Uma Descrio da Vida do Buda

Leituras do Cnone em Pali


Esta uma descrio da vida do Buda baseada em trechos de suttas do Cnone em Pali. Nesta breve antologia voc ir encontrar material suficiente para ter pelo menos uma idia da extenso dos ensinamentos do Buda e da trajetria envolvente da sua vida extraordinria.

Para relatos mais detalhados da vida do Buda, por favor veja estas duas excelentes antologias: The Splendour of Enlightenment: A Life of the Buddha (dois volumes), compilado por Phra Khantipalo (Bangkok: Mahamakut Rajavidyalaya Press, 1976), e The Life of the Buddha por Bhikkhu anamoli (Kandy: Buddhist Publication Society, 1992).


"De fato, o Abenoado um arahant, perfeitamente iluminado, consumado no verdadeiro conhecimento e conduta, bem-aventurado, conhecedor dos mundos, um lder insupervel de pessoas preparadas para serem treinadas, mestre de devas e humanos, desperto, sublime."

"Itipi so bhagava araham, sammasambuddho, vijjacaranasampanno, sugato, lokavidu, anuttaro purisadammasarathi, sattha devamanussanam, buddho, bhagava."

[AN XI.12]


Contedo:



O Bodisatva (que ser Buda)

Asita, o vidente, visita o prncipe recm nascido

[Data: -80 EB]

Asita, o vidente, na sua meditao do meio dia,
viu os devas do Grupo dos Trinta
    - exultantes, estticos -
vestidos com puro branco, honrando a Indra,
segurando estandartes, aplaudindo desordenadamente,
e vendo os devas assim felizes e contentes,
ao saud-los, ele disse:

Por que a comunidade dos devas
    est to desordenadamente exaltada?
Por que vocs esto segurando estandartes
e acenando com eles ao redor?
Mesmo aps a guerra com os Asuras
    - quando a vitria foi dos devas,
    os Asuras derrotados -
mesmo ento no havia uma excitao como essa.
Vendo qual maravilha
os devas esto to felizes?
    Vocs gritam,
    cantam,
    tocam msica,
    batem palmas,
    danam.
Ento eu pergunto a vocs que vivem no topo do Monte Meru.
Por favor dissipem a minha dvida logo, estimados senhores.

O Bodisatva, a jia mais preciosa,
    inigualvel,
nasceu para o bem estar e felicidade
    no mundo humano,
em uma cidade na regio dos Sakyas,
    Lumbini.
por isso que estamos todos desordenadamente exaltados.
Ele, o supremo de todos os seres,
a pessoa suprema,
um touro entre os homens, o primeiro entre todas as pessoas,
colocar em movimento a Roda [do Dhamma]
no bosque com o nome dos videntes,
como um leo forte, rugindo,
o conquistador de bestas.

Ouvindo essas palavras,
Asita rapidamente descendeu [do paraso]
e se dirigiu residncia de Suddhodana.
L, tomando um assento, ele disse aos Sakyas:
    Onde est o prncipe?
    Eu, tambm, quero v-lo.
Os Sakyas ento mostraram
para o vidente chamado Asita
    o seu filho, o prncipe,
    como ouro brilhante,
polido pelo mais hbil ourives
na boca da fornalha,
resplandecendo em glria, imaculado na cor.
Vendo o prncipe resplandecendo como uma chama,
puro como um cometa
cruzando os cus
    - o sol incandescente,
    livre das nuvens do outono -
exultante, pleno com xtase abundante.
Os devas seguravam no cu
um guarda sol com muitos raios
e mil circulos.
Pequenas vassouras com cabos de ouro
ondulavam para cima e para baixo,
porm aqueles que seguravam as vassouras e o guarda sol
    no podiam ser vistos.
O vidente com o cabelo opaco
denominado Esplendor Escuro,
vendo o menino, como um ornamento de ouro
sobre o cobertor de l vermelho,
um guarda sol branco cobrindo a cabea,
o recebeu, feliz e contente.
E ao receber o touro dos Sakyas,
saudosamente, o mestre dos mantras e sinais
exclamou com a mente confiante:
    Este insupervel,
    o mais elevado da raa bpede.
Ento, prevendo a sua iminente partida,
ele, deprimido, verteu lgrimas.
Vendo-o chorar,
os Sakyas perguntaram:
    Mas com certeza no haver
    perigo para o prncipe?
Vendo a preocupao dos Sakyas
ele respondeu, Eu prevejo para o prncipe
    nenhum dano.
Nem haver para ele qualquer perigo.
Ele no inferior: tenham certeza.
    Este prncipe alcanar
    o mximo despertar por seu prprio mrito.
Ele, vendo a mxima pureza,
colocar em movimento a Roda do Dhamma
por compaixo pelo bem estar de muitos.
A sua vida santa se espalhar em muitas direes.
    Mas quanto a mim
minha vida aqui no tem mais resduo;
minha morte ocorrer antes.
    Eu no ouvirei
o Dhamma deste aqui com a tarefa inigualvel.
Essa a razo porque estou golpeado,
    atormentado e triste.

[Snp III.11]

O jovem prncipe se desencanta com a sua vida luxuosa

Bhikkhus, Eu vivi em refinamento, o maior refinamento, refinamento total. Meu pai mandou construir no nosso palcio lagos com flores de ltus: um onde floresciam ltus vermelhas, outro onde floresciam ltus brancas, outro onde floresciam ltus azuis, tudo em meu beneficio. Eu no usava outro sndalo que no fosse de Benares. Meu turbante era de Benares, como era minha tnica, minha roupa de baixo e minha capa. Uma sombrinha branca era mantida sobre mim durante o dia e noite para proteger-me do frio, calor, poeira, sujeira e orvalho.

Eu tinha trs palcios: um para a estao fria, um para a estao quente e um para a estao das chuvas. Durante os quatro meses da estao das chuvas eu era entretido no palcio para a estao das chuvas por menestris e no havia nenhum homem entre eles, e eu no saia nunca do palcio.. Enquanto que os serviais, trabalhadores e empregados nas casas de outras pessoas eram alimentados com sopa de lentilhas e arroz quebrado, na casa do meu pai os serviais, trabalhadores e empregados eram alimentados com trigo, arroz e carne.

Apesar de ter sido favorecido com essa boa sorte, com tal total refinamento, o pensamento me ocorreu: Quando uma pessoa sem instruo, uma pessoa comum, sujeita ao envelhecimento, que no superou o envelhecimento, v um outro que est envelhecido, ela fica horrorizada, repelida e enojada, sem se dar conta, de que ela tambm est sujeita ao envelhecimento, que no superou o envelhecimento. Se eu que estou sujeito ao envelhecimento, que no superei o envelhecimento ficasse horrorizado, repelido e enojado vendo uma pessoa que velha, isso no seria digno. Notando isso, a [tpica] embriaguez de um jovem com a juventude desapareceu completamente.

Apesar de ter sido favorecido com essa boa sorte, com tal total refinamento, o pensamento me ocorreu: Quando uma pessoa sem instruo, uma pessoa comum, sujeita a enfermidade, que no superou a enfermidade, v um outro que est enfermo, ela fica horrorizada, repelida e enojada, sem se dar conta, de que ela tambm esta sujeita enfermidade, que no superou a enfermidade. Se eu que estou sujeito enfermidade, que no superei a enfermidade ficasse horrorizado, repelido e enojado vendo uma pessoa que est enferma, isso no seria digno. Notando isso, a [tpica] embriaguez de um jovem com a juventude desapareceu completamente.

Apesar de ter sido favorecido com essa boa sorte, com tal total refinamento, o pensamento me ocorreu: Quando uma pessoa sem instruo, uma pessoa comum, sujeita morte, que no superou a morte, v um outro que est morto, ela fica horrorizada, repelida e enojada, sem se dar conta, de que ela tambm esta sujeita morte, que no superou a morte. Se eu que estou sujeito morte, que no superei a morte ficasse horrorizado, repelido e enojado vendo uma pessoa morta, isso no seria digno. Notando isso, a [tpica] embriaguez de um jovem com a juventude desapareceu completamente.

[AN III.39]

Aos 29 anos de idade, o jovem prncipe segue a vida santa

[Data: -51 EB]

"Antes da minha iluminao quando eu ainda era um Bodisatva no iluminado, eu pensei: 'A vida em famlia confinada, um caminho empoeirado. A vida santa como o ar livre. No fcil viver em casa e praticar a vida santa completamente perfeita, totalmente pura, como uma concha polida. E se eu raspasse o meu cabelo e barba, vestisse os mantos de cor ocre e seguisse a vida santa?'

"Mais tarde, ainda jovem, um homem jovem com o cabelo negro, dotado com as bnos da juventude, na flor da juventude, embora minha me e meu pai desejassem outra coisa e chorassem com o rosto coberto de lgrimas, eu raspei meu cabelo e barba, vesti o manto de cor ocre e deixei a vida em famlia e segui a vida santa."

[MN 36]

Passantes notam o seu brilho sereno e ateno plena

Ao seguir a vida santa,
    ele evitou as aes ruins e prejudiciais com o corpo.
    Abandonando a linguagem ruim e prejudicial,
    ele purificou o seu modo de vida.
Ento ele, o Buda, foi para Rajagaha,
a fortaleza dos Magadhas na montanha,
    para esmolar alimentos,
dotado com todas as marcas de um grande homem.
O rei Bimbisara, em p no seu palcio, o viu,
e ao v-lo, com as marcas consumadas,
disse: "Vejam aquele, senhores.
Que formoso, majestoso, puro!
Como perfeito o seu comportamento!
Plenamente atento, com os olhos baixos,
olhando somente a uma pequena distncia sua frente
como algum que no de uma linhagem inferior:
Enviem os mensageiros reais imediatamente
para ver aonde ir esse bhikkhu."

Eles os mensageiros enviados -
o seguiram.
    "Aonde ir este bhikkhu?
    Onde ser que ele habita?"
Conforme ele ia de casa em casa -
bem contido, com as suas portas dos meios dos sentidos guardadas,
    plenamente atento, alerta -
a sua tigela se encheu rapidamente.
Ento ele, o sbio, tendo esmolado comida,
deixou a cidade, dirigindo-se ao Monte Pandava.
    "Aquele deve ser o lugar que ele habita."
Vendo-o ir para aquele lugar,
trs mensageiros se sentaram
enquanto que um retornou para contar ao rei.
"Aquele bhikkhu, majestade,
no flanco do Pandava,
senta como um tigre, um touro,
um leo em uma fenda na montanha."

[Snp III.1]

Um rei deseja saber: "Por que voc seguiu a vida santa?"

Ouvindo as palavras do mensageiro,
o nobre rei guerreiro
imediatamente foi com a carruagem real,
para o Monte Pandava.
Indo at onde a carruagem permitia,
ele desceu e continuou a p,
ao chegar ele sentou
e ambos se cumprimentaram.
Quando a conversa corts e amigvel havia terminado,
ele disse:
"Voc jovem, vigoroso,
na flor da juventude
dotado com a estatura e a cor
    de um nobre guerreiro.
O seu aspecto seria glorioso
    frente de um exrcito
    dotado com um batalho de elefantes.
Eu lhe ofereo riqueza: desfrute dela.
Eu pergunto o seu nascimento: me diga."

