5. O Kamma que d fim ao Kamma

 


 

Na ltima parte do Captulo 1, foram mencionados quatro tipos diferentes de kamma, classificados de acordo com a sua relao com os seus respectivos resultados:

1. Kamma escuro com um resultado sombrio.

2. Kamma claro com um resultado Luminoso.

3. Kamma escuro e claro com um resultado sombrio e luminoso.

4. Kamma nem escuro, nem claro com um resultado nem sombrio, nem luminoso, que conduz cessao de kamma.[MN.I.389] (MN 57)

Todas as variedades de resultados de kamma descritas at o momento estiveram restritas s trs primeiras categorias, kamma claro, kamma escuro, e ambos, claro e escuro ou kamma bom e kamma ruim. O quarto tipo de kamma falta ser explicado. Como este quarto tipo de kamma apresenta um resultado totalmente distinto dos outros trs, foi dado a ele um captulo prprio em separado.

Para a maioria das pessoas, incluindo Budistas, todo interesse em kamma tende a estar centrado em torno dos primeiros trs tipos de kamma, deixando totalmente de lado o quarto tipo, muito embora este ltimo tipo de kamma seja um dos ensinamentos essenciais do Budismo e o que conduz ao seu objetivo ltimo.

Kamma escuro, claro e escuro-claro so em geral descritos como os vrios tipos de aes que fazem parte das dez bases para aes inbeis, tal como matar seres vivos, violar as propriedades dos outros, conduta sexual imprpria e linguagem nociva ou maliciosa, com os seus respectivos opostos que constituem as aes hbeis. Esses tipos de kamma so os determinantes para vrios tipos de experincias de vida, boas e ruins, como foi explicado antes. Os eventos da vida por seu lado ativam mais kamma bom e ruim, dessa forma fazendo girar a roda do samsara de forma indefinida.

O quarto tipo de kamma produz resultados de forma exatamente oposta. Ao invs de causar a acumulao de mais kamma, ele conduz cessao de kamma. Na verdade isto se refere prtica que conduz ao objetivo mximo do Budismo, a Libertao, tal como o Nobre Caminho ctuplo, tambm conhecido como o Treinamento Trplice (Virtude, Concentrao e Sabedoria) ou os Sete Fatores da Iluminao. Algumas vezes este quarto tipo de kamma referido como a inteno, baseada na no-cobia, no-raiva e no-deluso, de abandonar os outros trs tipos de kamma.

Nenhuma discusso sobre kamma deveria deixar de mencionar a felicidade e o sofrimento. Kamma a causa que resulta em felicidade e sofrimento, e enquanto existir kamma haver a oscilao entre esses dois estados. No entanto, ao aspirar ao bem mximo que est isento de qualquer mcula, qualquer condio marcada pela felicidade ou sofrimento, estando sujeita oscilao, ser inadequada. Todo kamma mundano ainda est maculado com o sofrimento e uma causa do sofrimento.

No entanto, isto apenas vlido para os trs primeiros tipos de kamma. O quarto tipo de kamma est isento, porque conduz cessao de kamma e dessa forma completa cessao do sofrimento. Embora o bom kamma resulte em felicidade, essa felicidade maculada pelo sofrimento e pode ser a causa de sofrimento no futuro. Mas este quarto tipo de kamma, alm de ser em si mesmo livre de sofrimento, tambm d origem libertao do sofrimento, completa e imaculada. Sendo, portanto, o tipo de felicidade mais pura.

A cessao ou extino de kamma era ensinada num grande nmero de diferentes religies na poca do Buda, de forma especial na Seita dos Niganthas (Jainistas). Os Niganthas ensinavam o princpio do kamma passado, a cessao de kamma e a mortificao do corpo de forma a desgastar o kamma passado. Se esses trs princpios no forem claramente diferenciados dos ensinamentos do Buda, podero ser confundidos com eles com facilidade. E de modo inverso, distinguindo-os com nitidez dos princpios do Budismo poder ajudar a tornar ainda mais clara a mensagem do Buda. Os Niganthas ensinavam:

