ndice dos Suttas

Este ndice relaciona os suttas que podem ser encontrados no Acesso ao Insight. Para ler o sutta simplesmente clique no seu ttulo. Clicando na abreviao do nikaya (coleo de suttas) voc ver todos os suttas daquele nikaya.


Veja tambm:


A | B | C | D | EF | G | H | I | J | K | L | M | N | O | PQ | R | S | T | U | V | WXYZ


A[go to top]

Abhabba

Impossvel

AN.IX.62

Nove coisas que impedem a realizao do estado de arahant

Abhasita

No Declarado

AN.II.23

Quem deturpa o Buda

Abhaya

Para o Prncipe Abhaya

MN.58

O Buda explica o critrio para determinar se algo vale ou no a pena ser dito. Este discurso um belo exemplo da habilidade do Buda como um professor: ele no somente fala sobre linguagem correta, porm tambm mostra a linguagem correta em ao

Abhaya

Abhaya

SN XLVI.56

Os fatores da iluminao promovem o conhecimento e viso.

Abhaya

Destemido

AN.IV.184

O Buda explica para Janussoni quatro maneiras para superar o medo da morte

Abhijana

Conhecimento Direto

SN.XXII.24

O conhecimento direto e a plena compreenso

Abhinanda

Deleite

SN.XXII.29

Quem busca o deleite nos agregados busca o sofrimento

Abhinanda (pathama)

Deleite

SN.XXXV.19

Quem busca o deleite nas bases internas busca o sofrimento

Abhinanda (dutiya)

Deleite

SN.XXXV.20

Quem busca o deleite nas bases externas busca o sofrimento

Abhinandamana

Buscando o Prazer

SN.XXII.65

A busca pelo prazer nos ata a Mara

Abhisanda

Fontes

AN.VIII.39

O Buda descreve oito fontes de mritos que a conduta hbil pode trazer

Abhinivesa (pathama)

Aderncia

SN.XXII.157

Como surgem os grilhes

Abhinivesa (dutiya)

Aderncia

SN.XXII.158

Como surgem os grilhes

Accaya

Transgresso

SN.XI.24

A pacincia e o perdo com os transgressores

Accayika

Urgente

AN.III.93

Um agricultor no pode prever quando a sua plantao ir amadurecer, da mesma forma no possvel prever quando ir ocorrer a iluminao

Accharasanghata

Benfico

AN.I.56-60

A mente como precursora; a importncia da diligncia

Acchariya-abbhuta

Maravilhoso e Admirvel

MN.123

Numa reunio com os bhikkhus o Ven. Ananda relata os eventos maravilhosos e admirveis que antecederam ao nascimento do Buda, e que ocorreram no nascimento do Buda

Acelakassapa

O Contemplativo Nu Kassapa

SN.XLI.9

Um dilogo com o contemplativo Kassapa

Acintita

Inconjecturvel

AN.IV.77

O Buda adverte que se voc gastar muito tempo ponderando acerca dessas quatro coisas, com certeza ficar maluco

Adanta

Indomada

AN.I.31-40

Uma mente domada, guardada, protegida, e contida

Adanta-agutta

Indomado, Desguardado

SN.XXXV.94

Como as seis bases trazem o sofrimento e a felicidade

Addha

Metade

It.63

As noes de passado, presente e futuro

Addhabhuta

Oprimido

SN.XXXV.29

As bases internas e externas so oprimidas pelo sofrimento

Adhamma (tatiya)

No-Dhamma

AN.X.173

O que Dhamma e no-Dhamma, e o que prejudicial e benfico

Adhikarana

Auto-exame

AN.II.11

O poder da reflexo e o poder do desenvolvimento

Adicca

O Sol

SN XLVI.48

Os bons amigos como elemento crucial para os sete fatores da iluminao.

