7. A Origem Dependente na Sociedade

 


 

O sutta mais longo do Cnone em Pali que trata da Origem Dependente o Mahanidana Sutta [DN.II.55-71] (DN 15) . Nesse sutta o Buda explica o princpio da condicionalidade tanto sob a perspectiva do indivduo, como ele ocorre dentro da mente e tambm no contexto social, como ele ocorre nas relaes humanas. At agora lidamos exclusivamente com o princpio da Origem Dependente tal como ele ocorre na conscincia humana individual. Antes de deixar este tema seria portanto apropriado mencionar brevemente como a Origem Dependente opera na escala social.

O ciclo da Origem Dependente descreve o surgimento dos padecimentos sociais seguindo o mesmo esquema do surgimento do sofrimento no nvel pessoal, exceto que a partir do desejo ele diverge para uma descrio de eventos externos:

Ento, Ananda, na dependncia do desejo surge o apego; na dependncia do apego surge a busca; na dependncia da busca surge o ganho; na dependncia do ganho surge a deciso; na dependncia da deciso surge o desejo e cobia; na dependncia do desejo e cobia surge o apego; na dependncia do apego surge a posse; na dependncia da posse surge a mesquinharia; na dependncia da mesquinharia surge a salvaguarda; e devido salvaguarda, muitos fenmenos ruins e prejudiciais surgem tomar clavas e armas, conflitos, brigas e disputas, linguagem ofensiva, difamao e falsidades. [19]

Abaixo segue uma comparao da forma como o princpio da Origem Dependente opera no nvel pessoal e social.

Ignorncia >> Formaes >> Conscincia >> Mentalidade-materialidade (nome e forma) >> Bases dos Sentidos >> Contato >> Sensao >> Desejo >>

Nvel pessoal

Apego >> Nascimento >> Envelhecimento e morte, lamentao....sofrimento na vida

Nvel Social

Busca >> Ganho >> Deciso >> Desejo e Cobia >> Apego >> Posse >> Mesquinharia >> Salvaguarda >> Conflitos, disputas, brigas,linguagem ofensiva,difamao, falsidades... sofrimento na sociedade

Para compreender a cadeia de eventos acima com mais clareza, vejamos alguns exemplos descritos pelo Buda em outros textos, tal como o ciclo de nanatta (diversidade), que pode ser resumido da seguinte forma:

Dhatunanatta (diversidade dos elementos) => phassananatta (diversidade dos contatos) => vedanananatta (diversidade das sensaes) => saananatta (diversidade das percepes) => sankappananatta (diversidade dos pensamentos) => chandananatta (diversidade dos desejos) => parilahananatta (diversidade das agitaes) => pariyesananatta (diversidade da busca) => labhananatta (diversidade do ganho). [20]

A primeira seo, de dhatu at saa, pode ser re-fraseada simplesmente assim: devido mltipla proliferao dos elementos, surge a mltipla proliferao das percepes. Em um outro texto do Cnone em Pali a seguinte seqncia de eventos descrita:

Dhatunanatta (diversidade dos elementos) => sananatta (diversidade das percepes) => sankappananatta (diversidade dos pensamentos) => phassananatta (diversidade dos contatos) => vedanananatta (diversidade das sensaes) => chandananatta (diversidade dos desejos) => parilahananatta (diversidade das agitaes) => pariyesananatta (diversidade da busca) => labhananatta (diversidade do ganho). [SN.II.140-149] (SN XIV.1-10)

Essa seqncia demonstra um processo que conecta a experincia mental individual com os eventos externos, mostrando como a origem dos problemas sociais e do sofrimento se encontram nas impurezas da mente humana. A seqncia bastante elementar, mostrando apenas um esboo do desdobramento dos eventos. Explicaes mais detalhadas, enfatizando situaes mais especficas aparecem em outros Suttas, tal como no Aggaa (DN 27), no Cakkavatti (DN 26) e no Vasettha (MN98). Esses suttas so os modelos de como a Origem Dependente opera no nvel social. Eles explicam o desenvolvimento dos eventos na sociedade humana, tal como o surgimento das estruturas de castas, como resultado da interao entre as pessoas e o ambiente sua volta. Em outras palavras, esses fenmenos so o resultado de uma interao em trs nveis: seres humanos, sociedade humana e todo o ambiente natural.

