Udana IV.8

Sundari Sutta

Sundari

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


Assim, ouvi. Certa ocasio, o Abenoado estava em Savatthi, no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Agora, naquela ocasio, o Abenoado era respeitado, reverenciado, honrado, venerado, e homenageado, e era um dos que obtinham mantos, comida esmolada, moradias, e medicamentos. A Sangha dos bhikkhus tambm era respeitada, reverenciada, honrada, venerada, e homenageada, e tambm obtinham mantos, comida esmolada, moradias, e medicamentos. Mas os errantes de outras seitas no eram respeitados, reverenciados, honrados, venerados, e homenageados, e tambm no obtinham mantos, comida esmolada, moradias, e medicamentos.

Assim, os errantes de outras seitas - incapazes de suportar o respeito demonstrado ao Abenoado e Sangha dos bhikkhus - foram at Sundari, a errante do sexo feminino e disseram: "Sundari, voc faria algo em benefcio dos seus familiares?"

"O que posso fazer, mestres? O que sou capaz de fazer, mestres? Daria at mesmo a minha vida em benefcio dos meus familiares!"

"Nesse caso, Irm, v muitas vezes ao Bosque de Jeta."

Respondendo, "Muito bem, mestres," Sundari foi muitas vezes ao Bosque de Jeta. Ento, quando os errantes de outras seitas perceberam que muitas pessoas haviam visto Sundari ter ido muitas vezes ao Bosque de Jeta, eles a mataram e enterraram ali mesmo numa cova no fosso que circundava o Bosque de Jeta. Eles ento foram at o rei Pasenadi de Kosala e, disseram: "Grande rei, no podemos encontrar Sundari."

"Mas onde que vocs suspeitam que ela esteja?"

"No Bosque de Jeta, grande rei."

"Ento, nesse caso, faam uma busca no Bosque de Jeta."

Ento, aqueles errantes de outras seitas, tendo feito uma busca no Bosque de Jeta, desenterraram o corpo que tinha sido enterrado numa cova no fosso, colocaram-no sobre uma maca, e o levaram para Savatthi passando de rua em rua, de cruzamento em cruzamento, agitando a indignao das pessoas dizendo: "Olhem, mestres, a obra dos contemplativos discpulos do filho dos Sakyas. Esses contemplativos, os discpulos do filho dos Sakyas, no tm vergonha, so imorais, com m conduta, mentirosos, profanos. Eles afirmam estar praticando o Dhamma, que vivem uma vida harmoniosa, praticam a vida santa, que falam a verdade, que so virtuosos, e com boa conduta, mas eles no tm o status de um contemplativo, eles no tm o status de um brmane; o seu status de contemplativo foi destrudo. Onde est o seu status de contemplativo? Onde est o seu status de brmane? Eles perderam o seu status de contemplativo, eles perderam o seu status de brmane. Como pode um homem, tendo desfrutado do seu prazer masculino, matar uma mulher?"

Devido a isso, quando as pessoas viam bhikkhus em Savathi elas os insultavam, ofendiam, provocavam, e irritavam com insultos e palavras grosseiras, dizendo: "Esses contemplativos discpulos do filho dos Sakyas, no tm vergonha, so imorais, com m conduta, mentirosos, profanos ... Como pode um homem, tendo desfrutado do seu prazer masculino, matar uma mulher?"

Ento, ao amanhecer, um certo nmero de bhikkhus se vestiram e tomando a tigela e manto externo, foram para Savathi para esmolar alimentos. Depois de haver esmolado em Savatthi e de haver retornado, aps a refeio, eles foram at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentaram a um lado e disseram: "No momento, venervel senhor, quando as pessoas em Savatthi vm os bhikkhus, elas os insultam, ofendem, provocam, e irritam com insultos e palavras grosseiras, dizendo: "Esses contemplativos discpulos do filho dos Sakyas, no tm vergonha, so imorais, com m conduta, mentirosos, profanos ... Como pode um homem, tendo desfrutado do seu prazer masculino, matar uma mulher?"

"Bhikkhus, essa comoo no ir durar muito. Ir continuar por apenas mais sete dias, e depois de sete dias ir desaparecer. Portanto, bhikkhus, se as pessoas os insultarem, ofenderem, provocarem, e irritarem com insultos e palavras grosseiras, vocs devem responder com estes versos: [1]

O falso acusador vai para o inferno,
tambm aquele que nega o que tenha feito.
Ambos depois se tornam iguais,
pessoas vis no mundo alm.

Assim, os bhikkhus memorizaram esses versos na presena do Abenoado, e quando as pessoas os insultavam eles respondiam com esses versos.

Ento aquelas pessoas pensaram: "Esses contemplativos, discpulos do filho dos Sakyas no fizeram isso; isso no foi cometido por eles. Esses contemplativos, discpulos do filho dos Sakyas esto afirmando a sua inocncia. E a comoo no continuou por muito tempo. A comoo durou apenas sete dias, e depois de sete dias desapareceu.

Ento um nmero de bhikkhus foram at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentaram a um lado e disseram: " admirvel! maravilhoso venervel senhor! Como isso foi bem antecipado pelo Abenoado: 'Bhikkhus, essa comoo no ir durar muito. Ir continuar por apenas mais sete dias, e depois de sete dias ir desaparecer.' Venervel senhor, essa comoo desapareceu."

Ento, dando-se conta do significado disso, o Abenoado nessa ocasio exclamou:

Pessoas descontroladas apunhalam com palavras
como fazem com flechas num elefante na batalha. [2]
Ao ouvir palavras grosseiras
um bhikkhu deve toler-las sem raiva.

 


[1] Dhp 306. [Retorna]

[2] Sarehi pode significar tanto "com flechas" ou "com vozes", este versculo tambm pode ser traduzido: como fazem com gritos num elefante na batalha. O verso, portanto, produz duas interpretaes igualmente vlidas:

a) As pessoas atingindo o elefante com flechas (sarehi) so soldados inimigos, tentando derrub-lo.

b) As pessoas estimulando o elefante com seus gritos e vozes (sarehi) so soldados lutando do mesmo lado, como o elefante, incitando-o para a luta.

O comentrio d apenas a interpretao da primeira. Mas se aceitarmos ambas as interpretaes, o versculo contm um aviso mais til duplo: Quando h uma controvrsia, cuidado com as pessoas descontroladas em ambos os lados. Aprender a suportar as palavras ofensivas daqueles do outro lado, que querem derrub-lo; e as palavras ofensivas daqueles do seu lado, que tentam despertar a sua raiva para que voc diga algo precipitado. [Retorna]

>> Prximo Sutta

 

 

Revisado: 4 Outubro 2014

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.