Aditta

Em Chamas

SN.I.41

Os frutos da generosidade

Aditta

Em Chamas

SN.XXII.61

Os agregados esto em chamas

Adittapariyaya

O Discurso do Fogo

SN.XXXV.28

Alguns meses aps o seu Despertar o Buda proferiu este sermo para um grupo de 1.000 ascetas adoradores do fogo. No seu tpico brilhante estilo de ensino o Buda usa um smile que rapidamente penetra nos coraes dos ouvintes neste caso, um smile com o fogo. Aps ouvirem este sermo, todos os presentes alcanaram a Iluminao (arahant)

Adittapariyaya

O Discurso do Fogo

SN.XXXV.235

O que pior do que o fogo nas bases internas

Agaa

O Conhecimento da Gnese

DN.27

Um sutta que traz um relato da evoluo do mundo podendo ser encarado como a Gnese sob o ponto de vista Budista. O sutta faz uma crtica s pretenses de superioridade dos Brmanes indicando que a posio de cada um depende das aes praticadas

Agara

A Hospedaria

SN.XXXVI.14

As sensaes vm e vo, igual aos hspedes em uma hospedaria

Agarava (pathama)

Desrespeitoso

AN.V.21

O entendimento correto como condio necessria para a concentrao

Agarava (dutiya)

Desrespeitoso

AN.V.22

A concentrao correta como condio necessria para a sabedoria

Aggappasada

Objetos de F

AN.IV.34

Os quatro objetos supremos

Aggappasada

Objetos de F

It.90

Os trs objetos supremos

Aggi

Fogo

SN XLVI.53

A ateno plena til em todas as situaes.

Aggi

Fogo

It.93

Os fogos da cobia, raiva e deluso

Aggivacchagotta

Para Vacchagotta, sobre o Fogo

MN.72

O Buda explica para um errante porque ele no mantm opinies especulativas. Com o smile do fogo que se extingue ele indica o destino de um ser liberado

Aghamula

Raiz do Sofrimento

SN.XXII.31

O que sofrimento e a raiz do sofrimento

Aghatapativinaya

Removendo a Raiva

AN.V.161

Cinco formas hbeis de lidar com as pessoas que so irritantes

Aghatapativinaya (dutiya)

Removendo a Raiva

AN.V.162

Cinco meios para remover a raiva

Ahara

Alimento

SN.XII.11

Os quatro tipos de alimento e a origem dependente

Ahara

Alimento (para os Fatores para a Iluminao)

SN.XLVI.51

O Buda descreve como podemos alimentar ou esfomear as tendncias benficas e prejudiciais na mente de acordo com a forma como apliquemos nossa ateno

Ahina

Por uma Cobra

AN.IV.67

Como a prtica de metta, (amor bondade), pode servir como proteo contra o perigo

Ajata

No nascido

It.43

A natureza de nibbana.

Ahuneyya (pathama)

Merecedor de Oferendas

AN.VI.1

O contato nos meios dos sentidos

Ahuneyya

Merecedor de Oferendas

AN.VII.95-614

As contemplaes e percepes que conduzem destruio das impurezas

Ajakalapaka

Ajakalapaka

Ud.I.7

O Buda define um brmane como algum que supera e transcende espritos e suas assombraes

Ajita-manava-puccha

As Perguntas de Ajita

Snp.V.1

O Buda sumariza a essncia do treinamento no Dhamma

Ajjhatta

No nosso ntimo

SN.XXII.150

O prazer e a dor

Ajjhattanata

Interno como No-eu

SN.XXXV.3

As bases internas como no-eu

Ajjhattanattatitanagata

Interno como No-eu nos Trs Tempos

SN.XXXV.9

As bases internas como no-eu no passado, futuro e presente

Ajjhattadukkha

Interno como Sofrimento

SN.XXXV.2

As bases internas como sofrimento

Ajjhattadukkhatitanagata

Interno como Sofrimento nos Trs Tempos

SN.XXXV.8

As bases internas como sofrimento no passado, futuro e presente

Ajjhattanicca

Interno como Impermanente

SN.XXXV.1

As bases internas como impermanentes

Ajjhattaniccatitanagata

Interno como Impermanente nos Trs Tempos

SN.XXXV.7

As bases internas como impermanentes no passado, futuro e presente

Ajjhattatitayadanicca

Abandonando a Idia do Eu

SN.XXXV.167

Como abandonar a idia do eu

Ajjhattikanga

Fator Interno

SN XLVI.49

Qual o principal fator interno para o surgimento dos fatores da iluminao.

Ajjhattikayatana

As Seis Bases dos Sentidos Internas

SN LVI.14

A nobre verdade do sofrimento e as seis bases internas dos sentidos.

