do entendimento faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva.

“E qual é o tipo de obtenção do entendimento que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Aqui, alguém tem um entendimento como este: ‘Existe aquilo que é dado e o que é oferecido, e o que é sacrificado; existe fruto e resultado de boas e más ações; existe este mundo e o outro mundo; existe a mãe e o pai; existem seres que renascem espontaneamente; existem no mundo sacerdotes e contemplativos bons e virtuosos que, após terem conhecido e compreendido diretamente por eles mesmos, proclamam este mundo e o próximo.’ Esse tipo de obtenção do entendimento faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a obtenção do entendimento pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção do entendimento ou é uma, ou é a outra.’

11. “’A obtenção da individualidade pode ser de dois tipos, eu digo: [5] para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da individualidade ou é uma, ou é a outra.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquela obtenção da individualidade que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas aquela obtenção da individualidade que faz com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“E qual é o tipo de obtenção da individualidade que faz com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva? Quando alguém gera uma obtenção de individualidade que está sujeita à aflição, os estados prejudiciais aumentam e os estados benéficos diminuem nele, impedindo-o de dar um fim ao devir. [6]

“E qual é o tipo de obtenção da individualidade que faz com que os estados benéficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam naquele que a cultiva? Quando alguém gera uma obtenção de individualidade que está livre da aflição, os estados prejudiciais diminuem e os estados benéficos aumentam nele, possibilitando a ele dar um fim ao devir.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ‘Bhikkhus; a obtenção da individualidade pode ser de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. E a obtenção da individualidade ou é uma, ou é a outra.’

12. “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.”

(PRIMEIRA APROVAÇÃO E RECAPITULAÇÃO)

13. “Muito bem, muito bem, Sariputta! É bom que você compreenda o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.

14-20. (Nestes versos o Buda repete exatamente os versos 5-11, com a substituição de “Sariputta” por “venerável senhor” e “por mim” por “pelo Abençoado.”)

21. “Sariputta, o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido, deve ser entendido assim.

22. “Sariputta, as formas percebidas pelo olho são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas. [7] Os sons percebidos pelo ouvido são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Os aromas percebidos pelo nariz são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Os sabores percebidos pela língua são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Os tangíveis percebidos pelo corpo são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Os objetos mentais percebidos pela mente são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados.”

(SEGUNDA PARTICULARIZAÇÃO)

23. Quando isso foi dito, o venerável Sariputta disse para o Abençoado: “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, da seguinte forma:

24. “’Sariputta, as formas percebidas pelo olho são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aquelas formas percebidas pelo olho que fazem com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que as cultiva, não devem ser cultivadas. Mas aquelas formas percebidas pelo olho que fazem com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que as cultiva, devem ser cultivadas.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ’Sariputta, as formas percebidas pelo olho são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas.’

25. “’Os sons percebidos pelo ouvido são de dois tipos, eu digo’ ...

26. “’Os aromas percebidos pelo nariz são de dois tipos, eu digo’ ...

27. “’Os sabores percebidos pela língua são de dois tipos, eu digo’ ...

28. “’Os tangíveis percebidos pelo corpo são de dois tipos, eu digo’ ...

29. “’Os objetos mentais percebidos pela mente são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aqueles objetos mentais percebidos pela mente que fazem com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que os cultiva, não devem ser cultivados. Mas aqueles objetos mentais percebidos pela mente que fazem com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que os cultiva, devem ser cultivados.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ’Sariputta, os objetos mentais percebidos pela mente são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados.’

30. “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.”

(SEGUNDA APROVAÇÃO E RECAPITULAÇÃO)

31. “Muito bem, muito bem, Sariputta! É bom que você compreenda o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.

32-37. (Nestes versos o Buda repete exatamente os versos 24-29, com as substituições necessárias).

38. “Sariputta, o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de forma resumida, deve ser entendido assim.

(TERCEIRA PARTICULARIZAÇÃO)

39. “Sariputta, mantos são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Comida esmolada é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. Moradia é de dois tipos, eu digo: para ser cultivada e para não ser cultivada. Vilarejos são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Vilas são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Cidades são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivados. Distritos são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados. Pessoas são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas.”

