Virtude

Sila

Sila, (virtude, conduta moral), a base sobre a qual todo o Nobre Caminho ctuplo se apia. A prtica de sila est definida pelos trs elementos do Caminho ctuplo: Linguagem Correta, Ao Correta , e Modo de Vida Correto. Os budistas praticantes em geral adotam um conjunto especfico de regras de treinamento adequadas sua situao de vida:

- Homens e Mulheres leigos observam os Cinco Preceitos (paca-sila)

- Homens e mulheres leigos que esto praticando meditao intensiva observam os Oito Preceitos (attha-sila)

- Monges novios (samanera) e monjas novias (samaneri) observam os Dez Preceitos (dasa-sila)

- Um monge completamente ordenado (bhikkhu) segue as 227 regras do Bhikkhu Patimokkha; uma monja (bhikkhuni) segue as 311 regras do Bhikkhuni Patimokkha.  



O tema da Virtude tambm est disponvel em udio


As recompensas da virtude

(1) "Venervel senhor, qual o propsito e benefcio do comportamento virtuoso benfico?"

(2) "Ananda, o propsito e benefcio do comportamento virtuoso benfico o no-arrependimento."

(3) "Qual o propsito e benefcio do no-arrependimento?"

"O propsito e benefcio do no-arrependimento a satisfao."

(4) Qual o propsito e benefcio da satisfao?"

"O propsito e benefcio da satisfao o xtase."

(5) Qual o propsito e benefcio do xtase?"

"O propsito e benefcio do xtase a tranquilidade."

(6) Qual o propsito e benefcio da tranquilidade?"

"O propsito e benefcio da tranquilidade a felicidade."

(7) Qual o propsito e benefcio da felicidade?"

"O propsito e benefcio da felicidade a concentrao."

(8) Qual o propsito e benefcio da concentrao?"

"O propsito e benefcio da concentrao o conhecimento e viso como as coisas na verdade so."

(9) Qual o propsito e benefcio do conhecimento e viso como as coisas na verdade so?"

"O propsito e benefcio do conhecimento e viso como as coisas na verdade so o desencantamento e o desapego."

(10) Qual o propsito e benefcio do desencantamento e do desapego?"

"O propsito e benefcio do desencantamento e do desapego o conhecimento e viso da libertao.

-- AN X.1 


Cinco ddivas imaculadas

Agora, h essas cinco ddivas, cinco grandes ddivas - originais, que existem h muito tempo, tradicionais, antigas, sem adulterao, no adulteradas desde o princpio - que no esto sujeitas suspeita, nunca estaro sujeitas suspeita, e no so criticveis pelos sbios contemplativos e brmanes. Quais cinco?

o caso em que um nobre discpulo, abandonando a destruio da vida, se abstm de tomar a vida. Agindo assim, ele liberta do perigo, liberta da animosidade, liberta da opresso um incontvel nmero de seres. Libertando do perigo, libertando da animosidade, libertando da opresso um incontvel nmero de seres, ele ganha uma parcela na ilimitada liberdade do perigo, liberdade da animosidade e liberdade da opresso. Essa a primeira ddiva, a primeira grande ddiva - original, que existe h muito tempo, tradicional, antiga, sem adulterao, no adulterada desde o princpio - que no est sujeita suspeita, nunca estar sujeita suspeita, e no criticvel pelos sbios contemplativos e brmanes.

Alm disso, abandonando tomar o que no dado (roubar), o nobre discpulo se abstm de tomar o que no dado. Agindo assim, ele liberta do perigo, liberta da animosidade, liberta da opresso um incontvel nmero de seres. Libertando do perigo, libertando da animosidade, libertando da opresso um incontvel nmero de seres, ele ganha uma parcela na ilimitada liberdade do perigo, liberdade da animosidade e liberdade da opresso. Essa a segunda ddiva

Alm disso, abandonando a conduta sexual imprpria, o nobre discpulo se abstm da conduta sexual imprpria. Agindo assim, ele liberta do perigo, liberta da animosidade, liberta da opresso um incontvel nmero de seres. Libertando do perigo, libertando da animosidade, libertando da opresso um incontvel nmero de seres, ele ganha uma parcela na ilimitada liberdade do perigo, liberdade da animosidade e liberdade da opresso. Essa a terceira ddiva