Bhikkhus, existem alguns contemplativos e brmanes que possuem a seguinte doutrina e entendimento: Qualquer coisa que uma pessoa sinta, quer seja prazer ou dor, ou nem prazer, nem dor, tudo causado pelo que foi feito no passado. Ento aniquilando atravs do ascetismo as aes passadas e no cometendo novas aes, no haver conseqncia no futuro. Sem conseqncia no futuro, ocorre a destruio da ao. Com a destruio da ao, ocorre a destruio do sofrimento. Com a destruio do sofrimento, ocorre a destruio da sensao. Com a destruio da sensao, todo o sofrimento ser extinto. [MN.II.214] (MN 101)

Os Niganthas acreditavam que tudo causado pelo kamma passado. Para se livrar do sofrimento seria necessrio abandonar o kamma passado e, por meio da prtica de austeridades, no acumular kamma novo. Mas o Budismo afirma que o kamma passado apenas um dos fatores em todo o processo de causa e efeito. Este um ponto importante.

Kamma pode conduzir transcendncia do sofrimento, mas tem que ser o tipo certo de kamma, o kamma que evita o surgimento de mais kamma e assim conduz sua cessao. Ento, de modo a anular kamma, ao invs de simplesmente ficar quieto e no fazer nada, o praticante Budista tem que se empenhar numa prtica fundamentada no entendimento correto. A prtica correta conduz independncia, clareza e liberdade das diretrizes do desejo que, em conjunto com a ignorncia, enreda os seres na busca por realizaes.

Para esclarecer esse quarto tipo de kamma, as suas caractersticas gerais podem ser resumidas da seguinte forma:

(a) o caminho da prtica que conduz cessao de kamma. Ao mesmo tempo, em si mesmo um tipo de kamma,

(b) conhecido como o kamma nem escuro, nem claro com um resultado nem sombrio, nem luminoso, que conduz cessao de kamma.

(c) As suas causas-raiz so a no-cobia, no-raiva e no-deluso.

(d) Est baseado na sabedoria e compreenso das vantagens e das imperfeies das coisas, como elas na verdade so. o tipo de ao impecvel, ao que verdadeiramente benfica, baseada em fundamentos ntegros e que conduzem a uma vida saudvel.

(e) Como este tipo de ao no guiada pelo desejo, quer seja na forma de aproveitamento egosta ou na inao baseada no temor de perda pessoal, o verdadeiro tipo de esforo altrusta, guiado e suportado pela ateno plena e sabedoria.

(f) kusala kamma, ao hbil, no nvel conhecido como Ao Hbil Transcendente.

(g) Em relao prtica, pode ser chamado de Caminho ctuplo para a cessao do sofrimento, a Quarta das Quatro Nobres Verdades, os Sete Fatores da Iluminao, ou o Treinamento Trplice, dependendo do contexto; faz tambm referncia a um sentido mais geral, como a inteno de abandonar os primeiros trs tipos de kamma.

Com relao ao ponto (e) acima, vale a pena destacar que tanha, ou desejo, visto pela maioria das pessoas como a fora que motiva a ao. No que diz respeito maioria das pessoas, quanto mais desejo existir, mais intensa e competitiva ser a ao resultante; elas entendem que sem desejo no h incentivo para agir, e o resultado s poderia ser a inrcia e a preguia. Esse tipo de entendimento surge da observao incompleta da natureza humana. Se for empregado como diretriz para a prtica, poder causar problemas tanto no nvel individual como no social.

Na verdade, o desejo um mpeto para ambos, ao e inao. Na busca de objetos para se alimentar, o desejo um mpeto para a ao. Esse tipo de ao tende a gerar explorao e disputas. No entanto, nas ocasies em que aes boas e altrustas so necessrias, o desejo passar a ser um incentivo para a inao, atando o eu ao conforto pessoal, mesmo que seja apenas como apego ao sono. Dessa forma, o desejo se torna um obstculo ou estorvo na realizao de boas aes. Se a ignorncia ainda for predominante, isto , se no existir compreenso do valor das boas aes, o desejo ir encorajar a inrcia e a negligncia. Por essa razo, o desejo pode ser um incentivo ou para um tipo de atividade exploradora, ou para um tipo de inatividade letrgica, dependendo do contexto.