40. Quando isso foi dito, o venerável Sariputta disse para o Abençoado: “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, da seguinte forma:

41. “’Sariputta, mantos são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, aqueles mantos que fazem com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que os cultiva, não devem ser cultivados. Mas aqueles mantos que fazem com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que os cultiva, devem ser cultivados.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ’Sariputta, mantos são de dois tipos, eu digo: para serem cultivados e para não serem cultivados.’

42. “’Comida esmolada é de dois tipos, eu digo’ ...

43. “’Moradia é de dois tipos, eu digo’ ...

44. “’Vilarejos são de dois tipos, eu digo’ ...

45. “’Vilas são de dois tipos, eu digo’ ...

46. “’Cidades são de dois tipos, eu digo’ ...

47. “’Distritos são de dois tipos, eu digo’ ...

48. “’Pessoas são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas.’ Assim foi dito pelo Abençoado. E com referência a que foi dito isso?

“Venerável senhor, [a associação com] aquelas pessoas que fazem com que os estados prejudiciais aumentem e os estados benéficos diminuam naquele que a cultiva, não deve ser cultivada. Mas [a associação com] aquelas pessoas que fazem com que os estados prejudiciais diminuam e os estados benéficos aumentem naquele que a cultiva, deve ser cultivada.

“Portanto, foi com referência a isso que foi dito pelo Abençoado: ’Sariputta, pessoas são de dois tipos, eu digo: para serem cultivadas e para não serem cultivadas.’”

49. “Venerável senhor, eu entendo o significado em detalhe da afirmação do Abençoado, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.”

(TERCEIRA APROVAÇÃO E RECAPITULAÇÃO)

50. “Muito bem, muito bem, Sariputta! É bom que você compreenda o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido sem explicar o significado em detalhe, dessa forma.

51-58. (Nestes versos o Buda repete exatamente os versos 41-48, com as substituições necessárias).

38. “Sariputta, o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de forma resumida, deve ser entendido assim.

60. “Sariputta, se todos os nobres compreendessem dessa forma o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido, isso seria para a felicidade e bem-estar deles por muito tempo.[8] Se todos os brâmanes ... todos os comerciantes ... todos os trabalhadores compreendessem dessa forma o significado em detalhe da minha afirmação, que foi dita de modo resumido, isso seria para a felicidade e bem-estar deles por muito tempo. Se o mundo com os seus devas, maras e brahmas, esta população com os seus contemplativos e brâmanes, seus príncipes e povo compreendessem dessa forma o significado em detalhe da minha afirmação que foi dita de modo resumido, isso seria para a felicidade e bem-estar deles por muito tempo.”

Isso foi o que disse o Abençoado. O venerável Sariputta ficou satisfeito e contente com as palavras do Abençoado.

 


 

Notas:

[1] Este primeiro parágrafo apenas apresenta um “índice” que será detalhado no corpo do sutta. [Retorna]

2] Aññamaññan. MA: As duas são mutuamente exclusivas, e não há um modo através do qual uma possa ser confundida com a outra. [Retorna]

[3] Embora o entendimento incorreto e o entendimento correto, em geral, sejam incluídos como parte da conduta mental, neste sutta eles são mostrados em separado no verso 10 como “obtenção do entendimento.” [Retorna]

[4] Enquanto que a cobiça e a má vontade descritas no verso 7 possuem a intensidade de uma ação completa, (kammapatha), neste trecho acerca da inclinação da mente, (cittuppada), elas são mostradas no seu estágio nascente como meras disposições que ainda não irromperam como volições obssessivas. [Retorna]

[5] “Obtenção da individualidade”, (attabhavapatilabha), aqui, se refere ao modo de renascimento. [Retorna]

[6] Aparinitthitabhava. A tradução desta expressão pouco comum segue a explicação dada no MA. [Retorna]

[7] MA indica que a formulação “E as formas ou são uma, ou são a outra” não é empregada neste caso porque a distinção não se encontra no objeto, mas na forma como este é abordado. Para uma pessoa, a cobiça e outras contaminações surgem em relação a uma forma em particular, mas uma outra pessoa poderá desenvolver o desapego e a equanimidade em relação à mesma forma. [Retorna]

[8] MA diz daqueles que estudam o texto e o comentário deste sutta sem praticar de acordo com o que neles está contido, não pode ser dito que eles “compreendem o significado em detalhe.” Apenas aqueles que praticam de acordo com o que neles está contido podem ser assim descritos. [Retorna]

 

 

Revisado: 10 Junho 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.