"Direto em frente, sua majestade,
na base do Himalaia,
h um pas consumado
em energia e riqueza,
habitado pelos Kosalas:
    Do sol por cl,
    Sakya por nascimento.
Dessa linhagem eu segui a vida santa,
mas no em busca de prazeres sensuais.
Vendo o perigo nos prazeres sensuais
- e a renncia como o descanso -
        Eu me esforo.
    com isso que meu corao se delicia."

[Snp III.1]

O Bodisatva em pouco tempo supera as realizaes dos seus mestres

"Tendo seguido a vida santa em busca do que benfico, buscando o insupervel estado de paz sublime procurei por Alara Kalama e lhe disse: 'Amigo Kalama, quero viver a vida santa neste Dhamma e Disciplina.' Alara Kalama respondeu, O Venervel pode ficar aqui, meu amigo. Este Dhamma tal que uma pessoa sbia pode em pouco tempo entrar e permanecer nele, compreendendo por si mesmo atravs do conhecimento direto a doutrina do seu mestre.' Em breve aprendi aquele Dhamma. No que diz respeito mera recitao e repetio dos seus ensinamentos, eu falava com conhecimento e segurana e reivindicava, Eu sei e vejo e havia outros que assim tambm diziam.

"Eu pensei: 'No somente pela mera f que Alara Kalama declara, "Tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto, eu entro e permaneo neste Dhamma. Com certeza Alara Kalama permanece conhecendo e vendo este Dhamma.' Ento fui at Alara Kalama e perguntei: Amigo Kalama, de que forma, tendo compreendido por voc mesmo com conhecimento direto, voc declara que entra e permanece nesse Dhamma?' Em resposta, ele declarou a esfera do nada.

"Eu pensei: 'No somente Alara Kalama tem f, energia, ateno plena, concentrao e sabedoria. Eu, tambm, tenho f, energia, ateno plena, concentrao e sabedoria. E se eu me esforasse para realizar por mim mesmo o Dhamma no qual Alara Kalama declara entrar e permanecer, tendo compreendido por ele mesmo atravs do conhecimento direto?'

Assim em pouco tempo eu entrei e permaneci naquele Dhamma, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto. Eu fui at Alara Kalama e perguntei, 'Amigo Kalama, dessa forma que voc declara que entra e permanece neste Dhamma, tendo compreendido por voc mesmo atravs do conhecimento direto?' Essa a forma, amigo.' dessa forma, amigo, que eu tambm entro e permaneo nesse Dhamma, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto.' um ganho para ns, meu amigo, um grande ganho para ns, que tenhamos um tal venervel como companheiro na vida santa. Portanto, o Dhamma no qual eu declaro que entro e permaneo, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto, o Dhamma no qual voc declara entrar e permanecer, tendo compreendido por voc mesmo com o conhecimento direto. E o Dhamma no qual voc declara entrar e permanecer, tendo compreendido por voc mesmo com o conhecimento direto, o Dhamma no qual eu declaro que entro e permaneo, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto. Portanto, voc conhece o Dhamma que eu conheo e eu conheo o Dhamma que voc conhece. Como eu sou, assim voc; como voc , assim eu sou. Venha amigo, vamos agora liderar esta comunidade juntos.'

Dessa forma Alara Kalama, meu mestre, colocou-me, seu pupilo, no mesmo nvel que ele e me concedeu a maior honra possvel. Porm, o pensamento me ocorreu, Este Dhamma no conduz ao desencantamento, ao desapego, cessao, paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana, mas somente ao reaparecimento na esfera do nada. Dessa forma, no estando satisfeito com esse Dhamma, eu parti.

"Ainda em busca, bhikkhus, do que benfico, buscando o insupervel estado de paz sublime procurei por Uddaka Ramaputta e ao chegar, eu lhe disse: 'Amigo Uddaka, quero viver a vida santa neste Dhamma e Disciplina.' Uddaka Ramaputta respondeu, O Venervel pode ficar aqui, meu amigo. Este Dhamma tal que uma pessoa sbia pode em pouco tempo entrar e permanecer nele, compreendendo por si mesmo atravs do conhecimento direto a doutrina do seu mestre.' Em breve aprendi aquele Dhamma. No que diz respeito mera recitao e repetio dos seus ensinamentos, eu falava com conhecimento e segurana e reivindicava, Eu sei e vejo e havia outros que assim tambm diziam.

"Eu pensei: 'No foi somente pela mera f que Rama declarava, "Tendo compreendido por mim mesmo atravs do conhecimento direto, eu entro e permaneo neste Dhamma. Com certeza Rama permanecia conhecendo e vendo este Dhamma.' Ento fui at Uddaka Ramaputta e perguntei: Amigo, de que forma Rama, tendo compreendido por ele mesmo atravs do conhecimento direto, declarou que entrou e permaneceu nesse Dhamma?' Em resposta, Uddaka Ramaputta declarou a esfera da nem percepo, nem no percepo.

"Eu pensei: 'No somente Rama tinha f, energia, ateno plena, concentrao e sabedoria. Eu, tambm, tenho f, energia, ateno plena, concentrao e sabedoria. E se eu me esforasse para realizar por mim mesmo o Dhamma no qual Rama, tendo compreendido por ele mesmo atravs do conhecimento direto, declarou que entrou e permaneceu?'

Assim, em pouco tempo eu entrei e permaneci naquele Dhamma, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto. Ento eu fui at Uddaka Ramaputta e perguntei, 'Amigo, dessa forma que Rama declarou que entrou e permaneceu neste Dhamma, tendo compreendido por ele mesmo atravs do conhecimento direto?' Essa a forma, amigo.' dessa forma, amigo, que eu tambm entro e permaneo nesse Dhamma, tendo compreendido por mim mesmo com o conhecimento direto.' um ganho para ns, meu amigo, um grande ganho para ns, que tenhamos um tal venervel como companheiro na vida santa. Portanto, o Dhamma no qual Rama declarou que entrou e permaneceu, tendo compreendido por ele mesmo com o conhecimento direto, o Dhamma no qual voc entra e permanece, tendo compreendido por voc mesmo com o conhecimento direto. E o Dhamma que voc entra e permanece tendo compreendido por voc mesmo com o conhecimento direto, o Dhamma no qual Rama declarou que entrou e permaneceu, tendo compreendido por ele mesmo com o conhecimento direto. Portanto, voc conhece o Dhamma que Rama conhecia e Rama conhecia o Dhamma que voc conhece. Como Rama era, assim voc; como voc , assim era Rama. Venha amigo, agora lidere esta comunidade.'

Dessa forma, Uddaka Ramaputta, meu companheiro na vida santa, colocou-me na posio de mestre e me concedeu a maior honra possvel. Porm, o pensamento me ocorreu, Este Dhamma no conduz ao desencantamento, ao desapego, cessao, paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana, mas somente ao reaparecimento na esfera da nem percepo, nem no percepo. Dessa forma, no estando satisfeito com esse Dhamma, eu parti.

[MN 26]

Ele pratica austeridades extremas na floresta

"Eu pensei: 'E se eu, com os dentes cerrados e pressionando minha lngua contra o cu da boca, abatesse, forasse e subjugasse minha mente com a minha mente.' Dessa forma, com os dentes cerrados e pressionando minha lngua contra o cu da boca, abati, forcei e subjuguei minha mente com a minha mente. Enquanto eu fazia isso o suor emanava das minhas axilas. Tal como um homem forte agarra um homem mais fraco pela cabea ou pelos ombros e o abate, o fora e o subjuga, da mesma forma com os dentes cerrados e pressionando minha lngua contra o cu da boca, abati, forcei e subjuguei minha mente com a minha mente e o suor emanava das minhas axilas. Mas embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Eu pensei: 'E se eu praticasse a meditao sem respirar.' Assim eu parei a inspirao e a expirao atravs do meu nariz e boca. Ao fazer isso, houve um forte rugido de ventos saindo pelos ouvidos. Tal como o forte rugido dos ventos que saem do fole de um ferreiro, da mesma forma, quando parei a inspirao e a expirao atravs do meu nariz e boca houve um forte rugido de ventos saindo pelos ouvidos. Mas embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Eu pensei: 'E se eu praticasse mais a meditao sem respirar.' Assim eu parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos. Ao fazer isso, ventos violentos retalharam a minha cabea. Tal como se um homem forte estivesse retalhando a minha cabea com uma espada afiada, da mesma forma, quando parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos ventos violentos retalharam a minha cabea. Mas, embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Eu pensei: 'E se eu praticasse mais a meditao sem respirar.' Assim eu parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos. Ao fazer isso, dores violentas surgiram na minha cabea. Tal como se um homem forte estivesse apertando em volta da minha cabea uma tira de couro resistente, da mesma forma, quando parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos dores violentas surgiram na minha cabea. Mas embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Eu pensei: 'E se eu praticasse mais a meditao sem respirar.' Assim eu parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos. Ao fazer isso, foras violentas retalharam a cavidade do meu estmago. Tal como se um aougueiro ou seu aprendiz estivessem retalhando a cavidade do estmago de um boi com uma faca afiada, da mesma forma, quando parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos, foras violentas retalharam a cavidade do meu estmago. Mas embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Eu pensei: 'E se eu praticasse mais a meditao sem respirar.' Assim eu parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos. Ao fazer isso, houve uma queimao violenta no meu corpo. Tal como se dois homens fortes agarrassem um homem mais fraco pelos braos o assassem sobre uma cova com brasas em chamas, da mesma forma, quando parei a inspirao e a expirao atravs do nariz, boca e ouvidos, houve uma queimao violenta no meu corpo. Mas embora uma energia incansvel houvesse sido estimulada em mim e uma persistente ateno plena houvesse se estabelecido, meu corpo estava agitado e inquieto porque eu estava exausto devido ao doloroso esforo. Porm, a sensao de dor que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

Agora quando os devas me viram, alguns disseram, 'Gotama o contemplativo est morto.' Outros devas disseram, 'Ele no est morto, ele est morrendo.' E outros disseram, 'Ele no est morto, nem morrendo; ele um arahant, pois assim como praticam os arahants.'

"Eu pensei: 'E se eu praticasse cortando completamente a alimentao.' Ento os devas vieram at mim e disseram, 'Estimado senhor, por favor no utilize a prtica do corte completo da alimentao. Se voc assim o fizer, ns infundiremos alimento divino atravs dos seus poros e voc sobreviver com isso.' Eu pensei, 'Se eu afirmar estar em jejum completo enquanto esses devas estiverem infundindo alimento divino atravs dos meus poros, eu estarei mentindo.' Assim eu os dispensei, dizendo, 'No necessrio.'

