Anguttara Nikaya VII.49

Dana Sutta

Generosidade

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


Ouvi que em certa ocasio o Abenoado estava em Campa, s margens do lago Gaggara. Ento um grande grupo de discpulos leigos de Campa foram at o Venervel Sariputta e, quando chegaram, depois de cumpriment-lo, sentaram a um lado e disseram:

"J faz muito tempo, venervel senhor, desde que tivemos a oportunidade de ouvir um discurso do Dhamma na presena do Abenoado. Seria bom se pudssemos ouvir um discurso do Dhamma na presena do Abenoado."

"Ento nesse caso, meus amigos, retornem no prximo dia de Uposatha, e talvez vocs possam ouvir um discurso do Dhamma na presena do Abenoado."

"Assim seja, venervel senhor," os discpulos leigos de Campa disseram para o Venervel Sariputta. Levantando-se dos seus assentos, e depois de homenage-lo, mantendo-o sua direita, partiram. Ento no prximo dia de Uposatha, os discpulos leigos de Campa foram at o Venervel Sariputta e, tendo chegado, depois de cumpriment-lo, ficaram em p a um lado. Ento o Venervel Sariputta, juntamente com os discpulos leigos de Campa, foram at o Abenoado e chegando, depois de cumpriment-lo, sentaram a um lado e o Venervel Sariputta disse para o Abenoado:

"Pode haver o caso em que uma pessoa d uma oferenda de um certo tipo e ela no produz grandes frutos e grandes benefcios, enquanto que outra pessoa d uma oferenda do mesmo tipo e ela produz grandes frutos e grandes benefcios?"

"Sim, Sariputta, h o caso em que uma pessoa d uma oferenda de um certo tipo e ela no produz grandes frutos e grandes benefcios, enquanto que outra pessoa d uma oferenda do mesmo tipo e ela produz grandes frutos e grandes benefcios."

"Senhor, qual a causa, qual a razo, porque uma pessoa d uma oferenda de um certo tipo e ela no produz grandes frutos e grandes benefcios, enquanto que outra pessoa d uma oferenda do mesmo tipo e ela produz grandes frutos e grandes benefcios?"

"Sariputta, h o caso em que a pessoa d uma oferenda buscando seu prprio benefcio, com sua mente apegada [ recompensa], pensando em acumul-la para si mesma [com o pensamento], 'Eu a desfrutarei aps a morte.' Ela d uma oferenda - comida, bebida, roupas, um veculo, um ornamento, perfume e ungento, roupas de cama, moradia, uma lamparina - para um brmane ou um contemplativo. O que voc pensa , Sariputta? Pode uma pessoa dar uma oferenda como essa?"

"Sim, senhor."

"Tendo dado essa oferenda buscando seu prprio benefcio, com sua mente apegada [ recompensa], pensando em acumul-la para si mesma [com o pensamento], 'Eu a desfrutarei aps a morte.' - na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas dos Quatro Grandes Reis. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ento h o caso em que a pessoa d uma oferenda sem buscar seu prprio benefcio, sem a mente apegada [ recompensa], no pensando em acumul-la para si mesma nem [com o pensamento], 'Eu a desfrutarei aps a morte.' Ao invs disso, ela d uma oferenda com o pensamento A generosidade boa. Ela d uma oferenda - comida, bebida, roupas, um veculo, um ornamento, perfume e ungento, roupas de cama, moradia, uma lamparina- para um brmane ou um contemplativo. O que voc pensa , Sariputta? Pode uma pessoa dar uma oferenda como essa?"

"Sim, senhor."

"Tendo dado essa oferenda com o pensamento, A generosidade boa, na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas do Tavatimsa. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ou, ao invs de pensar A generosidade boa ela d a oferenda com o pensamento, 'Isto foi dado no passado, feito no passado, por meu pai e av. No seria correto que eu permitisse que esse antigo costume da famlia fosse descontinuado' ... na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas do Yama. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ou, ao invs de pensar ... ela d uma oferenda com o pensamento, Eu sou prspero. Eles no so prsperos. No seria correto, que em sendo eu prspero, no desse uma oferenda para aqueles que no so prsperos ... na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas do Tusita. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ou, ao invs de pensar ela d uma oferenda com o pensamento Tal como no passado houve o sacrifcio dos sbios - Atthaka, Vamaka, Vamadeva, Vessamitta, Yamataggi, Angirasa, Bharadvaja, Vasettha, Kassapa, e Bhagu - da mesma forma essa ser a minha distribuio de oferendas ... na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas Nimmanarati. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ou, ao invs de pensar ela d uma oferenda com o pensamento, Quando esta minha oferenda dada, a minha mente fica clara com serena confiana. Surgem a satisfao e a alegria ... na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas Paranimmita-vasavatti. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela retorna, voltando a este mundo.

"Ou, ao invs de pensar Quando esta minha oferenda dada, a minha mente fica clara com serena confiana. Surgem a satisfao e a alegria ela d uma oferenda com o pensamento Isto um ornamento para a mente, um suporte para a mente. Ela d uma oferenda - comida, bebida, roupas, um veculo, um ornamento, perfume e ungento, roupas de cama, moradia, uma lamparina - para um brmane ou um contemplativo. O que voc pensa , Sariputta? Pode uma pessoa dar uma oferenda como essa?"

"Sim, senhor."

"Tendo dado isso, sem buscar seu prprio benefcio, nem com a mente apegada [ recompensa], pensando em acumul-la para si mesmo [com o pensamento], 'Eu a desfrutarei aps a morte.'

" nem com o pensamento, 'A generosidade boa,

" nem com o pensamento, 'Isto foi dado no passado, feito no passado, por meu pai e av. No seria correto que eu permitisse que esse antigo costume da famlia fosse descontinuado,'

" - nem com o pensamento, Eu sou prspero. Eles no so prsperos. No seria correto, em sendo eu prspero, no desse uma oferenda para aqueles que no so prsperos,' nem com o pensamento, Tal como no passado houve o sacrifcio dos sbios - Atthaka, Vamaka, Vamadeva, Vessamitta, Yamataggi, Angirasa, Bharadvaja, Vasettha, Kassapa, e Bhagu - da mesma forma essa ser a minha distribuio de oferendas,

" nem com o pensamento, Quanto esta minha oferenda dada, a minha mente fica clara com serena confiana. Surgem a satisfao e a alegria,

" porm com o pensamento, Isto um ornamento para a mente, um suporte para a mente. - na dissoluo do corpo, aps a morte, ela renasce no mundo dos devas do Cortejo de Brahma. Ento tendo esgotado aquela ao, aquele poder, aquele status, aquela soberania, ela no retorna. Ela no retornar a este mundo.

"Essa, Sariputta, a causa, essa a razo, porque uma pessoa d uma oferenda de um certo tipo e no resulta em grandes frutos ou grandes benefcios, enquanto que outra pessoa d uma oferenda do mesmo tipo e resulta em grandes frutos e grandes benefcios."

 


 

Nota de Thanissaro Bhikkhu: Este discurso discute a motivao que a pessoa pode ter quando generosa, e classifica em ordem ascendente os resultados que as diferentes motivaes trazem. O Comentrio nota que a motivao mais elevada no contaminada por motivaes menores e que conduz ao 'no retorno', exige um certo nvel de maestria na concentrao e insight para que seja considerada uma motivao genuna para a generosidade.

>> Prximo Sutta

 

 

Revisado: 5 Setembro 2013

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.