Ajjhattikayatanaparijana

Completa Compreenso

SN.XXXV.111

O conhecimento direto e a completa compreenso das bases internas

Akammaniya

Intratvel

AN I.21

O poder da mente

Akankha

Desejo

AN.X.71

Os benefcios em cumprir os preceitos de virtude

Akankheyya

Se um Bhikkhu Desejar

MN.6

O Buda encoraja os bhikkhus a treinarem com ardor: seguir os preceitos de disciplina, perfeitos na conduta, devotados tranquilidade, sem negligenciar a meditao, possundo o insight, e dedicados ao retiro

Akasa

No Cu

SN.XXXVI.12

As sensaes surgem e desaparecem, igual aos ventos que sopram no cu

Akiriyam

No-ao

AN.II.34

A doutrina da ao e no-ao

Akkodhana

Sem Raiva

SN.XXXVII.15

As qualidades que resultam num bom renascimento

Akkosa

Abuso

SN.VII.2

Um brmane insulta o Buda porque outro brmane decidiu seguir a vida santa

Akusala

Prejudicial

AN.III.6

As caractersticas de um tolo e um sbio

Akusaladhamma

Estados Ruins e Prejudiciais

SN.XLV.22

Quais so os estados prejudiciais e os benficos?

Akusalarasi

Um Monto Daquilo que Prejudicial

SN XLVII.5

A prtica da ateno plena contraposta aos obstculos.

Akusalavitakka

Pensamentos Inbeis

SN.IX.11

Pensamentos inbeis assaltam um bhikkhu

Alabbhaniyathana

No Pode ser Obtido

AN.V.48

Impossvel de ser obtido por qualquer ser humano ou divino.

Alagaddupama

O Smile da Cobra

MN.22

Um bhikkhu chamado Arittha tem a idia perniciosa de que uma conduta proibida pelo Buda no representa na verdade uma obstruo. O Buda o censura e com uma srie de smiles memorveis enfatiza os perigos de deturpar e aplicar o Dhamma de forma inadequada. O sutta culmina com uma das mais impressionantes dissertaes sobre o no-eu que pode ser encontrada no Cnone em Pali

Alavika

Monja Alavika

SN.V.1

Mara: Porque perder tempo meditando? Porque no desfrutar dos prazeres da vida?

Ambalatthikarahulovada

Exortao para Rahula em Amballatthika

MN.61

O Buda adverte o seu filho, o novio Rahula, acerca dos perigos em mentir e enfatiza a importncia de refletir constantemente acerca dos motivos que conduzem s aes

Ambapali

Ambapali

SN XLVII.1

Satipatthana como o caminho direto para Nibbana.

Ambapalivana

O Bosque de Ambapali SN LII.9

Mesmo os arahants seguem praticando os fundamentos da ateno plena.

Ambattha

Ambattha e o Orgulho Ferido

DN.3

Este sutta aborda o tema das castas. Pokkharasati, um conhecido mestre Brmane, envia o seu pupilo Ambattha para investigar se o contemplativo Gotama deveras um grande homem como dizem. Ambattha se comporta de forma arrogante e grosseira e aprende a lio do Buda, que os Khattiyas so considerados como a casta superior, mas a verdadeira distino obtida atravs da conduta correta e da sabedoria correta. Mais tarde, Pokkharasati tem um encontro com o Buda e nele busca refgio

Ananda

Ananda

SN.VIII.4

O ven. Ananda explica como vencer a paixo sensual

Ananda

Ananda

SN.XXII.21

O significado de "cessao"

Ananda (pathama)

Ananda

SN.XXII.37

A impermanncia vista sob a perspectiva da origem, presena e cessao

Ananda (dutiya)

Ananda

SN.XXII.38

A impermanncia vista sob a perspectiva da origem, presena e cessao

Ananda

Ananda

SN.XXII.83

A exortao de Punna Mantaniputta aos bhikkhus recm-ordenados

Ananda

Ananda

SN.XXII.159

As caracatersticas dos agregados

Ananda

Ananda

SN XLIV.10

Um dilogo com o errante Vacchagotta sobre a existncia do eu

Ananda

Ananda

SN LIV.13

A ateno plena na respirao um mtodo completo de treino mental culminando com a completa libertao.

Ananda

Ananda

SN LV.13

As quatro coisas que aquele que entrou na correnteza abandona e as quatro coisas que ele possui.