"Eu pensei: 'E se eu comesse somente um pouco de comida de cada vez, uma mo cheia de cada vez, seja de sopa de feijo ou de sopa de lentilha, ou de sopa de legumes, ou sopa de ervilhas.' Assim, eu comia muito pouco, uma mo cheia de cada vez, seja de sopa de feijo ou de sopa de lentilha, ou de sopa de legumes, ou de sopa de ervilhas. Enquanto eu fazia isso meu corpo ficou extremamente emaciado. Por comer to pouco, os meus membros ficaram como os segmentos articulados de uma videira ou bambu. Por comer to pouco, as minhas costas ficaram como a corcova de um camelo. Por comer to pouco, as projees da minha espinha pareciam contas de um cordo. Por comer to pouco, as minhas costelas se projetavam para a frente to frgeis como as traves de um celeiro destelhado. Por comer to pouco, o brilho dos meus olhos se afundou dentro da cavidade do olho, parecendo com o brilho dgua no fundo de um poo profundo. Por comer to pouco, o meu escalpo enrugou e encolheu como uma abbora verde, amarga, enruga e encolhe com o vento e o sol. Por comer to pouco, a pele da minha barriga se uniu minha espinha; portanto se eu tocasse a minha barriga encontrava a minha espinha e se tocasse a minha espinha encontrava a pele da minha barriga. Por comer to pouco, se eu tentasse aliviar meu corpo esfregando meus membros com as mos, os pelos, com as razes apodrecidas, caam do corpo medida que eu os esfregava.

"Agora, quando as pessoas me viam, algumas diziam: 'O contemplativo Gotama negro. Outras pessoas diziam, 'O contemplativo Gotama no negro, ele marrom.' Outros diziam, 'O contemplativo Gotama no negro nem marrom, ele tem a pele dourada. Tanto havia se deteriorado a complexo pura e brilhante da minha pele, por comer to pouco.

"Eu pensei: 'Todos os contemplativos ou brmanes que no passado experimentaram sensaes dolorosas, torturantes e penetrantes devido ao esforo, isto o mximo, no existe nada alm disso. Todos os contemplativos ou brmanes que no futuro experimentaro sensaes dolorosas, torturantes e penetrantes devido ao esforo, isto o mximo, no existe nada alm disso. E todos os contemplativos ou brmanes que no presente experimentam sensaes dolorosas, torturantes e penetrantes devido ao esforo, isto o mximo, no existe nada alm disso. Mas, atravs desta prtica de austeridades atormentadoras eu no alcancei nenhum estado supra-humano, nenhuma distino em conhecimento e viso digna dos nobres. Poderia haver um outro caminho para a iluminao?"

[MN 36]

Ele confronta o medo e o terror de frente

Eu habitei naqueles lugares que inspiram o pavor, lugares horripilantes como os santurios em jardins, santurios nas florestas e santurios nas rvores. E enquanto l estava, um animal selvagem veio at a mim ou um pavo quebrou um galho, ou o vento murmurou nas folhas. Eu pensei: E agora se esse for o medo e o terror vindo? eu pensei: Porque permaneo sempre esperando o medo e o terror? E se eu subjugasse esse medo e terror mantendo a mesma postura em que eu me encontrar quando ele vier me encontrar?

Enquanto eu caminhava, o medo e terror vieram me encontrar; eu nem fiquei parado, nem sentei, nem deitei at que tivesse subjugado aquele medo e terror. Enquanto estava em p, o medo e o terror vieram me encontrar; eu nem andei, nem sentei nem deitei at que tivesse subjugado aquele medo e terror. Enquanto estava sentado, o medo e o terror vieram me encontrar; eu nem andei, nem fiquei em p, nem deitei at que tivesse subjugado aquele medo e terror. Enquanto estava deitado, o medo e o terror vieram me encontrar; eu nem andei, nem fiquei em p, nem sentei at que tivesse subjugado aquele medo e terror.

[MN 4]

Mara, a personificao do mal, lhe faz uma visita

Da mesma forma, bhikkhus, Mara, o Senhor do Mal, est continuamente e constantemente, esperando ao seu lado, pensando, Talvez eu tenha uma oportunidade atravs do olho do ouvido do nariz da lngua do corpo. Talvez eu tenha uma oportunidade atravs da mente. Portanto, bhikkhus, permaneam com as portas dos meios dos sentidos bem guardadas.

[SN XXXV.240]

Estando
    prximo ao rio Nerajara,
    esforando-me em meditao,
    para conquistar a segurana contra o cativeiro,

Namuci veio,
    falando palavras com compaixo:

Voc est emaciado, parece doente,
    voc est prximo
    da morte.
A morte
tem mil partes suas
e apenas uma frao sua
est viva.
Viva, bom senhor!
A vida melhor.
        Vivo,
    voc pode fazer
    atos meritrios.
Vivendo em celibato,
realizando o sacrifcio do fogo,
muito mrito realizado.
    Qual benefcio lhe trar o esforo?
difcil de seguir
- o caminho do esforo -
difcil de realizar, difcil
de manter.

Mara disse esses versos
na presena do Abenoado.
E para aquele Mara, que disse aquilo,
o Abenoado respondeu o seguinte:

Companheiro dos negligentes,
    Diablico,
porque voc veio at aqui?
Aqueles que precisam de mrito:
esses so aqueles
a quem Mara deve se dirigir.

Eu tenho f,
        energia,
        sabedoria.
Estando decidido pelo esforo,
porque voc me pede que
    eu viva?
Este vento poderia secar
    at mesmo as guas de rios.
Por que, estando decidido,
meu sangue no deveria secar?
Na medida em que meu sangue seca
blis e fleuma secam.
Na medida em que a carne consumida,
a mente se torna mais tranqila;
ateno plena, sabedoria,
concentrao se
    firmam.
Permanecendo dessa forma,
alcanando a sensao mxima,
a mente no tem interesse
nos desejos sensuais.
    Veja:
    a pureza
    de um ser!

Sensualidade o seu primeiro exrcito.
O segundo chamado Descontentamento.
O terceiro Fome e Sede.
O quarto chamado Desejo.
O quinto Preguia e Torpor.
O sexto chamado Medo.
O stimo Dvida.
Hipocrisia e Teimosia, o oitavo.
Ganhos, Honrarias, Fama e Status
    obtidos de forma incorreta,
e qualquer um que se vanglorie
e menospreze outros.

Esse, Namuci, o seu exrcito
a fora de ataque do Negro.
Um covarde e preguioso no pode venc-lo,
porm quem o derrota
        conquista a felicidade.

Eu carrego a erva muja?
Eu cuspo na minha vida.
Morte na batalha seria melhor
    do que, se derrotado,
        eu sobrevivesse.

Alguns brmanes e contemplativos,
    no so vistos aqui se esforando,
to imersos eles esto no mundo.
Eles no conhecem o caminho
      trilhado por aqueles com a conduta perfeita.

Vendo o exrcito que me cerca
    pronto para a luta
com Mara montado no seu elefante,
eu vou para a luta
de modo que ele no me mova
    da
    minha posio.
Esse seu exrcito,
que o mundo com os seus devas
        incapaz de subjugar,

Eu esmagarei com a sabedoria,
igual a uma cermica que no foi cozida, por uma pedra.

Tendo domesticado a mente,
        a ateno plena bem estabelecida,
eu irei, de reino em reino,
treinando muitos discpulos.
Diligentes e energticos
na prtica dos meus ensinamentos,
os ensinamentos daqueles desprovidos de desejos sensuais,
    eles iro

aonde, tendo ido,
    no h sofrimento.

Mara:

Por sete anos, segui de perto
os passos do Abenoado,
mas no tive uma oportunidade
para derrotar esse plenamente atento
    Perfeitamente Iluminado.
Um corvo sobrevoa uma pedra
com a cor da gordura
    - Talvez tenha encontrado
    algo tenro ali.
    Talvez seja algo para comer -

Mas no encontrando nada comestvel,
o corvo vai embora.
Igual ao corvo e a pedra,
Eu deixo Gotama, desalentado.

Tomado pela tristeza,
o alade caiu do seu brao.
E aquele esprito deprimido,
         exatamente ali
        desapareceu.

[Snp III.2]

Ele abandona as suas austeridades

"Eu refleti: 'Eu me recordo que quando meu pai, o Sakya, estava ocupado enquanto eu estava sentado sombra fresca de um jambo-rosa, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades no hbeis, eu entrei e permaneci no primeiro jhana, que caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o xtase e felicidade nascidos do afastamento. Poderia ser esse o caminho para a iluminao?' Ento, seguindo essa memria, cheguei concluso: Esse o caminho para a iluminao.

"Eu pensei: 'Por que temo esse prazer que no tem nada que ver com a sensualidade, nem com qualidades mentais prejudiciais?' Eu pensei: 'Eu no temo mais esse prazer j que ele no tem nada que ver com a sensualidade nem com qualidades mentais prejudiciais.'

"Eu refleti: 'No fcil alcanar esse prazer com um corpo to extremamente emaciado. E se eu comesse alguma comida slida - um pouco de arroz doce com leite.' E eu comi um pouco de comida slida: um pouco de arroz doce com leite. Agora os cinco monges que estavam comigo, pensaram: 'Se Gotama, nosso contemplativo, alcanar algum estado mais elevado, ele nos dir.' Porm, quando eles me viram comendo comida slida um pouco de arroz doce com leite eles sentiram repulsa e me deixaram, pensando: 'O contemplativo Gotama agora vive gratificado pelos sentidos. Ele deixou de lado a sua busca e reverteu ao luxo.'

"Agora, tendo comido comida slida e recuperado as minhas foras, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades no hbeis eu entrei e permaneci no primeiro jhana, que caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o xtase e felicidade nascidos do afastamento. Mas essa sensao prazerosa que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Abandonando o pensamento aplicado e sustentado eu entrei e permaneci no segundo jhana ... Abandonando o xtase ... eu entrei e permaneci no terceiro jhana ... Com o completo desaparecimento da felicidade ... eu entrei e permaneci no quarto jhana. Mas essa sensao prazerosa que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu."

[MN 36]


A iluminao

[Data: -45 EB]

Ele descobre o Caminho do Meio

Bhikkhus, h esses dois extremos aos quais aquele que abandonou a vida em famlia e seguiu a vida santa no deve se entregar. Quais dois? A busca da felicidade nos prazeres sensuais, que so baixos, vulgares, grosseiros, ignbeis e que no trazem benefcio; e a busca da mortificao, que dolorosa, ignbil e que no traz benefcio. Evitando esses dois extremos o Tathagata despertou para o Caminho do Meio, que faz surgir a viso, que faz surgir a sabedoria, que conduz paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana.

E qual, bhikkhus, o caminho do meio para o qual o Tathagata despertou, que faz surgir a viso ... que conduz a Nibbana? este Nobre Caminho ctuplo: entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ao correta, modo de vida correto, esforo correto, ateno plena correta, concentrao correta. Esse, bhikkhus, o caminho do meio para o qual o Tathagata despertou, que faz surgir a viso, que faz surgir a sabedoria, que conduz paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana.

