Majjhima Nikaya 40

Cula-Assapura Sutta

O Pequeno Discurso em Assapura

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


1. Assim ouvi. Em certa ocasio o Abenoado estava entre os Angas numa cidade denominada Assapura. L ele se dirigiu aos monges desta forma: Bhikkhus Venervel Senhor, eles responderam. O Abenoado disse o seguinte:

2. Contemplativos, contemplativos, bhikkhus, assim como as pessoas os percebem. E quando vocs so perguntados, O que vocs so?, vocs afirmam que so contemplativos. Visto que assim como vocs so chamados e o que vocs afirmam ser, vocs deveriam treinar da seguinte forma: ns praticaremos de modo apropriado para um contemplativo, [1] para que a nossa designao seja verdadeira e a nossa afirmao genuna de forma que a generosidade daqueles, cujos mantos, comida esmolada, moradia e medicamentos ns utilizamos, lhes tragam grandes frutos e benefcios, para que a nossa vida santa no seja em vo, mas frutfera e frtil.

3. Como, bhikkhus, um bhikkhu no pratica de modo apropriado para um contemplativo? Enquanto um bhikkhu for cobioso e no tiver abandonado a cobia, tiver m vontade e no tiver abandonado a m vontade, for enraivecido e no tiver abandonado a raiva, for vingativo e no tiver abandonado a vingana, for desdenhoso e no tiver abandonado o desdm, for dominador e no tiver abandonado a dominao, for invejoso e no tiver abandonado a inveja, for avarento e no tiver abandonado a avareza, for fraudulento e no tiver abandonado a fraude, for enganador e no tiver abandonado a enganao, enquanto ele tiver desejos ruins e no tiver abandonado os desejos ruins, tiver entendimento incorreto e no tiver abandonado o entendimento incorreto; [2] ento ele no pratica de modo apropriado para um contemplativo, eu digo, devido sua falha em relao ao abandono dessas mculas de contemplativo, defeitos de contemplativo, dessas escrias de contemplativo, que so a base para o renascimento num estado de privao e cujos resultados sero experimentados num destino infeliz.

4. Suponha que uma faca do tipo mataja, bem afiada em ambos os fios, estivesse envolvida e encaixada numa bainha feita com retalhos. Eu digo que essa vida santa de um bhikkhu semelhante a isso.

5. Eu no digo que o status de contemplativo daquele que veste um manto feito de retalhos provenha do mero vestir mantos feitos de retalhos, nem que o de um asceta nu provenha da mera nudez, nem que o daquele que habita na sujeira e p provenha da mera sujeira e p, nem que o daquele que se purifica com a gua provenha da mera purificao com gua, nem que o daquele que habita sob as rvores provenha do mero habitar sob as rvores, nem que o daquele que habita a cu aberto provenha do mero habitar a cu aberto, nem que o daquele que pratica o ficar sempre em p provenha do mero ficar sempre em p, nem que o daquele que se alimenta em intervalos definidos provenha do mero fato de se alimentar em intervalos definidos, nem que o daquele que recita os mantras provenha da mera recitao de mantras, nem digo que o status de contemplativo daquele asceta que usa o cabelo emaranhado e sujo provenha do mero uso do cabelo emaranhado e sujo.

6. Bhikkhus, se, atravs do mero uso de mantos feitos de retalhos, aquele que veste mantos feitos de retalhos, que fosse cobioso, abandonasse a cobia, que tivesse a mente com m vontade, abandonasse a m vontade ... que tivesse entendimento incorreto, abandonasse o entendimento incorreto, ento os seus amigos e companheiros, os seus pares e parentes, fariam dele algum que se veste com mantos feitos de retalhos assim que ele tivesse nascido e fariam com que ele adotasse o vestir-se com mantos feitos de retalhos assim: Venha, meu querido, seja um que se veste com mantos feitos de retalhos para que, sendo um que se veste com mantos feitos de retalhos, quando voc for cobioso, voc abandonar a cobia, quando voc tiver a mente com m vontade, voc abandonar a m vontade ... quando voc tiver o entendimento incorreto, voc abandonar o entendimento incorreto. Mas eu aqui vejo os que se vestem com mantos feitos de retalhos, cobiosos, com a mente com m vontade ... com o entendimento incorreto; e por isso que eu no digo que o status de contemplativo, daquele que veste um manto feito de retalhos, provenha do mero fato de vestir mantos feitos de retalhos.

Se atravs da mera nudez um asceta nu, que fosse cobioso, abandonasse a cobia ... se atravs da mera sujeira e p ... se atravs da mera purificao com gua ... se atravs do mero habitar sob as rvores ... se atravs do mero habitar a cu aberto ... se atravs do ficar sempre em p ... se atravs do alimentar-se em intervalos definidos ... se atravs da mera recitao de mantras ... se atravs do mero uso do cabelo emaranhado e sujo... ;e por isso que eu no digo que o status de contemplativo daquele asceta que usa o cabelo emaranhado e sujo provenha do mero uso do cabelo emaranhado e sujo.

