1. Yamakavagga

Versos Gêmeos

 


 

 

Todas as ações são comandadas pela mente:
a mente é o senhor delas, a mente é quem as fabrica.
Aja ou fale com um estado mental corrompido
que o sofrimento virá em seguida da mesma forma
como a roda da carroça segue as pegadas do boi.
                                                        Dhp 1

 

Todas as ações são comandadas pela mente:
a mente é o senhor delas, a mente é quem as fabrica.
Aja ou fale com um estado mental claro com serena confiança
que a felicidade virá em seguida da mesma forma
que a sombra acompanha o seu objeto por toda a parte, sem nunca abandoná-lo.
                                                        Dhp 2

Para ouvir

 


 

[Nota Versos 1 e 2] Os primeiros dois versos do Dhammapada revelam um importante conceito do Budismo. Enquanto a maioria das religiões sustentam, como uma parte importante de seus dogmas que o mundo foi criado por um ser sobrenatural chamado "Deus", o Budismo ensina que tudo que experienciamos (o "mundo" e também o "eu") é criado pelo pensamento, ou o processo cognitivo de percepções e conceitos originados dos sentidos. Isso também prova que as pessoas que escrevem sobre o Budismo estão erradas em afirmar que o Buda não falava nada sobre o surgimento do mundo. No Rohitassa Sutta do Samyutta Nikaya, o Buda afirma claramente que é exatamente nesta carcaça com uma braça de comprimento, dotada de percepção e mente, que é encontrado o mundo, a origem do mundo, a cessação do mundo e o caminho que conduz à cessação do mundo.

A palavra mano é comumente traduzida como "mente". Mas o Buda adota o ponto de vista do fenomenalismo na controvérsia mente-matéria que deixou muitos filósofos perplexos ao longo da história. A dualidade - mente e corpo - é rejeitada pelo Buda. O Buda explica no Sabba Sutta do Samyutta Nikaya que tudo o que podemos falar é sobre as "experiências dos sentidos", incluindo o pensamento ou concepção como sendo o sexto sentido. Os termos nama e rupa, traduzidos geralmente como "mentalidade-materialidade" (nome e forma) não são duas "entidades" que coexistem numa relação mútua. Elas são apenas duas formas de olhar para uma única "atividade" chamada "experiência".

Nama (nomear) é a "experiência" vista subjetivamente como o "processo mental de identificação de um objeto" (rupa kaye adhivacana sampassa). Rupa (forma) é a "experiência" vista objetivamente como uma "entidade" que é percebida e concebida através do processo mental de identificação (nama kaye pathigha sampassa). Mano se refere ao "pensamento" ou ao processo mental de formulação de conceitos, que integra e dá significado às diferentes percepções trazidas pelos diferentes meios dos sentidos. Essa "experiência" significativa completa é dhamma, vista subjetivamente como "identificação de uma entidade" (nama) e objetivamente como "a entidade identificada" (rupa). Dhamma, que é essa "experiência significativa completa" é geralmente vista como sendo uma circunstância agradável ou desagradável (lokadhamma).

A forma como experienciamos as circunstâncias depende da forma como as interpretamos. Se as interpretarmos da forma incorreta, experienciamos sofrimento. Se as interpretarmos da forma correta, experienciamos felicidade. Em outras palavras, nossa felicidade e infelicidade dependem da forma como pensamos.

O pensamento também cria situações num sentido futurista. Se abrigarmos a má-vontade e falarmos e agirmos com má-vontade, as pessoas passarão a nos detestar. Seremos punidos pela sociedade e pela lei. Também, depois da morte, renasceremos em um mundo de sofrimento. Aqui "pensamento" se refere a kamma (ação intencional) e "experiência" refere-se à vipaka (frutos ou conseqüências de kamma).

Por fim, a mensagem transmitida por esse par de versos é: "Pense errado e sofra, pense correto e seja feliz." Esse par de versos ditos pelo Buda expressa a inevitável conseqüência (vipaka) do bom e mau pensamento. O homem colherá aquilo que plantou, tanto no passado como no presente. O que plantar agora, ele colherá no presente e no futuro. O homem é responsável por sua própria felicidade e sofrimento. Ele cria seus próprios infernos e paraísos. Ele é o arquiteto de seu próprio destino. O que ele faz, ele pode desfazer. O Budismo ensina o caminho para se libertar do sofrimento através do entendimento e o uso da lei de causa e efeito. O Budismo é muito realista e otimista. Ao invés de depender cegamente de forças sobrenaturais desconhecidas, na esperança de felicidade, o Budismo encontra o verdadeiro caminho para a felicidade de forma realista.

Manasa ce Pasannena: estado mental claro com serena confiança. Pasannena/Pasada é uma atitude mental e emotiva que compreende um sentimento profundo abrangendo ao mesmo tempo o apreço intelectual, a satisfação, a claridade de pensamentos, a serenidade e a confiança.

 

 

Revisado: 11 Setembro 2013

Copyright © 2000 - 2020, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.