Alm disso, abandonando a mentira, o nobre discpulo se abstm de mentir. Agindo assim, ele liberta do perigo, liberta da animosidade, liberta da opresso um incontvel nmero de seres. Libertando do perigo, libertando da animosidade, libertando da opresso para um incontvel nmero de seres, ele ganha uma parcela na ilimitada liberdade do perigo, liberdade da animosidade, e liberdade da opresso. Essa a quarta ddiva

"Alm disso, abandonando tomar embriagantes, o nobre discpulo se abstm de embriagantes. Agindo assim, ele liberta do perigo, liberta da animosidade, liberta da opresso um incontvel nmero de seres. Libertando do perigo, libertando da animosidade, libertando da opresso um incontvel nmero de seres, ele ganha uma parcela na ilimitada liberdade do perigo, liberdade da animosidade, e liberdade da opresso. Essa a quinta ddiva, a quinta grande ddiva - original, que existe h muito tempo, tradicional, antiga, sem adulterao, no adulterada desde o princpio - que no est sujeita suspeita, nunca estar sujeita suspeita, e no criticvel pelos sbios contemplativos e brmanes. E essa a quinta recompensa de mrito, recompensa da habilidade, alimento da felicidade, celestial, resultando na felicidade, que conduz ao paraso, conduz quilo que desejvel, prazeroso e atraente; para o bem estar e a felicidade."

-- AN VIII.39 


Cinco bnos

Cinco bnos, chefes de famlia, so obtidas pelo homem ntegro atravs da prtica da virtude. Quais so elas? Em primeiro lugar, devido sua diligncia ele obtm muitas posses. Em segundo lugar, ele obtm boa reputao devido sua moralidade e boa conduta. Em terceiro lugar, em qualquer assemblia que ele entre, quer seja de Khattiyas, Brmanes, chefes de famlia ou contemplativos, ele se comporta de modo seguro e autoconfiante. Em quarto lugar, ele no morre confuso. Em quinto lugar, na dissoluo do corpo, aps a morte, ele renasce num destino feliz, no paraso. Essas so as cinco bnos para aquele que ntegro atravs da prtica da virtude.

-- DN 16.1.24 


Amigos admirveis encorajam o desenvolvimento da virtude

"E o que significa ter pessoas admirveis como bons amigos? o caso em que um leigo, em qualquer cidade ou vilarejo que ele viva, ele passa o tempo com chefes de famlia ou filhos de chefes de famlia, jovens ou idosos, que possuem a virtude desenvolvida. Ele conversa com eles, participa de discusses com eles. Ele emula a convico consumada daqueles que so consumados em convico, virtude consumada daqueles que so consumados em virtude, generosidade consumada daqueles que so consumados em generosidade e sabedoria consumada daqueles que so consumados em sabedoria. A isto se denomina ter pessoas admirveis como bons amigos."

-- AN VIII.54 


Recordando suas prprias virtudes

"Alm disso, o caso em que voc se recorda das suas prprias virtudes: '[Elas so] intactas, no-laceradas, imaculadas, no-matizadas, libertadoras, elogiadas pelos sbios, desapegadas, que conduzem concentrao'. Em todos os momentos em que um nobre discpulo esteja se recordando das suas virtudes, a sua mente no estar tomada pela cobia, no estar tomada pela raiva, no estar tomada pela deluso. A sua mente seguir firme, baseada nas suas virtudes. E quando a mente segue firme, o nobre discpulo obtm a compreenso do objetivo, obtm a compreenso do Dhamma, obtm satisfao conectada com o Dhamma. Naquele que est satisfeito, o xtase surge. Naquele que est em xtase, o corpo se acalma. Aquele cujo corpo se acalma, experimenta a tranqilidade. Naquele que est tranqilo, a mente se torna concentrada.

-- AN XI.12


O passo seguinte no Treinamento Gradual: Paraso

 

Revisado: 28 Dezembro 2013

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.