[SN LVI.11]

Ele penetra os Trs Conhecimentos

"Quando a minha mente dessa forma concentrada, purificada, luminosa, pura, imaculada, livre de defeitos, flexvel, malevel, estvel e atingindo a imperturbabilidade, eu a dirigi para o conhecimento da recordao de minhas vidas passadas. Eu recordei minhas muitas vidas passadas, isto , um nascimento, dois...cinco, dez...cinqenta, cem, mil, cem mil, muitos ciclos csmicos de contrao, muitos ciclos csmicos de expanso, muitos ciclos csmicos de contrao e expanso: 'L eu tinha tal nome, pertencia a tal cl, tinha tal aparncia. Assim era minha comida, assim era a minha experincia de prazer e de dor, assim foi o fim da minha vida. Falecendo daquele estado eu ressurgi ali. Ali eu tambm tinha tal nome, pertencia a tal cl, tinha tal aparncia. Assim era a minha comida, assim a minha experincia de prazer e de dor, assim foi o fim da minha vida. Falecendo daquele estado eu ressurgi aqui.' Assim eu me recordei das minhas vidas passadas nos seus modos e detalhes.

"Esse foi o primeiro conhecimento verdadeiro que eu obtive na primeira viglia da noite. A ignorncia foi destruda; o conhecimento surgiu; a escurido foi destruda; surgiu a luz como acontece com algum que seja diligente, ardente e decidido. Mas o sentimento prazeroso que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Quando a minha mente dessa forma concentrada, purificada, luminosa, pura, imaculada, livre de defeitos, flexvel, malevel, estvel e atingindo a imperturbabilidade, eu a dirigi para o conhecimento do falecimento e ressurgimento dos seres. Eu vi atravs do olho divino, purificado e que sobrepuja o humano seres falecendo e renascendo e eu compreendi como eles so inferiores e superiores, bonitos e feios, afortunados e desafortunados de acordo com o seu kamma: 'Esses seres que so dotados de m conduta com o corpo, linguagem e mente, que insultam os nobres, que tm entendimento incorreto e realizam aes sob a influncia do entendimento incorreto na dissoluo do corpo, aps a morte, renascem no plano da privao, numa destinao ruim, nos reinos inferiores, no inferno. Porm, aqueles seres que so dotados de boa conduta com o corpo, linguagem e mente, que no insultam os nobres, que tm entendimento correto e realizam aes sob a influncia do entendimento correto com a dissoluo do corpo, aps a morte, renascem num destino feliz, no paraso.' Dessa forma atravs do olho divino, purificado e que sobrepuja o humano eu vi seres falecendo e renascendo e eu compreendi como eles so inferiores e superiores, bonitos e feios, afortunados e desafortunados de acordo com o seu kamma.

"Esse foi o segundo conhecimento verdadeiro que eu obtive na segunda viglia da noite. A ignorncia foi destruda; o conhecimento surgiu; a escurido foi destruda; surgiu a luz como acontece com algum que seja diligente, ardente e decidido. Mas o sentimento prazeroso que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

"Quando a minha mente dessa forma concentrada, purificada, luminosa, imaculada, livre de defeitos, flexvel, malevel, estvel e atingindo a imperturbabilidade, eu a dirigi para o conhecimento do fim das impurezas mentais. Eu compreendi, da maneira como realmente , que Isto sofrimento Esta a origem do sofrimento Esta a cessao do sofrimento Este o caminho que conduz cessao do sofrimento... Estas so as impurezas...Esta a origem das impurezas.... Esta a cessao das impurezas...Este o caminho que conduz cessao das impurezas.

"Quando eu assim soube e vi, minha mente estava livre da impureza do desejo sensual, da impureza de ser/existir, da impureza da ignorncia. Quando ela se libertou, surgiu o conhecimento, Libertada. Eu compreendi que O nascimento foi destrudo, a vida santa foi vivida, o que devia ser feito foi feito, no h mais vir a ser em nenhum estado.'

"Esse foi o terceiro conhecimento verdadeiro que eu obtive na terceira viglia da noite. A ignorncia foi destruda e o verdadeiro conhecimento surgiu; a escurido foi destruda e a luz surgiu como acontece com algum que seja diligente, ardente e decidido. Mas o sentimento prazeroso que surgiu em mim no invadiu a minha mente e permaneceu.

[MN 36]

Despertar Supremo!

Incontveis nascimentos, neste samsara
perambulei, buscando sem encontrar
o construtor desta casa:
renascer sofrimento.

Construtor desta casa voc foi visto,
voc nunca mais construir uma casa,
todas as vigas cederam,
a estrutura doi demolida,
a mente superou o condicionado,
a cessao do desejo.

[Dhp 153-4]

Ele se torna um Tathagata

"O Tathagata despertou completamente para o mundo. Do mundo, o Tathagata est desunido. O Tathagata despertou completamente para a origem do mundo. A origem do mundo foi abandonada pelo Tathagata. O Tathagata despertou completamente para a cessao do mundo. A cessao do mundo foi realizada pelo Tathagata. O Tathagata despertou completamente para o caminho para a cessao do mundo. O caminho para a cessao do mundo foi desenvolvido pelo Tathagata.

"Tudo aquilo no mundo, com os seus devas, maras e brahmas, esta populao com seus contemplativos e brmanes, seus prncipes e o povo, tudo aquilo que visto, ouvido, sentido, conscientizado, buscado, procurado, ponderado pela mente: o Tathagata despertou completamente para tudo isso. Por isso ele chamado o Tathagata.

"Desde a noite em que o Tathagata despertou completamente para a insupervel perfeita iluminao at a noite na qual ele realize o parinibbana, tudo aquilo que o Tathagata disse, falou, explicou assim (tatha) e no de outra forma. Por isso ele chamado o Tathagata.

"O Tathagata aquele que age de acordo com (tatha) o que ele ensina, aquele que ensina de acordo com as suas aes. Por isso ele chamado o Tathagata.

"Neste mundo, com os seus devas, maras e brahmas, esta populao com seus contemplativos e brmanes, seus prncipes e o povo, o Tathagata o Conquistador, o No-conquistado, Omnisciente, Todo Poderoso. Por isso ele chamado o Tathagata."

[It.112]


Aps a iluminao

O Buda investiga as leis de causa e efeito

Assim ouvi. Certa ocasio o Abenoado estava em Uruvela s margens do rio Neranjara ao p de uma figueira-dos-pagodes, pouco tempo depois de ter alcanado a perfeita iluminao. Ento, enquanto o Abenoado estava s em isolamento, um pensamento surgiu na sua mente ele ficou sentado em meditao sob a sombra dessa rvore por sete dias sem parar, sensvel felicidade da libertao. Ao final de sete dias, aps emergir daquela concentrao, na terceira viglia da noite, ele considerou minuciosamente a origem dependente em ordem progressiva e regressiva, dessa forma:

Quando existe isso, aquilo existe.
Com o surgimento disso, aquilo surge.
Quando no existe isso, nem aquilo existe.
Com a cessao disto, aquilo cessa.

Em outras palavras:

"Da ignorncia como condio, as formaes [surgem]
Das formaes como condio, a conscincia.
Da conscincia como condio, a mentalidade-materialidade.
Da mentalidade-materialidade como condio, as seis bases dos sentidos.
Das seis bases dos sentidos como condio, o contato.
Do contato como condio, as sensaes.
Das sensaes como condio, o desejo
Do desejo como condio, o apego.
Do apego como condio, ser/existir.
Do ser/existir como condio, o nascimento.
Do nascimento como condio, o envelhecimento e morte, tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.
Essa a origem dessa massa de sofrimento e estresse.

"Agora da cessao sem deixar vestgios dessa mesma ignorncia, cessam as formaes.
Da cessao das formaes, cessa a conscincia.
Da cessao da conscincia, cessa a mentalidade-materialidade.
Da cessao da mentalidade-materialidade, cessam as seis bases dos sentidos.
Da cessao das seis bases dos sentidos, cessa o contato.
Da cessao do contato, cessam as sensaes.
Da cessao das sensaes, cessa o desejo.
Da cessao do desejo, cessa o apego.
Da cessao do apego, cessa o ser/existir.
Da cessao do ser/existir, cessa o nascimento.
Da cessao do nascimento, ento envelhecimento e morte, tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero, todos cessam." Essa a cessao dessa massa de sofrimento e estresse.

Ento, dando-se conta do significado disso, o Abenoado nessa ocasio exclamou:

Na medida em que os fenmenos ficam mais claros
para o brmane ardente, absorto -
ele permanece, arrasando as tropas de Mara,
como o sol que ilumina
        o cu.

[Ud I.3]


O Buda pergunta a si mesmo: a quem devo reverenciar como meu mestre?

Assim ouvi. Certa ocasio, o Abenoado estava em Uruvela s margens do rio Neranjara ao p da figueira-dos-pagodes, pouco tempo depois de ter alcanado a perfeita iluminao. Ento, enquanto o Abenoado estava s e isolado, um pensamento surgiu na sua mente: Uma pessoa sofre se permanecer sem reverncia ou deferncia. Agora, de qual brmane ou contemplativo posso depender, honrando-o e respeitando-o?"

Ento, o pensamento lhe ocorreu: Seria com o propsito de aperfeioar um agregado de virtude no aperfeioado que eu permaneceria na dependncia de um outro brmane ou contemplativo, honrando-o e respeitando-o? No entanto, neste mundo com os seus devas, Mara e Brahma, nesta populao com seus brmanes e contemplativos, seus prncipes e povo, eu no vejo outro brmane ou contemplativo mais consumado em virtude do que eu, ningum na dependncia do qual eu possa permanecer honrando-o e respeitando-o.

Seria com o propsito de aperfeioar um agregado de concentrao no aperfeioado...

Seria com o propsito de aperfeioar um agregado de sabedoria no aperfeioado...

Seria com o propsito de aperfeioar um agregado de libertao no aperfeioado...

Seria com o propsito de aperfeioar um agregado de conhecimento e viso da libertao no aperfeioado que eu permaneceria na dependncia de um outro brmane ou contemplativo, honrando-o e respeitando-o? No entanto, neste mundo com os seus devas, Mara e Brahma, nesta populao com seus brmanes e contemplativos, seus prncipes e povo, eu no vejo outro brmane ou contemplativo mais consumado em conhecimento e viso da libertao do que eu, ningum na dependncia do qual eu possa permanecer honrando-o e respeitando-o.

"E se eu permanecesse na dependncia deste mesmo Dhamma para o qual eu despertei perfeitamente, honrando-o e respeitando-o?"

Ento, tendo percebido com a sua mente o pensamento na mente do Abenoado com a mesma rapidez com que um homem forte pode estender o seu brao flexionado ou flexionar o seu brao estendido - o Brahma Sahampati desapareceu do mundo de Brahma e reapareceu na frente do Abenoado. Arrumando o seu manto externo sobre o ombro, ele juntou as mos em uma reverenciosa saudao dizendo: Assim , Abenoado! Assim , Iluminado! Aqueles que foram Arahants, Perfeitamente Iluminados no passado esses Abenoados, tambm, permaneceram na dependncia deste mesmo Dhamma, honrando-o e respeitando-o. Aqueles que sero Arahants, Perfeitamente Iluminados no futuro esses Abenoados, tambm, permanecero na dependncia deste Dhamma, honrando-o e respeitando-o. Que o Abenoado, que o Arahant no momento, o Perfeitamente Iluminado, permanea na dependncia deste Dhamma, honrando-o e respeitando-o.

[SN VI.2]


Ele se pergunta: devo ensinar este Dhamma a outros?