Ananda

Ananda

AN.III.32

O estado de concentrao que d fim fabricao de um "eu", a fabricao do "meu" e a tendncia subjacente presuno

Ananda

Ananda

AN.IX.37

O Ven. Ananda descreve o jhana supramundano que o fruto do conhecimento da Iluminao

Ananda

Ananda

Ud.V.8

O cisma de Devadatta

Anandabhaddekaratta

Ananda e Uma nica Noite Excelente

MN.132

O Ven. Ananda enfatiza a necessidade de esforo no momento presente para desenvolver o insight das coisas como elas realmente so

Anangana

Sem Mculas

MN.5

O Venervel Sariputta discursa para os bhikkhus sobre o que significam as mculas, explicando que um bhikkhu maculado ao se submeter aos desejos ruins e prejudiciais

Anantava

O Mundo Infinito

SN.XXIV.12

A idia que o mundo infinito

Anapanasati

A Ateno Plena na Respirao

MN.118

Uma explicao dos dezeseis passos da ateno plena na respirao e da relao desta meditao com os quatro fundamentos da ateno plena e os sete fatores da iluminao

Anathapindikovada

Exortao para Anathapindika

MN.143

O venervel Sariputta chamado ao leito de morte de Anathapindika e profere um comovente discurso sobre o desapego

Anatta

No-eu

SN.XXII.14

Vendo o no-eu dos agregados conduz ao desencantamento

Anatta

No-eu

SN.XXII.68

Abandonar o desejo por tudo que no-eu

Anatta (pathama)

Noeu

SN.XXII.143

Abandonar o desejo por tudo que no-eu

Anatta (dutiya)

Noeu

SN.XXII.144

Abandonar a cobia por tudo que no-eu

Anatta (tatiya)

Noeu

SN.XXII.145

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que no-eu

Anatta

No-eu

SN.XXXV.192-194

As bases internas no passado, futuro e presente

Anatta

No-eu

SN.XXXV.210-212

As bases internas no passado, futuro e presente

Anatta

No-eu

SN.XXXV.219-221

As bases externas no passado, futuro e presente

Anatta

No-eu

SN.XXXV.224

As bases internas so no-eu

Anatta

No-eu

SN.XXXV.227

As bases externas so no-eu

Anattachanda

Desejo pelo No-eu

SN.XXXV.174-176

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que no-eu

Anattachanda

Desejo pelo No-eu

SN.XXXV.183-185

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que no-eu

Anattalakkhana

As Caractersticas do No Eu

SN.XXII.59

O segundo discurso do Buda, em que ele apresenta o princpio de anatta (no-eu) para o grupo de cinco bhikkhus

Anattaniya

Que no Pertence ao Eu

SN.XXII.69

Abandonar o desejo por tudo que no pertence ao eu

Anattanupassi

Contemplao do No-eu

SN.XXII.149

Contemplar no-eu dos agregados

Anattanupassi

Contemplao do No-eu

AN.VII.18

Sete modos de realizar a libertao atravs da contemplao do no-eu

Anavatthita

Descontnuo

AN.VI.102

Benefcios da percepo da impermanncia em todos os fenmenos condicionados

Andajadanupakara

Com o Suporte da Generosidade

SN.XXIX.11-20

O renascimento dentre os nagas que nascem de ovos

Andajadanupakara

Com o Suporte da Generosidade

SN.XXX.7-16

O renascimento dentre os supannas que nascem de ovos

Andajadanupakara

Com o Suporte da Generosidade

SN.XXXI.13-42

O renascimento dentre os gandhabbas que habitam as razes perfumadas

Andajadanupakara

Com o Suporte da Generosidade

SN.XXXII.3-12

O renascimento dentre os devas que habitam nuvens frias

Andha

Cego

AN.III.29

O cego, o caolho e com dois olhos

Andhakarana

Confuso

It.87

Trs tipos de pensamentos

Andhakavinda

Em Andhakavinda

AN.V.114

Cinco coisas com as quais o Buda exortava os bhikkhus novos. Os leigos tambm deveria dar ateno a isso!