A prtica que suporta um estilo de vida saudvel e que verdadeiramente benfica completamente distinta dessa gratificao dos desejos egostas e em muitos casos demanda a renncia dos confortos e prazeres pessoais. Esse tipo de prtica no pode ser concretizada por meio do desejo (exceto se primeiro qualificarmos nossos termos), mas deve ser realizada atravs do entendimento e apreo pelas vantagens dessa prtica tal como ela na verdade .

Esse apreo ou aspirao chamado de chanda em Pali (conhecido de forma completa como kusalachanda ou dhammachanda). Chanda o incentivo real para quaisquer aes verdadeiramente construtivas. No entanto, este pode ser impedido pelo desejo e o seu apego preguia, letargia ou conforto pessoal. Nesse caso, o desejo ir macular com o sofrimento todas as tentativas de realizar boas aes, ao resistir prtica atravs daqueles estados negativos. Se houver clara compreenso da vantagem dessas aes e suficiente apreo (chanda) por elas, possibilitando que o efeito opressor do desejo seja superado, chanda se torna, alm de um mpeto para a ao, uma causa para a felicidade.

Esse tipo de felicidade difere da felicidade que resulta do desejo ela leve e despreocupada, ao invs de constritiva e pesada, e conduz a aes criativas isentas de sofrimento. Neste caso, samadhi, a mente firmemente estabelecida, composta de esforo, ateno plena e compreenso, ir se desenvolver e diretamente suportar tais iniciativas. Esse tipo de prtica conhecida como o kamma que d fim ao kamma.

"O kamma deve ser conhecido. A causa porque o kamma se manifesta deve ser conhecida. A diversidade do kamma deve ser conhecida. O resultado do kamma deve ser conhecido. A cessao do kamma deve ser conhecida. O caminho da prtica para a cessao do kamma deve ser conhecido. ' Assim foi dito. Em referncia a que foi dito isso?

"Inteno, eu lhes digo, kamma. Pela inteno, a pessoa faz kamma atravs do corpo, linguagem, e mente.

"E qual a causa porque o kamma se manifesta? Contato a causa pela qual kamma se manifesta.

"E qual a diversidade de kamma? Existe o kamma para ser experimentado no inferno, kamma para ser experimentado no mundo dos animais, kamma para ser experimentado no mundo dos fantasmas, kamma para ser experimentado no mundo humano, kamma para ser experimentado no mundo dos devas. A isto se denomina a diversidade de kamma.

"E qual o resultado do kamma? O resultado do kamma de trs tipos, eu lhes digo: aquele que surge no aqui e agora, aquele que surge mais tarde [nesta vida ] e aquele que surge depois desta vida. A isto se denomina o resultado do kamma.

"E qual a cessao do kamma? Com a cessao do contato, kamma cessa; e justamente este nobre caminho ctuplo - entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ao correta, modo de vida correto, esforo correto, ateno plena correta, concentrao correta - o caminho da prtica para a cessao do kamma. [AN.III.415] (AN VI 63)

* * *

"Agora quando um nobre discpulo compreende desse modo kamma, a causa porque kamma se manifesta, a diversidade de kamma, o resultado de kamma, a cessao de kamma, e o caminho da prtica que conduz cessao de kamma, ento ele compreende esta penetrante vida santa como sendo a cessao dkamma.[AN.III.415] (AN VI 63)

* * *

Bhikkhus, eu lhes explicarei o kamma passado, o kamma novo, a cessao de kamma e o caminho para a cessao de kamma ... O que kamma passado? Olho ... ouvido ... nariz ...lngua ... corpo ... mente devem ser compreendidos como kamma passado, formados por condies, nascidos das volies, a base para as sensaes. Isto denominado kamma passado.

Bhikkhus, o que kamma novo? Aes criadas atravs do corpo, linguagem e mente no momento presente, essas so chamadas kamma novo.

Bhikkhus, o que a cessao de kamma? A experincia da libertao, que surge da cessao de kamma corporal, kamma verbal e kamma mental, chamada de cessao de kamma.