Eu pensei: Este Dhamma que eu alcancei profundo, difcil de ver e difcil de compreender, pacfico e sublime, que no pode ser alcanado atravs do mero raciocnio, sutil, para ser experimentado pelos sbios. Porm esta populao se delicia com a adeso, est excitada com a adeso, desfruta da adeso. Para uma populao que se delicia com a adeso, excitada pela adeso, desfrutando da adeso, esta verdade, isto , a condicionalidade isto/aquilo e a origem dependente so difceis de serem vistas. E tambm, difcil de ver esta verdade, isto , o silenciar de todas as formaes, o abandono de todas aquisies, o fim do desejo, desapego, cessao, Nibbana. Se eu fosse ensinar o Dhamma, os outros no me entenderiam, e isso seria fatigante, enervante. Ento, estes versos nunca antes ouvidos, me ocorreram:

Basta agora com o ensino do Dhamma
que at para mim foi difcil alcanar;
pois ele nunca ser entendido
por aqueles que vivem com a cobia e o dio.

Aqueles tingidos pela cobia, envoltos na escurido 
nunca iro discernir este Dhamma difcil de ser compreendido
que vai contra a torrente do mundo,
sutil, profundo, e difcil de ser visto.

Pensando dessa forma, minha mente tendia inao ao invs do ensino do Dhamma.

Ento, bhikkhus, o Brahma Sahampati, soube com a mente dele o pensamento na minha mente e pensou: O mundo estar perdido, o mundo estar destrudo, j que a mente do Tathagata, um arahant, perfeitamente iluminado, se inclina inao ao invs do ensino do Dhamma. Ento, com a mesma rapidez com que um homem forte pode estender o seu brao dobrado ou dobrar o seu brao estendido, Brahma Sahampati desapareceu do mundo de Brahma e apareceu na minha frente. Ele arrumou o seu manto externo sobre o ombro e juntou as mos em uma reverenciosa saudao, dizendo: Venervel senhor, que o Abenoado ensine o Dhamma, que o Iluminado ensine o Dhamma. H seres com pouca poeira sobre os olhos que esto decaindo por no ouvir o Dhamma. H aqueles que entendero o Dhamma. Depois de dizer isso, Brahma Sahampati disse ainda mais:

Em Magadha surgiram at agora
ensinamentos contaminados formulados por aqueles que ainda esto poludos.
Abram as portas para o Imortal! Que eles ouam
o Dhamma que o Imaculado encontrou.

Tal como algum que esteja no pico de uma montanha
capaz de ver todas as pessoas embaixo,
da mesma forma, Oh sbio, sbio que tudo v,
suba ao palcio do Dhamma.

Que o Conquistador da Tristeza inspecione esta raa humana,
engolfada na tristeza, subjugada pelo nascimento e envelhecimento.
Levante-se, Oh heri vitorioso na batalha!
Oh lder da caravana, sem dvidas, saia pelo mundo.

Ensine o Dhamma, Oh Abenoado,
existem aqueles que iro compreender.

Ento tendo ouvido o pedido de Brahma, e por compaixo pelos seres, inspecionei o mundo com o olho de um Buda. Inspecionando o mundo com o olho de um Buda, eu vi seres com pouca poeira sobre os olhos e com muita poeira sobre os olhos, com faculdades aguadas e com faculdades embotadas, com boas qualidades e com ms qualidades, fceis de serem ensinados e difceis de serem ensinados, e alguns que permaneciam vendo medo e culpa no outro mundo. Tal como em um lago com flores de ltus azuis ou vermelhas ou brancas, algumas flores de ltus que nascem e crescem ngua florescem imersas na gua sem sair fora dgua, e algumas outras flores de ltus que nascem e crescem ngua pousam sobre a superfcie dgua, e algumas outras flores de ltus que nascem e crescem ngua sobem acima do nvel dgua e permanecem sem serem molhadas pela gua; assim tambm, inspecionando o mundo com o olho de um Buda, eu vi seres com pouca poeira sobre os olhos e com muita poeira sobre os olhos, com faculdades aguadas e com faculdades embotadas, com boas qualidades e com ms qualidades, fceis de serem ensinados e difceis de serem ensinados, e alguns que permaneciam vendo medo e culpa no outro mundo. Ento respondi ao Brahma Sahampati em versos:

Para eles esto abertas as portas para o Imortal,
que aqueles com ouvidos mostrem agora a sua f.
Pensando que seria problemtico, Oh Brahma,
eu no quis falar o Dhamma sutil e sublime.

Ento o Brahma Sahampati pensou: Eu criei a oportunidade para que o Abenoado ensine o Dhamma. E depois de me homenagear, mantendo-me sua direita, ele ento desapareceu.

[MN 26]


Quarenta e cinco anos de ensinamentos

O primeiro sermo do Buda para o grupo de cinco ascticos

Assim ouvi. Em certa ocasio, o Abenoado estava em Benares, no Parque do Gamo, em Isipatana. L ele se dirigiu ao grupo de cinco bhikkhus:

Bhikkhus, h esses dois extremos aos quais aquele que abandonou a vida em famlia e seguiu a vida santa no deve se entregar. Quais dois? A busca da felicidade nos prazeres sensuais, que so baixos, vulgares, grosseiros, ignbeis e que no trazem benefcio; e a busca da mortificao, que dolorosa, ignbil e que no traz benefcio. Evitando esses dois extremos o Tathagata despertou para o Caminho do Meio, que faz surgir a viso, que faz surgir a sabedoria, que conduz paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana

O Nobre Caminho ctuplo

E qual, bhikkhus, o caminho do meio para o qual o Tathagata despertou, que faz surgir a viso ... que conduz a Nibbana? este Nobre Caminho ctuplo: entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ao correta, modo de vida correto, esforo correto, ateno plena correta, concentrao correta. Esse, bhikkhus, o caminho do meio para o qual o Tathagata despertou, que faz surgir a viso, que faz surgir a sabedoria, que conduz paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana..

As Quatro Nobres Verdades

Agora, bhikkhus, esta a nobre verdade do sofrimento: nascimento sofrimento, envelhecimento sofrimento, enfermidade sofrimento, morte sofrimento; tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero so sofrimento; a unio com aquilo que desprazeroso sofrimento; a separao daquilo que prazeroso sofrimento; no obter o que se deseja sofrimento; em resumo, os cinco agregados influenciados pelo apego so sofrimento.

Agora, bhikkhus, esta a nobre verdade da origem do sofrimento: este desejo que conduz a uma renovada existncia, acompanhado pela cobia e pelo prazer, buscando o prazer aqui e ali; isto , o desejo pelos prazeres sensuais, o desejo por ser/existir, o desejo por no ser/existir.

Agora, bhikkhus, esta a nobre verdade da cessao do sofrimento: o desaparecimento e cessao sem deixar vestgios daquele mesmo desejo, abrir mo, descartar, libertar-se, despegar desse mesmo desejo.

Agora, bhikkhus, esta a nobre verdade do caminho que conduz cessao do sofrimento: este Nobre Caminho ctuplo: entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ao correta, modo de vida correto, esforo correto, ateno plena correta, concentrao correta.

As responsabilidades de cada um com relao s Quatro Nobres Verdades

Esta a nobre verdade do sofrimento: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade do sofrimento deve ser completamente compreendida: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade do sofrimento foi completamente compreendida: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta a nobre verdade da origem do sofrimento: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade da origem do sofrimento deve ser abandonada: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade da origem do sofrimento foi abandonada: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta a nobre verdade da cessao do sofrimento: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade da cessao do sofrimento deve ser realizada: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade da cessao do sofrimento foi realizada: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta a nobre verdade do caminho que conduz cessao do sofrimento: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade do caminho que conduz cessao do sofrimento deve ser desenvolvida: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

Esta nobre verdade do caminho que conduz cessao do sofrimento foi desenvolvida: assim, bhikkhus, com relao a coisas no ouvidas antes, surgiram em mim a viso, a compreenso, a sabedoria, o verdadeiro conhecimento e a iluminao.

A roda do Dhamma com doze raios

Enquanto, bhikkhus, meu conhecimento e viso dessas Quatro Nobres Verdades como na verdade elas so, nas suas trs fases e doze aspectos, no estava completamente purificado desse modo, no reivindiquei ter despertado para a insupervel perfeita iluminao neste mundo com os seus devas, maras e brahmas, esta populao com seus contemplativos e brmanes, seus prncipes e povo. Mas quando meu conhecimento e viso dessas Quatro Nobres Verdades como na verdade elas so, nas suas trs fases e doze aspectos, estava completamente purificado desse modo, reivindiquei ter despertado para a insupervel perfeita iluminao neste mundo com os seus devas, maras e brahmas, esta populao com seus contemplativos e brmanes, seus prncipes e povo. O conhecimento e viso surgiram em mim: A libertao da minha mente inabalvel. Este o meu ltimo nascimento. No h mais vir a ser.

Nasce a Nobre Sangha

Isto foi o que o Abenoado disse. Os cinco bhikkhus ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Abenoado. E enquanto o Abenoado discursava, o olho imaculado do Dhamma surgiu no Venervel Kondaa: Tudo que est sujeito ao surgimento est sujeito cessao.

A Roda do Dhamma comea a girar

E quando a roda do Dhamma havia sido colocada em movimento pelo Abenoado, os devas da terra exclamaram: Em Benares, no Parque do Gamo, em Isipatana, esta insupervel roda do Dhamma foi colocada em movimento pelo Abenoado, e no poder ser detida por nenhum brmane ou contemplativo, ou deva, ou Mara, ou Brahma, ou qualquer um no mundo. Ouvindo a exclamao dos devas da terra, os devas do Reino dos Quatro Grandes Reis tambm exclamaram os devas dos Trinta e Trs. os devas do Yama. os devas do Tusita os devas do Nimmanarati os devas do Paranimmita-vasavatti. os devas do cortejo de Brahma tambm exclamaram: Em Benares, no Parque do Gamo, em Isipatana, esta insupervel roda do Dhamma foi colocada em movimento pelo Abenoado, e no poder ser detida por nenhum brmane ou contemplativo, ou deva, ou Mara, ou Brahma, ou qualquer um no mundo.

Assim, naquele momento, naquele instante, naquele segundo, a exclamao subiu at os distantes mundos de Brahma e esse sistema csmico com dez mil mundos tremeu, estremeceu e se abalou e uma intensa, imensurvel e gloriosa luminosidade surgiu no mundo ultrapassando a divina majestade dos devas.

Ento, o Abenoado exclamou: Kondaa de fato compreendeu! Kondaa de fato compreendeu! E foi assim que o Venervel Kondaa adquiriu o nome Aa-Kondaa Kondaa aquele que Compreendeu.

[SN LVI.11]

O que diferenciou o Buda dos demais

O brmane Gopaka Moggallana tomou um assento mais baixo, sentou-se a um lado e perguntou ao venervel Ananda: Mestre Ananda, existe algum bhikkhu que possua, em todos os aspectos, todas as qualidades que o Mestre Gotama, um arahant, perfeitamente iluminado, possua?