As sensaes que experimentamos dependem do contato sensual, as quais, alm dos fatores internos existentes tal como a percepo, dependem de fatores sociais e ambientais. Na dependncia da sensao, surge o desejo, resultando na diversidade de comportamentos humanos tanto em relao a outras pessoas bem como em relao ao mundo volta deles, limitados pelas restries definidas pelas circunstncias sociais e ambientais. Os resultados dessas aes tambm afetam todos os demais fatores. Os seres humanos no so os nicos fatores determinantes no desenvolvimento social e ambiental, e o ambiente natural no o nico fator determinante no condicionamento dos seres humanos ou da sociedade. Todos eles constituem um processo de relaes interdependentes.

Um trecho do Aggaa Sutta demonstra a seqncia da evoluo social de acordo com causa e efeito da seguinte forma:

As pessoas se tornam preguiosas e comeam a armazenar arroz (antes o arroz era abundante e no havia necessidade de armazen-lo) e esta se torna a prtica preferida => as pessoas comeam a armazenar suprimentos => pessoas inescrupulosas comeam a roubar dos outros para aumentar suas posses => terminando em censura, mentira, punio => pessoas responsveis, vendo a necessidade de uma autoridade, nomeiam um rei => algumas das pessoas, desiludidas com a sociedade, decidem dar fim s aes ruins e cultivar a prtica da meditao. Algumas delas vivem prximas das cidades e estudam e escrevem escrituras; elas se tornam os Brmanes. Aquelas que permanecem com suas famlias obtm o seu sustento por meio de vrias profisses; elas se tornam os artesos. O restante das pessoas, incultas e incapazes, se torna a plebe. Dentre esses quatro grupos um grupo menor se separa, abandonando a tradio e a vida em famlia e adotando a vida santa. Eles se tornam os samanas ou contemplativos.

O objetivo desse Sutta explicar o surgimento das vrias classes sociais como um aspecto do desenvolvimento natural baseado em causas associadas, no como mandamentos de um Deus todo poderoso. Todas as pessoas so igualmente capazes de ter um comportamento bom ou ruim e todas iro colher os resultados de acordo com a lei natural; da todos os seres serem igualmente capazes de alcanar a iluminao se praticarem o Dhamma da forma correta.

O Cakkavatti Sutta mostra o surgimento do crime e do padecimento social de acordo com a seguinte seqncia de causa e efeito:

(O governante) no comparte a riqueza com os pobres => abunda a pobreza => abunda o roubo => abunda o uso de armas => abunda matar e mutilar => abunda mentir => calnia...atos sexuais imprprios...linguagem grosseira e frvola...cobia e raiva... entendimento incorreto => desejo pelo que prejudicial, cobia, ensinamentos incorretos, desrespeito pelos pais, idosos e religiosos =>a longevidade e a aparncia degeneram.

interessante observar que nos tempos modernos, os esforos feitos para tentar resolver os problemas sociais raramente esto sintonizados com as suas causas reais. Eles buscam proporcionar expedientes provisrios, tal como estabelecer aconselhamento para viciados em drogas e delinqentes, mas no se investiga profundamente, antes de mais nada, as condies sociais que influenciam o surgimento desses problemas, tais como o consumismo e os meios de comunicao de massa. Nesse aspecto, o ensinamento Budista da Origem Dependente no nvel social oferece um precedente valioso para uma inteligente e verdadeiramente eficaz anlise e reforma social.

 

Incio >> 6. A natureza das contaminaes>> 8. O Ensinamento do Meio

 


 

Notas:

19. DN.15.9; essas nove condies aparecem em outros textos intituladas as nove condies enraizadas no desejo (tanhamulakadhamma), tal como no DN.III.289 (DN 34.2.2(4)); AN.IV.400 (AN IX.23); Vbh.390. [Retorna]

20. Ps.I.187; a palavra elementos (dhatu) neste caso se refere aos dezoito elementos: seis bases dos sentidos internas (rgos dos sentidos), seis bases dos sentidos externas (objetos dos sentidos) e seis conscincias. [Retorna]  

 

 

Revisado: 16 Maro 2013

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.