7. Como, bhikkhus, um bhikkhu pratica de modo apropriado para um contemplativo? Quando qualquer bhikkhu, que era cobioso, abandonou a cobia, que tinha m vontade, abandonou a m vontade, que era enraivecido, abandonou a raiva, que era vingativo, abandonou a vingana, que era desdenhoso, abandonou o desdm, que era dominador, abandonou a dominao, que era invejoso, abandonou a inveja, que era avarento, abandonou a avareza, que era fraudulento, abandonou a fraude, que era enganador, abandonou a enganao, que tinha desejos ruins, abandonou os desejos ruins, que tinha entendimento incorreto, abandonou o entendimento incorreto, ento ele pratica de modo apropriado para um contemplativo, eu digo, devido ao abandono dessas mculas de contemplativo, defeitos de contemplativo, essas escrias de contemplativo, que so a base para o renascimento num estado de privao e cujos resultados sero experimentados num destino infeliz.

8. Ele v a si mesmo purificado desses estados ruins e prejudiciais, ele v a si mesmo libertado deles. Quando ele v isso, a satisfao surge nele. Quando ele est satisfeito, o xtase surge nele; naquele que est em xtase, o corpo se torna tranqilo; aquele, cujo corpo est tranqilo, sente felicidade; naquele que sente felicidade, a mente fica concentrada.

9. Ele permanece com o corao pleno de amor bondade, permeando o primeiro quadrante com a mente imbuda de amor bondade, da mesma forma o segundo, da mesma forma o terceiro, da mesma forma o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmo, ele permanece permeando o mundo todo com a mente imbuda de amor bondade, abundante, transcendente, imensurvel, sem hostilidade e sem m vontade.

10-12. Ele permanece com o corao pleno de compaixo, permeando o primeiro quadrante com a mente imbuda de compaixo com a mente imbuda de alegria altrusta com a mente imbuda de equanimidade, da mesma forma o segundo, da mesma forma o terceiro, da mesma forma o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares e para todos, bem como para si mesmo, ele permanece permeando o mundo todo com a mente imbuda de equanimidade, abundante, transcendente, imensurvel, sem hostilidade e sem m vontade.

13. Suponham que houvesse um lago com a gua lmpida, agradvel e fresca, cristalina, com as margens aplainadas, encantador. Se um homem, queimado e exausto devido ao calor, cansado, ressecado e sedento, viesse do leste ou do oeste ou do norte ou do sul ou de onde vocs queiram, tendo chegado no lago ele saciaria a sua sede e a febre devido ao calor. Da mesma forma, bhikkhus, se qualquer um de um cl de nobres segue a vida santa e depois de ter encontrado o Dhamma e a Disciplina proclamados pelo Tathagata, desenvolve o amor bondade, compaixo, alegria altrusta e equanimidade, e dessa forma obtm a paz interior, ento devido a essa paz interior ele pratica de modo apropriado para um contemplativo, eu digo. E se qualquer um de um cl de brmanes segue a vida santa .... se qualquer um de um cl de comerciantes segue a vida santa ... se qualquer um de um cl de trabalhadores segue a vida santa, e depois de ter encontrado o Dhamma e a Disciplina proclamados pelo Tathagata, desenvolve o amor bondade, compaixo, alegria altrusta e equanimidade, e dessa forma obtm a paz interior, ento devido a essa paz interior ele pratica de modo apropriado para um contemplativo, eu digo.

14. Bhikkhus, se qualquer um de um cl de nobres segue a vida santa, e compreendendo por si mesmo com o conhecimento direto, ele, aqui e agora entra e permanece na libertao da mente e libertao atravs da sabedoria que so imaculadas, com a destruio de todas as impurezas, ento ele j um contemplativo devido destruio das impurezas. [3] E se qualquer um de um cl de brmanes ... se qualquer um de um cl de comerciantes ... se qualquer um de um cl de trabalhadores segue a vida santa, e compreendendo por si mesmo com o conhecimento direto ele aqui e agora entra e permanece na libertao da mente e libertao atravs da sabedoria que so imaculadas, com a destruio de todas as impurezas, ento ele j um contemplativo devido destruio das impurezas.

Isso foi o que disse o Abenoado. Os bhikkhus ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Abenoado.

 


 

Notas:

[1] Enquanto que o sutta anterior usa a frase coisas que fazem de algum um contemplativo (dhamma samanakarana), este sutta diz praticaremos de modo apropriado para um contemplativo (samanasamicipatipada) . [Retorna]

[2] As primeiras dez dessas doze mculas para um contemplativo fazem parte das dezesseis imperfeies que contaminam a mente no MN 7.3. [Retorna]

[3] MA: Porque ele silenciou (samita) todas as contaminaes, ele um contemplativo no sentido mais elevado (paramatthasamana). [Retorna]

 

 

Revisado: 2 Maro 2008

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.