No existe nenhum bhikkhu , brmane, que possua, em todos os aspectos, todas as qualidades que o Abenoado, um arahant, perfeitamente iluminado, possua. Pois o Abenoado foi aquele que fez surgir o caminho que no havia surgido, aquele que produziu o caminho que no estava produzido, aquele que declarou o caminho que no estava declarado; ele era o conhecedor do caminho, aquele que encontrou o caminho, aquele com habilidade no caminho. Mas os seus discpulos agora seguem esse caminho e eles se tornaro possuidores dessas qualidades no futuro.

[MN 108]

Os seus ensinamentos, sempre prticos, incluem lies acerca de regras bsicas de boas maneiras,

E como um bhikkhu tem noo de encontros sociais? o caso em que um bhikkhu compreende o encontro social em que est: Este, um encontro social de nobres guerreiros; este, um encontro social de sacerdotes; este, um encontro social de chefes de famlia; este, um encontro social de contemplativos; aqui se deve aproximar deles desta forma, ficar em p desta forma, agir desta forma, sentar desta forma, falar desta forma, permanecer em silncio desta forma. Se ele no compreendesse o encontro social em que est - Este, um encontro social de nobres guerreiros; este, um encontro social de sacerdotes; este, um encontro social de chefes de famlia; este, um encontro social de contemplativos; aqui se deve aproximar deles desta forma, ficar em p desta forma, agir desta forma, sentar desta forma, falar desta forma, permanecer em silncio desta forma no se diria que ele algum com noo de encontros sociais. Portanto porque ele compreende o encontro social em que est - Este, um encontro social de nobres guerreiros; este, um encontro social de sacerdotes; este, um encontro social de chefes de famlia; este, um encontro social de contemplativos; aqui se deve aproximar deles desta forma, ficar em p desta forma, agir desta forma, sentar desta forma, falar desta forma, permanecer em silncio desta forma que se diz que ele algum com noo de encontros sociais. Ele tem noo do Dhamma, noo do significado, noo de si mesmo, noo de moderao, noo do tempo e noo de encontros sociais.

[AN VII.64]

...lies sobre como tratar os pais,

Sustentar o pai e a me,
zelar pela esposa e filhos,
dedicar-se a uma ocupao pacfica:
    Essa a proteo suprema.

[Snp II.4]

Me e pai,
com compaixo pela famlia,
so chamados
    Brahma,
    primeiros mestres,
    aqueles dignos de oferendas
    dos seus filhos.
Dessa forma os sbios deveriam lhes prestar
        homenagem,
        honra
    com comida e bebida
    vesturio e roupa de cama
    ungentos e banhos
    e lavando os seus ps.
Realizando esses servios para os seus pais, os sbios
    so aqui elogiados,
    e aps a morte
    se regozijam no paraso.

[It.106]

...lies acerca do valor da generosidade,

"E qual o tesouro da generosidade? o caso em que um nobre discpulo permanece em casa com uma mente desprovida da mcula da avareza, espontaneamente generoso, mo aberta, que se delicia com a renncia, devotado caridade, deliciando-se em dar e compartir. A isto se denomina o tesouro da generosidade."

[AN VII.6]

...acerca do valor da virtude,

"E o que o tesouro da virtude? o caso em que um nobre discpulo se abstm de matar, se abstm de roubar, se abstm de conduta sexual imprpria, se abstm de mentir, se abstm de tomar vinho, lcool e outros embriagantes que causam negligncia. A isto, bhikkhus se chama o tesouro da virtude.

[AN VII.6]

...dos frutos da conduta virtuosa,

Com a mente dirigida corretamente,
falando a linguagem correta,
agindo corretamente com o corpo:
    uma pessoa
com muito aprendizado,
que realiza mritos
    nesta vida to curta,
na dissoluo do corpo,
    sendo sbia,
    renasce no paraso.

[It 71]

...acerca das desvantagens dos prazeres sensuais mesmo os divinos

" o caso em que uma pessoa, sujeita ela mesma ao envelhecimento, dando-se conta das desvantagens daquilo que est sujeito ao envelhecimento, busca aquilo que no envelhece, o descanso insupervel do jugo: Libertao. Sendo sujeita ela mesma doena, dando-se conta das desvantagens daquilo que est sujeito doena, ela busca aquilo que no adoece, o descanso insupervel do jugo: Libertao. Sendo sujeita ela mesma morte, dando-se conta das desvantagens daquilo que est sujeito morte, ela busca aquilo que imortal, o descanso insupervel do jugo: Libertao. Sendo sujeita ela mesma contaminao, dando-se conta das desvantagens daquilo que est sujeito contaminao, ela busca aquilo que no se contamina, o descanso insupervel do jugo: Libertao"

[AN IV.252]

...acerca do valor da renncia,

"Tendo visto a desvantagem dos prazeres sensuais, eu inisiti nesse tema; tendo compreendido as recompensas da renncia, eu me familiarizei com isso. Meu corao ficou excitado com a renncia, ganhou confiana, deciso, e firmeza, vendo-a como a paz. Ento totalmente afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades no hbeis, entrei e permaneci no primeiro jhana, que caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o xtase e felicidade nascidos do afastamento"

[AN IX.41]

... e acerca das Quatro Nobres Verdades.

"Bhikkhus, por no compreender, no penetrar as Quatro Nobres Verdades que eu, bem como vocs, durante muito tempo perambulamos e transmigramos neste ciclo de nascimento e morte. Quais so elas? Por no compreender a Nobre Verdade do Sofrimento que ns perambulamos e transmigramos, por no compreender a Nobre Verdade da Origem do Sofrimento..., da Cessao do Sofrimento..., e do Caminho que conduz Cessao do Sofrimento que ns perambulamos e transmigramos neste ciclo de nascimento e morte. E por compreender e penetrar essa mesma Nobre Verdade do Sofrimento, da Origem do Sofrimento, da Cessao do Sofrimento e do Caminho que conduz Cessao do Sofrimento, que o desejo por ser/existir foi cortado, o suporte para o ser/existir foi destrudo, no h mais vir a ser a nenhum estado."

[DN 16.2.2]

Em resumo, o Buda ensina como realizar a felicidade verdadeira e duradoura: Nibbana

"Existe aquela esfera da existncia em que no h nem terra, nem gua, nem fogo, nem ar; no h a experincia do espao infinito, nem da conscincia infinita, nem do nada, nem da nem percepo, nem no percepo; ali no h nem este mundo e tampouco outro mundo, nem sol, nem lua. Nessa esfera da existncia, eu digo, no h vir, nem ir, nem permanecer; no h morte nem renascimento; no h base, no h evoluo e no h suporte (objeto mental). Isso, justamente isso, apenas o fim do sofrimento."

[Ud VIII.1]

"Tanto antes, como agora, eu declaro somente o sofrimento e a cessao do sofrimento."

[SN XXII.86]

A sua reputao se espalha

Gotama o contemplativo, o filho dos Sakyas, que adotou a vida santa deixando o cl dos Sakyas, que andava perambulando em Kosala com um grande nmero de bhikkhus chegou em Sala. E acerca desse mestre Gotama existe essa boa reputao: Esse Abenoado um arahant, perfeitamente iluminado, consumado no verdadeiro conhecimento e conduta, bem-aventurado, conhecedor dos mundos, um lder insupervel de pessoas preparadas para serem treinadas, mestre de devas e humanos, desperto, sublime. Ele declara - tendo realizado por si prprio com o conhecimento direto - este mundo com os seus devas, maras e brahmas, esta populao com seus contemplativos e brmanes, seus prncipes e o povo. Ele ensina o Dhamma, com o significado e fraseado corretos, que admirvel no incio, admirvel no meio, admirvel no final; e ele revela uma vida santa que completamente perfeita e imaculada. bom poder encontrar algum to nobre.

[MN 41]

Ele viaja extensamente, ensinando milhares de discpulos leigos,

Assim ouvi. Em certa ocasio o Abenoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Ento o discpulo leigo Dhammika com outros quinhentos discpulos leigos foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentou a um lado e disse ....

[Sn II.14]

...bhikkhus,

Em certa ocasio, o Abenoado estava em Gaya, em Gayasissa, com 1.000 bhikkhus....

[SN XXXV.28]

...pessoas de todas as castas e de todos estilos de vida,

"Eu lembro ter me aproximado de muitas centenas de assemblias de nobres muitas centenas de assemblias de Brmanes muitas centenas de assemblias de chefes de famlia muitas centenas de assemblias de contemplativos ..."

[MN 12]

...incluindo leprosos,

Ento o Abenoado, tendo compreendido a mente de toda a assemblia com a sua mente, perguntou a si mesmo, Agora quem aqui capaz de entender o Dhamma? Ele viu Suppabuddha o leproso sentado na assemblia, e ao v-lo o pensamento lhe ocorreu, Esta pessoa aqui capaz de entender o Dhamma. Assim, visando Suppabuddha o leproso, ele fez um discurso passo a passo isto , um discurso acerca da generosidade, acerca da virtude, acerca do paraso, ele declarou as desvantagens, degradao e corrupo dos prazeres sensuais, e as recompensas da renncia. Ento, quando ele viu que a mente de Suppabuddha o leproso estava pronta, receptiva, livre de obstculos, satisfeita, clara, com serena confiana, ele ento proferiu um discurso do Dhamma peculiar aos iluminados, isto , o sofrimento, a origem, a cessao e o caminho. E tal como um pano limpo, livre de manchas, absorveria da maneira adequada um corante, da mesma forma, enquanto Suppabuddha o leproso estava sentado naquele mesmo assento, o olho do Dhamma, lmpido, imaculado, surgiu nele, Tudo que est sujeito ao surgimento est sujeito cessao.

[Ud V.3]

...prias,

Em uma famlia humilde eu nasci,
pobre, com quase nenhuma comida.
Meu trabalho era degradante:
Eu recolhia o que estava estragado,
as flores murchas das capelas
    e as jogava fora.
As pessoas me achavam repugnante,
me desprezavam, me menosprezavam.
Humilhando meu corao,
Eu mostrava reverncia para muitos.

Ento eu vi o Iluminado,
formado com um batalho de bhikkhus,
o Grande Heri, entrando na cidade dos Magadhas,
supremo.
Arremessando a minha trave de carga,
Eu me aproximei dele para reverenci-lo.
Ele o homem supremo ficou parado
    por compaixo
    justamente
    por mim
Depois de homenage-lo
aos ps do mestre, supremo entre todos seres vivos,
    eu fiquei de p a um lado
    e solicitei a admisso na Vida Santa,
O Mestre compassivo,
com simpatia por todo o mundo, disse:
    "Venha, bhikkhu."
Essa foi a minha Aceitao formal.

Sozinho, eu fiquei na floresta,
    incansvel
eu segui as palavras do Mestre,
tal como ele, o Conquistador, havia me ensinado.

Na primeira viglia da noite,
    Eu me recordei de vidas passadas;
na viglia do meio,
    purifiquei o olho divino
na ltima,
    arrebentei a massa de escurido.

Ento, quando a noite estava terminando
e o sol retornando,
Indra e Brahma vieram prestar-me homenagem,
mos palma com palma sobre o corao:
    "Homenageamos voc, Oh puro sangue dos homens,
    Homenageamos voc, Oh homem supremo,
    cujas impurezas terminaram.
    Voc, estimado senhor, digno de oferendas."