Anejasappaya

O Caminho para o Imperturbvel

MN.106

O Buda explica a abordagem em relao a vrios nveis de realizaes meditativas superiores culminando com Nibbana. Ele indica como possvel ser aprisonado a esses estados atravs do apego

Angulimala

Angulimala

MN.86

A histria de como o Buda subjugou o notrio criminoso Angulimala e o conduziu a alcanar o estado de arahant

Ani

A Cavilha

SN.XX.7

Tenha cuidado: existem muitos ensinamentos populares hoje em dia que podem soar de maneira elegante e agradvel para o ouvido, porem eles no so necessariamente o ensinamento do Buda

Anicca

Impermanente

SN.XXII.12

Vendo a impermanncia dos agregados conduz ao desencantamento

Anicca (pathama)

Impermanente

SN.XXII.45

O abandono da cobia pelos agregados

Anicca (dutiya)

Impermanente

SN.XXII.46

O abandono das idias ao ver os agregados como na verdade so

Anicca

Impermanente

SN.XXII.66

Abandonar o desejo por tudo que impermanente

Anicca (pathama)

Impermanente

SN.XXII.137

Abandonar o desejo por tudo que impermanente

Anicca (dutiya)

Impermanente

SN.XXII.138

Abandonar a cobia por tudo que impermanente

Anicca (tatiya)

Impermanente

SN.XXII.139

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que impermanente

Anicca

Impermanente

SN.XXXV.43-52

O todo impermanente, sofrimento, etc.

Anicca (pathama)

Impermanente

SN.XXXV.186

As bases internas no passado

Anicca (dutiya)

Impermanente

SN.XXXV.187

As bases internas no futuro

Anicca (tatiya)

Impermanente

SN.XXXV.188

As bases internas no presente

Anicca

Impermanente

SN.XXXV.195-197

As bases externas no passado, futuro e presente

Anicca (pathama)

Impermanente

SN.XXXV.204

As bases internas no passado

Anicca (dutiya)

Impermanente

SN.XXXV.205

As bases internas no futuro

Anicca (tatiya)

Impermanente

SN.XXXV.206

As bases internas no presente

Anicca

Impermanente

SN.XXXV.213-215

As bases externas no passado, futuro e presente

Anicca

Impermanente

SN.XXXV.222

As bases internas so impermanentes

Anicca

Impermanente

SN.XXXV.225

As bases externas so impermanentes

Anicca

Impermanncia

SN.XXXVI.9

A impermanncia das sensaes

Anicca

Impermanncia

AN.VI.98

Os fenmenos condicionados como impermanentes

Aniccachanda

Desejo pelo Impermanente

SN.XXXV.168

Abandonar o desejo por tudo que impermanente

Aniccachanda

Desejo pelo Impermanente

SN.XXXV.177-179

Abandonar o desejo por tudo que impermanente

Aniccachandaraga

Desejo e Cobia pelo Impermanente

SN.XXXV.170

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que impermanente

Aniccanupassi

Contemplao da Impermanncia

SN.XXII.147

Contemplar a impermanncia dos agregados

Aniccanupassi

Contemplao da Impermanncia

AN.VII.16

Sete modos de realizar a libertao atravs da contemplao da impermanncia

Aniccaraga

Cobia pelo Impermanente

SN.XXXV.169

Abandonar a cobia por tudo que impermanente

Aniccasaa

Percepo da Impermanncia

SN.XXII.102

Vrios smiles ilustram os benefcios da percepo da impermanncia

Anisansa

Recompensas

AN.VI.97

Seis recompensas para aquele que entra na correnteza

Aatarabhikkhu

Um Certo Bhikkhu SN.XLV.7

Um bhikkhu pergunta sobre Nibbana e o caminho para Nibbana.

Aatarabrahmana

Um Certo Brmane

SN XLVII.25

O que faz com que o Dhamma perdure

Aatarabrahmana

Um Certo Brmane

AN.III.53

De que modo o Dhamma visvel no aqui e agora?

Aatitthiya

Errantes de Outras Seitas

SN XII.24

Qual a origem do prazer e da dor? O Ven. Sariputta esclarece alguns conceitos equivocados

Aatra

Um certo Brmane

SN.XII.46

Um brmane pergunta: Quando realizo uma ao (kamma), sou a mesma pessoa quando experimento os seus resultados, ou sou uma pessoa diferente? O Buda ajuda a aclarar a confuso mental dessa pessoa

Aatra

Em Outro Lugar

SN LVI.61

As nefastas conseqncias para aqueles que no enxergam as quatro nobres verdades.