Bhikkhus, qual o caminho para a cessao de kamma? este Nobre Caminho ctuplo, isto , Entendimento Correto....Concentrao Correta. Isso chamado o caminho que conduz cessao de kamma. [SN.III.132](SN XXXV.146)

* * *

Bhikkhus, este corpo no lhes pertence, nem pertence a um outro. Vocs devem v-lo como kamma passado, formado por condies, nascido das volies, a base para as sensaes. [SN.II.64] (SN XII.37)

* * *

"Bhikkhus, h trs causas para a origem de kamma. Quais trs? A cobia uma causa para a origem de kamma; a raiva uma causa para a origem de kamma; a deluso uma causa para a origem de kamma. Qualquer kamma, bhikkhus, criado atravs da cobia, nascido da cobia, causado pela cobia, originado da cobia, amadurece onde quer que renasa o ser/existir. Onde quer que o kamma amadurea, ali que o resultado ser experimentado, quer seja nesta vida, ou no prximo renascimento, ou em alguma ocasio subsequente. Qualquer kamma realizado por conta da raiva...por conta da deluso...(igual cobia)

"Bhikkhus, h essas outras trs causas para a origem de kamma. Quais trs? A no-cobia uma causa para a origem de kamma; a no-raiva uma causa para a origem de kamma; a no-deluso uma causa para a origem de kamma. Qualquer kamma, bhikkhus, criado atravs da no-cobia, nascido da no-cobia, causado pela no-cobia, originado da no-cobia, abandonado quando a cobia desaparece; cortado pela raiz, feito como com um tronco de palmeira, eliminado de tal forma que no mais estar sujeito a um futuro surgimento. Qualquer kamma realizado por conta da no-raiva...por conta da no deluso... [AN.I.134] (AN III.34)

* * *

Bhikkhus, h essas trs causas para a origem de kamma. Quais trs? A cobia uma causa para a origem de kamma, a raiva uma causa para a origem de kamma, e a deluso uma causa para a origem de kamma.

(1) "Qualquer kamma criado atravs da cobia, nascido da cobia, causado pela cobia, originado da cobia, esse kamma prejudicial e repreensvel e resulta no sofrimento. Esse kamma conduz ao surgimento de kamma, no cessao de kamma.

(2) "Qualquer kamma criado atravs da raiva ... (3) Qualquer kamma criado criado atravs da deluso, nascido da deluso, causado pela deluso, originado da deluso, esse kamma prejudicial e repreensvel e resulta no sofrimento. Esse kamma conduz ao surgimento de kamma, no cessao de kamma.

Bhikkhus, h essas outras trs causas para a origem de kamma. Quais trs? A no-cobia uma causa para a origem de kamma, a no-raiva uma causa para a origem de kamma, e a no-deluso uma causa para a origem de kamma.

(1) "Qualquer kamma criado criado atravs da no-cobia, nascido da no-cobia, causado pela no-cobia, originado da no-cobia, esse kamma benfico e irrepreensvel e resulta na felicidade. Esse kamma conduz cessao de kamma, no ao surgimento de kamma.

(2) "Qualquer kamma criado atravs da no-raiva ... (3) Qualquer kamma criado atravs da no-deluso, nascido da no-deluso, causado pela no-deluso, originado da no-deluso, esse kamma benfico e irrepreensvel e resulta na felicidade. Esse kamma conduz cessao de kamma, no ao surgimento de kamma. [AN.I.263] (AN III.111)

* * *

Bhikkhus, matar seres vivos, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. Tomar aquilo que no foi dado, eu digo, tambm de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A conduta sexual imprpria, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A linguagem mentirosa, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A linguagem maliciosa, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A linguagem grosseira, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A linguagem frvola eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A cobia, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. A m vontade, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso. O entendimento incorreto, eu digo, de trs tipos: causado pela cobia, causado pela raiva, causado pela deluso.