[Thag XII.2]

...e seres divinos

"...muitas centenas de assemblias de devas do paraso dos Quatro Grandes Reis muitas centenas de assemblias de devas do paraso dos Trinta e Trs muitas centenas de assemblias dos discpulos de Mara muitas centenas de assemblias de Brahma. E no passado eu sentei com eles e falei com eles e mantive conversaes com eles...."

[MN 12]

O Buda ensina sua famlia, incluindo seu filho Rahula,

"Renunciando aos cinco prazeres dos sentidos que hipnotizam e deliciam a mente, e pela f abandonando a vida em famlia, torne-se um daqueles que d um fim ao sofrimento.

"Associe-se com bons amigos e escolha uma moradia afastada, isolada, com pouco ruido. Modere-se na alimentao. Mantos, alimentos, moradia e medicamentos - no se apegue a essas coisas; no seja um daqueles que retorna ao mundo. Pratique a moderao de acordo com a Disciplina, e guarde as cinco faculdades dos sentidos.

"Pratique a ateno plena no corpo e continuamente desenvolva desapego (em relao a ele). Evite o sinal da beleza conectado com a cobia; meditando acerca do que repulsivo cultive uma mente que concentrada e controlada.

"Medite com a ausncia de sinal e livre-se da tendncia presuno. Atravs da completa compreenso e destruio da presuno voc viver na paz (mais sublime)."

Desta maneira o Mestre repetidamente encorajava o Venervel Rahula.

[Snp II.11]

...sua madrasta, Mahapajapati Gotami,

Assim ouvi. Em certa ocasio o Abenoado estava em Vesali na Grande Floresta no Salo com um pico na cumeeira.

Ento Mahapajapati Gotami foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo ficou em p a um lado e disse: "Seria bom, venervel senhor, se o Abenoado pudesse me ensinar o Dhamma de maneira resumida de forma que, tendo ouvido o Dhamma do Abenoado, eu possa permanecer s, isolada, diligente, ardente e decidida. "

"Gotami, as qualidades que voc provavelmente conhece, ' Essas qualidades conduzem cobia, no ao desapego; a estar agrilhoada, no a estar livre dos grilhes; ao acmulo, no renncia; ao engrandecimento pessoal, no modstia; insatisfao, no satisfao; ao enredamento, no ao isolamento; preguia, no a estimular a energia; a ser um incmodo, no a no ser um incmodo': Voc deve definitivamente entender, ' Isto no o Dhamma, isto no o Vinaya, essas no so as instrues do Mestre.'

"Quanto s qualidades que voc provavelmente conhece. ' Essas qualidades conduzem ao desapego, no cobia; a estar livre dos grilhes, no a estar agrilhoada; renncia, no ao acmulo; modstia, no ao engrandecimento pessoal; satisfao, no insatisfao; ao isolamento, no ao enredamento; a estimular a energia, no preguia; a no ser um incmodo, no a ser um incmodo: Voc deve definitivamente entender, ' Isto o Dhamma, isto o Vinaya, essas so as instrues do Mestre.'".

.

[AN VIII.53]

...e ele guia o seu irmo, Nanda, ao estado de arahant

Em certa ocasio o Abenoado estava em Savatthi, no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Naquela ocasio o Ven. Nanda irmo do Abenoado, filho da sua tia materna disse a um grande nmero de bhikkhus, Eu no aprecio viver a vida santa, meus amigos. Eu no consigo tolerar a vida santa. Desistindo do treinamento, eu retornarei para a vida comum.

Ento um certo bhikkhu foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentou a um lado e disse: Senhor, o Ven. Nanda o irmo do Abenoado, filho da sua tia materna contou para um grande grupo de bhikkhus, Eu no aprecio viver a vida santa, meus amigos. Eu no consigo tolerar a vida santa. Desistindo do treinamento, eu retornarei para a vida comum.

Ento o Abenoado disse para esse bhikkhu, Venha, bhikkhu em meu nome chame Nanda, dizendo-lhe, O Mestre o chama, meu amigo.

Assim seja senhor, o bhikkhu respondeu e, tendo ido at o Ven. Nanda, chegando ele disse, O Mestre o chama, meu amigo

Assim seja amigo, respondeu o Ven. Nanda. Ento ele foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentou a um lado e o Abenoado disse: verdade, Nanda, que voc disse para um grande grupo de bhikkhus, Eu no aprecio viver a vida santa, meus amigos. Eu no consigo tolerar a vida santa. Desistindo do treinamento, eu retornarei para a vida comum.?

Sim, senhor.

Mas por que, Nanda, voc no aprecia viver a vida santa?

Senhor, quando eu estava deixando a minha casa, uma moa Sakya que causava inveja a todos olhou para mim, com o seu cabelo parcialmente penteado, e disse, Volte depressa, senhor. Relembrando isso, eu no aprecio viver a vida santa. Eu no consigo tolerar a vida santa. Desistindo do treinamento eu retornarei para a vida comum.

Ento, tomando o Ven. Nanda pelo brao como um homem forte flexiona o seu brao estendido ou estende seu brao flexionado o Abenoado desapareceu do Bosque de Jeta e reapareceu entre os devas do paraso de Tavatimsa. Agora naquela ocasio cerca de 500 ninfas com ps de pombas vieram esperar por Sakka, o senhor dos devas. E o Abenoado disse ao Ven. Nanda, Nanda, voc v essas 500 ninfas com os ps de pombas?

Sim, senhor.

O que voc pensa, Nanda: Qual a mais bela, com melhor aparncia, mais encantadora a moa Sakya, que causa inveja a todos, ou essas 500 ninfas com os ps de pombas?

Senhor, comparada com essas 500 ninfas com ps de pombas a moa Sakya, que causa inveja a todos, como um macaco cujas orelhas e nariz foram cortados e cauterizados. Ela no pode ser levada em conta. Ela no nem uma frao. No h comparao. As 500 ninfas com ps de pomba so mais bonitas, com melhor aparncia, mais encantadoras.

Ento alegre-se, Nanda. Alegre-se! Eu sou a sua garantia para conseguir 500 ninfas com ps de pomba.

Se o Abenoado minha garantia para conseguir 500 ninfas com os ps de pomba, eu apreciarei viver a vida santa sob o Abenoado.

Ento, tomando o Ven. Nanda pelo brao - como um homem forte flexiona o seu brao estendido ou estende seu brao flexionado o Abenoado desapareceu dentre os devas do paraso de Tavatimsa e reapareceu no Bosque de Jeta. Os bhikkhus ouviram, Dizem que o Ven. Nanda o irmo do Abenoado, filho da sua tia materna est vivendo a vida santa por conta de ninfas. Eles dizem que o Abenoado a sua garantia para obter 500 ninfas com os ps de pomba.

Ento os bhikkhus que eram amigos do Ven. Nanda circulavam dirigindo-se a ele como se ele fosse um empregado e um negociante: Nosso amigo Nanda, eles dizem, um empregado. Nosso amigo Nanda, eles dizem, um negociante. Ele vive a vida santa por conta de ninfas. O Abenoado a sua garantia para obter 500 ninfas com os ps de pomba.

Ento o Ven. Nanda horrorizado, repelido e enojado porque os bhikkhus que eram seus amigos estavam se dirigindo a ele como se ele fosse um empregado e um comerciante se afastou, permanecendo s, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, ele alcanou e permaneceu no objetivo supremo da vida santa pelo qual membros de um cl deixam a vida em famlia pela vida santa, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: O nascimento foi destrudo, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, no h mais vir a ser a nenhum estado. E assim o Ven. Nanda tornou-se mais um dos Arahants.

[Ud 3.2]


Os ltimos dias do Buda

Ananda percebe que o Buda est envelhecendo

Assim ouvi. Em certa ocasio, o Abenoado estava em Savatthi, no palcio da me de Migara, no Parque do Oriente. Agora, naquela ocasio o Abenoado havia sado do seu isolamento no final da tarde e estava sentado aquecendo as costas no sol que se punha.

Ento, o Ven. Ananda foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo, enquanto massageava os membros do Abenoado disse o seguinte: incrvel, senhor! impressionante, senhor! A complexo do Abenoado j no mais to pura e luminosa, os seus membros esto flcidos e enrugados, as suas costas recurvadas e possvel discernir uma mudana nas suas faculdades a faculdade do olho, a faculdade do ouvido, a faculdade do nariz, a faculdade da lngua, a faculdade do corpo.

Assim como so as coisas, Ananda! Quando jovem, a pessoa est sujeita ao envelhecimento; quando saudvel, sujeita enfermidade; quando viva, sujeita morte. A complexo j no mais to pura e luminosa, os membros flcidos e enrugados, as costas recurvadas; possvel discernir uma mudana nas faculdades a faculdade do olho, a faculdade do ouvido, a faculdade do nariz, a faculdade da lngua, a faculdade do corpo.

[SN XLVIII.41]

Qual refgio devem os discpulos do Buda buscar aps a sua morte?

Eu agora estou velho, Ananda, envelhecido, pressionado pelos anos, com a idade avanada, chegando ao ltimo estgio da vida. Este o meu octogsimo ano. Assim como uma carroa velha mantida por meio de ataduras, da mesma forma o corpo do Tathagata mantido por meio de uma combinao de ataduras. Sempre que, Ananda, atravs da no ateno a todos os sinais e pela cessao de certas sensaes, o Tathagata entra e permanece na concentrao sem sinais da mente, nessa ocasio, Ananda, o corpo do Tathagata fica mais confortvel

Portanto, Ananda, sejam ilhas para vocs mesmos, refgios para vocs mesmos, buscando nenhum refgio externo; com o Dhamma como a sua ilha, o Dhamma como o seu refgio, buscando nenhum outro refgio. E como, Ananda, um bhikkhu uma ilha para ele mesmo, um refgio para ele mesmo, buscando nenhum refgio externo; com o Dhamma como a sua ilha, o Dhamma como o seu refgio, buscando nenhum outro refgio? Neste caso, Ananda, um bhikkhu permanece contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com ateno plena, tendo colocado de lado a cobia e o desprazer pelo mundo. Ele permanece contemplando as sensaes como sensaes ... mente como mente ... objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com ateno plena, tendo colocado de lado a cobia e o desprazer pelo mundo. Esses bhikkhus, Ananda, que agora ou depois que eu me for, permanecerem como uma ilha para eles mesmos, como um refgio para eles mesmos, sem nada mais como refgio, com o Dhamma como uma ilha, o Dhamma como refgio, sem nada mais como refgio, eles sero para mim os bhikkhus mais eminentes dentre aqueles que tm interesse em aprender.

[DN 16.2.25]

Ele renuncia vontade de seguir vivendo

Ento, pouco tempo depois que o venervel Ananda havia partido, Mara, o Senhor do Mal, foi at o Abenoado e disse: Venervel senhor, que o Abenoado agora realize o Parinibbana ! Que o Iluminado agora realize o Parinibbana ! Agora o momento para o Parinibbana do Abenoado! Esta afirmao, venervel senhor, foi feita pelo Abenoado: Eu no realizarei Parinibbana, Senhor do Mal, at que eu tenha discpulos bhikkhus que sejam sbios, disciplinados, confiantes, libertados do cativeiro, estudados, defensores do Dhamma, praticando de acordo com o Dhamma, praticando do modo correto, comportando-se de modo apropriado; que tenham aprendido a doutrina do mestre e sejam capazes de explic-la, ensin-la, proclam-la, estabelec-la, revel-la, analis-la e elucid-la; que sejam capazes de refutar completamente com argumentos as doutrinas dos outros e que sejam capazes de ensinar o Dhamma que eficaz.

Mas no momento, venervel senhor, o Abenoado tem discpulos bhikkhus que so sbios ... que so capazes de ensinar o Dhamma que eficaz. Venervel senhor, que o Abenoado agora realize o Parinibbana ! Que o Iluminado agora realize Parinibbana ! Agora o momento para o Parinibbana do Abenoado!

Quando isso foi dito, o Abenoado disse para Mara o Senhor do Mal: Fique tranqilo, Senhor do Mal. No tardar muito at que ocorra o Parinibbana do Tathagata. Daqui a trs meses o Tathagata realizar o Parinibbana.

Ento, o Abenoado, no santurio de Capala, com ateno plena e plena conscincia renunciou sua formao vital. E quando o Abenoado renunciou sua formao vital, ocorreu um grande terremoto, assustador e aterrorizador e o estrondo de troves sacudiram o cu.

[DN 16.3.7]

A sua ltima advertncia aos bhikkhus

Bhikkhus, esses ensinamentos que compreendi atravs do conhecimento direto e que tornei do seu conhecimento, vocs devem aprende-los completamente, cultiv-los, desenvolve-los e pratic-los com freqncia, que a vida santa se stabelea e que dure por muito tempo, para o bem-estar e felicidade de muitos, com compaixo pelo mundo, pelo bem, pelo bem-estar e felicidade de devas e humanos.

E quais, bhikkhus, so esses ensinamentos? Eles so os quatro fundamentos da ateno plena, os quatro esforos corretos, as quatro bases do poder, as cinco faculdades dominantes, os cinco poderes, os sete fatores de iluminao, e o Nobre Caminho ctuplo. Esses, bhikkhus, so os ensinamentos que compreendi atravs do conhecimento direto e que tornei do seu conhecimento, vocs devem aprende-los completamente, cultiv-los, desenvolve-los e pratic-los com freqncia, que a vida santa se stabelea e que dure por muito tempo, para o bem-estar e felicidade de muitos, com compaixo pelo mundo, pelo bem, pelo bem-estar e felicidade de devas e humanos.

Ento o Abenoado disse aos bhikkhus: Dessa forma, bhikkhus, eu os encorajo: todas as coisas condicionadas esto sujeitas dissoluo. Esforcem-se com diligncia. O momento do parinibbana do Tathagata est prximo. Daqui a trs meses o Tathagata realizar o parinibbana.

[DN 16.3.50]

Sua ltima refeio

E logo depois do Abenoado ter comido a refeio dada pelo prateiro Cunda, uma doena terrvel se abateu sobre ele com diaria sangrenta, com dores terrveis como se estivesse a ponto de morrer. Porm o Abenoado suportou tudo com ateno plena e plena conscincia, sem se queixar.

Ento o Abenoado disse: Ananda, vamos para Kusinara E o Venervel Ananda respondeu Sim, venervel senhor.

[DN 16.4.20]

Ele se retira para o seu leito de morte

O Abenoado disse: Ananda, vamos cruzar o rio Hiraavati para ir at o o bosque de rvores-sal dos Mallas perto de Kusinara. Muito bem, venervel senhor, Ananda disse, e o Abenoado com uma grande comitiva de bhikkhus cruzaram o rio e foram para o bosque de rvores sal. L o Abenoado disse: Ananda, prepare para mim um leito entre as rvores-sal gmeas, com a cabea para o norte. Eu estou cansado e quero deitar. Muito bem, venervel senhor, Ananda disse e assim fez. Ento o Abenoado se deitou no seu lado direito, na postura do leo, com um p sobre o outro, atento e plenamente consciente, aps anotar na mente o horrio para levantar .

E daquelas rvores sal gmeas, fora de poca, brotaram flores em abundncia que caram sobre o corpo do Tathagata, dispersando-se e cobrindo o seu corpo, homenageando-o. Flores divinas da rvore de coral caram do cu, sndalo divino caiu do cu, dispersando-se e cobrindo o corpo do Tathagata, homenageando-o. Msica e canes divinas se ouviam do cu, em homenagem ao Tathagata.

[DN 16.5.1]

O Buda recomenda quatro locais para peregrinao

Ananda, h quatro lugares que ao serem vistos despertaro um senso de urgncia e consternao nos devotos. Quais quatro? Aqui o Tathagata nasceu, o primeiro. Aqui o Tathagata realizou a perfeita iluminao, o segundo. Aqui o Tathagata colocou em movimento a insupervel roda do Dhamma, o terceiro. Aqui o Tathagata realizou o parinibbana, esse o quarto. E, Ananda, os bhikkhus e bhikkhunis fiis, os discpulos leigos, visitaro esse lugares. E qualquer um que morra com um corao devoto enquanto estiver numa peregrinao a esses santurios, ir, na dissoluo do corpo, aps a morte, renascer em um bom destino, no paraso.

[DN 16.5.8]

Milhares lamentam o falecimento iminente do Buda

Exatamente naquela ocasio os Mallas de Kusinara haviam se reunido para tratar de negcios no seu salo de assemblias. O Ven. Ananda foi at o salo de assemblias e chegando lhes anunciou: Esta noite, Vasetthas, na ltima viglia, o Tathagata realizar o parinibbana. Venham v-lo, Vasetthas, venham v-lo para que vocs no se arrependam depois dizendo: O Tathagata morreu na nossa comunidade e ns no aproveitamos a oportunidade para v-lo pela ltima vez! Ao ouvirem o venervel Ananda, os Mallas, com os seus filhos, filhas e esposas foram abatidos pela tristeza e angstia, com a mente subjugada pelo pesar o que fez com que eles chorassem e arrancassem os cabelos. Ento todos foram para o bosque de rvores sal onde estava o venervel Ananda.

.

[DN 16.5.20]

Enquanto o nobre Caminho ctuplo for praticado, haver Arahants

Em qualquer doutrina e disciplina na qual o nobre caminho ctuplo no encontrado, nenhum contemplativo da primeira ... segunda ... terceira ... quarta ordem [que entrou na correnteza, retorna uma vez, no retorna, ou Arahant] encontrado. Agora, Subhadda, neste Dhamma e Disciplina o nobre caminho ctuplo encontrado, contemplativos da primeira ... segunda ... terceira ... quarta ordem so encontrados. O nobre caminho ctuplo encontrado nesta doutrina e disciplina, e exatamente aqui existem contemplativos da primeira ... segunda ... terceira ... quarta ordem. Essa outras seitas esto desprovidas de verdadeiros contemplativos; mas se nesta os bhikkhus viverem a vida com perfeio, o mundo no ficar vazio de Arahants.

[DN 16.5.27]

As ltimas palavras do Buda

[Data: 1 EB]

Ento o Abenoado disse para os bhikkhus: Dessa forma, bhikkhus, eu os encorajo: todas as coisas condicionadas esto sujeitas dissoluo. Esforem-se pelo objetivo com diligncia. Essas foram as ltimas palavras do Tathagata.

Ento o Abenoado entrou no primeiro jhana. Emergindo dele ele entrou no segundo jhana ... no terceiro ... no quarto jhana na esfera do espao infinito ... na esfera da conscincia infinita ... na esfera do nada ... na esfera da nem percepo, nem no percepo. Emergindo dela, ele entrou na cessao da percepo e sensao.

...

Ento o Abenoado, emergindo da cessao da percepo e sensao, entrou na esfera da nem percepo, nem no percepo. Emergindo dela, ele entrou na esfera do nada na esfera da conscincia infinita ... na esfera do espao infinito ... no quarto jhana ... no terceiro ... no segundo ... no primeiro jhana. Emergindo do primeiro jhana ele entrou no segundo ... no terceiro ... no quarto jhana. No quarto jhana, ele faleceu.

[DN 16.6.7]


Post Scriptum:
Os muitos nomes do Buda

A seguir esto alguns dos muitos eptetos que aparecem nos suttas em referncia ao Buda. As passagens dos suttas indicados contm os exemplos.

        Sublime (exalted one, bhagava; MN 12.5)

        Digno (worthy, araham; MN 12.5)

        Perfeitamente Iluminado (perfectly enlightened, sammasambuddho; MN 12.5)

        Consumado no verdadeiro conhecimento e conduta (endowed with knowledge and conduct, vijjacaranasampanno; MN 12.5)

        Bem-aventurado (well-gone, sugato; MN 12.5)

        Conhecedor dos mundos (knower of the worlds, lokavidu; MN 12.5)

        Lder insupervel de pessoas preparadas para serem treinadas (supreme trainer pf persons to be tamed, anuttaro purisadammasarathi; MN 12.5)

        Mestre de devas e humanos (teacher of gods and humans, satha devamanussanam; MN 12.5)

        Omnisciente (All-seeing: It.112)

        Melhor entre aqueles que podem ser domesticados (Best of those who can be tamed: It.112)

        Touro entre os homens (Bull among men: Sn III.11 )

        Touro entre os videntes (Bull among seers: Sn III.11 )

        Touro dos Sakyas (Bull of the Sakyan clan: Sn III.11 )

        Lder da Caravana (Caravan leader: MN 26.20)

        Conquistador de bestas (Conqueror of beasts: Sn III.11 )

        Sem dvidas (Debtless one: MN 26.20)

        Dissipador da escurido (Dispeller of darkness: It 38 )

        Dotado com todas as marcas de um grande homem (Endowed with all the foremost marks: Snp III.1 )

        Primeiro no mundo (First in the world: It.84)

        Jia mais preciosa (Foremost jewel: Sn III.11 )

        Primeiro entre todas as pessoas (Foremost of all people: Sn III.11)

        Primeiro entre os condutores de carruagens (Foremost of charioteers: Thag VI.9 )

        Primeiro daqueles que so capazes de atravessar (Foremost of those who can cross: It.112)

        Sbio mais destacado (Foremost sage: Sn III.11 )

        Que prov o imortal (Giver of the deathless: MN 18 )

        Grande vidente (Great seer: Snp IV.14 )

        Parente do sol (Kinsman of the sun: Snp IV.14 )

        Touro inigualvel (Peerless bull: SN I.38 )

        Que mostra o caminho (Shower of the way: MN 107 )

        Conquistador da Tristeza (Sorrowless One: MN26.20)

        Supremo entre aqueles que podem ser libertados (Supreme among those who can be released: It.112 )

        Tathagata ( aquele que assim foi ou assim vem) (the one "Thus-gone" or "Thus-come": It.112)

        Totalmente amadurecido (Thoroughly mature: It.112 )

        Lder ultimo (Ultimate leader: )

        Conquistador no conquistado (Unconquered conqueror: It.112)

        Vitorioso Universal (Universal Victor: MN26.25)

        Mdico e cirurgio insupervel (Unsurpassed doctor and surgeon: Iti 100 )

        Todo Poderoso (Wielder of power: It.112 )



Revisado: 14 Setembro 2013

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.