Portanto, bhikkhus, a cobia a fonte e origem de kamma; a raiva a fonte e origem de kamma; a deluso a fonte e origem de kamma. Com a destruio da cobia, a fonte de kamma extinta. Com a destruio da raiva, a fonte de kamma extinta. Com a destruio da deluso, a fonte de kamma extinta. [AN.V.261] (AN X.174)

* * *

Bhikkhus, esses quatro tipos de kamma foram diretamente compreendidos, verificados e anunciados por mim. Quais quatro? H o kamma que escuro com um resultado sombrio. H o kamma que claro com um resultado luminoso. H o kamma que escuro e claro com um resultado sombrio e luminoso. H o kamma que nem escuro nem claro com um resultado nem sombrio nem luminoso, que conduz ao fim de kamma.

E qual o kamma que escuro com um resultado sombrio? o caso em que uma certa pessoa fabrica uma formao corporal prejudicial, fabrica uma formao verbal prejudicial, fabrica uma formao mental prejudicial. Tendo fabricado uma formao corporal prejudicial, tendo fabricado uma formao verbal prejudicial, tendo fabricado uma formao mental prejudicial, ela renasce num mundo com aflio. Ao renascer num mundo com aflio, ela tocada por contatos aflitivos. Tocada por contatos aflitivos, ela experimenta sensaes que so exclusivamente dolorosas, como aquelas experimentadas pelos seres no inferno. Isso chamado kamma que escuro com um resultado sombrio.

E qual o kamma que claro com um resultado luminoso? o caso em que uma certa pessoa fabrica uma formao corporal no prejudicial, fabrica uma formao verbal no prejudicial, fabrica uma formao mental no prejudicial .... ela renasce num mundo sem aflio ... ela tocada por contatos no aflitivos ...ela experimenta sensaes que so exclusivamente prazerosas, como aquelas experimentadas pelos devas luminosos. Isso chamado kamma que claro com um resultado luminoso.

E qual o kamma que escuro e claro com um resultado sombrio e luminoso? o caso em que uma certa pessoa fabrica uma formao corporal prejudicial e fabrica uma formao corporal no prejudicial, fabrica uma formao verbal prejudicial e fabrica uma formao verbal no prejudicial, fabrica uma formao mental prejudicial e fabrica uma formao mental no prejudicial .... ela renasce num mundo com aflio e sem aflio ... ela tocada por contatos aflitivos e no aflitivos ...ela experimenta sensaes que so dolorosas e prazerosas, como aquelas experimentadas pelos seres humanos, alguns devas e alguns seres nos mundos inferiores. Isso chamado kamma que escuro e claro com um resultado sombrio e luminoso.

E qual o kamma que nem escuro nem claro com um resultado nem sombrio nem luminoso, que conduz ao fim de kamma? Entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ao correta, modo de vida correto, esforo correto, ateno plena correta, concentrao correta. Isso chamado kamma que nem escuro nem claro com um resultado nem sombrio nem luminoso, que conduz ao fim de kamma. [AN.II.233] (AN IV.235)

* * *

Udayi, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminao da ateno plena, que tem como base o afastamento, desapego e cessao, que amadurece no abandono; que vasto, glorificado, imensurvel, sem m vontade. Ao desenvolver o fator da iluminao da ateno plena, que tem como base o afastamento ... sem m vontade, o desejo abandonado. Com o abandono do desejo, kamma abandonado. Com o abandono de kamma, o sofrimento abandonado ... Ele desenvolve o fator da iluminao da equanimidade, que tem como base o afastamento, desapego e cessao, que amadurece no abandono; que vasto, glorificado, imensurvel, sem m vontade. Ao desenvolver o fator da iluminao da ateno plena, que tem como base o afastamento ... sem m vontade, o desejo abandonado. Com o abandono do desejo, kamma abandonado. Com o abandono do kamma, o sofrimento abandonado.

Portanto, Udayi, com a destruio do desejo ocorre a destruio do kamma, com a destruio do kamma ocorre a destruio do sofrimento. [SN.V.86] (SN XLVI.26)

 

Incio >> 4. Kamma no nvel Social>> 6. Mal entendidos da Lei de Kamma

 


 

 

Revisado: 28 Dezembro 2013

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.