Aindriya

A Faculdade do Conhecimento Supremo SN XLVIII.23

Trs tipos de conhecimento.

Anottappi

Destemor da Transgresso

SN.XVI.2

Quem ardente e teme a transgresso est mais prximo de Nibbana

Anta

Partes

SN.XXII.103

A identidade sob a perspectiva das quatro nobres verdades

Antaradhanaya

Desaparecimento

AN.II.20

Duas coisas que conduzem ao desaparecimento do Dhamma

Antaramala

Contaminaes Interiores

It.88

A cobia, raiva e deluso so perigos interiores

Antava

O Mundo Finito

SN.XXIV.11

A idia que o mundo finito

Antevasika

Discpulo

SN.XXXV.151

Um bhikkhu que tem discpulos e um mestre permanece no sofrimento

Anubuddha

Despertar

AN.IV.1

Porque continuamos perambulando sem direo pelo samsara? por ainda no ter compreendido estas quatro nobres qualidades

Anudhamma

De Acordo com o Dhamma

SN.XXII.39

O desencantamento dos agregados

Anudhamma (dutiya)

De Acordo com o Dhamma

SN.XXII.40

A impermanncia dos agregados

Anudhamma (tatiya)

De Acordo com o Dhamma

SN.XXII.41

O sofrimento nos agregados

Anudhamma (catuttha)

De Acordo com o Dhamma

SN.XXII.42

O no-eu nos agregados

Anugghita

Suportado

AN.V.25

Cinco fatores que conduzem realizao do entendimento correto

Anukampa

Compaixo

AN.V.235

Com estas cinco qualidades um bhikkhu demonstra compaixo com as pessoas leigas

Anumana

Inferncia

MN.15

O Venervel Maha Moggalana indica o que faz um bhikkhu ser difcil ou fcil de ser advertido ou istruido. O discurso proporciona uma lista dos traos que devem ser revisados para identificar quais necessitam ser trabalhados e quais no necessitam

Anupada

Um a Um, Medida Que Eles Ocorreram

MN.111

O Buda descreve a realizao do insight pelo Ven. Sariputta quando este estava em treinamento para alcanar o estado de arahant

Anupubbanirodha

Cessao Sucessiva

AN.1X.31

As sucessivas cessaes que ocorrem nos jhanas

Anuradha

Para Anuradha

SN.XXII.86

O Ven. Anuradha est obcecado com questes sobre o destino de um arahant depois da morte. O Buda o tira dessa confuso e sugere que a nica coisa acerca da qual vale a pena contemplar o sofrimento e a sua cessao

Anuruddha

Para Anuruddha

AN.III.128

Um dilogo entre o Ven. Sariputta e o Ven. Anurudha sobre os poderes supra-humanos

Anuruddha

Para Anuruddha

AN.VIII.30

O Buda descreve oito qualidades benficas que se forem cultivadas no corao com diligncia ajudaro a nos conduzir ao objetivo final

Anuruddha

Anuruddha

MN.127

O venervel Anuruddha explica a diferena entre a libertao imensurvel da mente (atravs dos brahmaviharas) e a libertao transcendente da mente (atravs de uma kasina)

Anusaya

Tendncias Subjacentes

SN.XVIII.21

No-eu e os cinco agregados

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN L.49

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN LI.81

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN LIII.49

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN XLIX.49

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN XLV.175

As sete tendncias subjacentes.

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN XLVI.125

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN XLVII.99

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Tendncias Subjacentes SN XLVIII.119

As sete tendncias subjacentes

Anusaya

Obsesses (1)

AN.VII.11

A enumerao dos sete anusaya (obsesses ou tendncias latentes)

Anusaya

Obsesses (2)

AN.VII.12

Sobre o abandono dos sete anusaya (obsesses ou tendncias latentes)

Anusota

Com a Torrente

AN.IV.5

Um lembrete de que o conselho popular "simplesmente siga com a correnteza" no encontra apoio nos ensinamentos do Buda

Anutappiya

Arrependimento

AN.VI.15

Seis coisas que conduzem a uma morte sem arrependimento para um bhikkhu

Apana

Em Apana

SN XLVIII.50

O Venervel Sariputta explica que as faculdades se desenvolvem numa progresso.

Apannaka

O Ensinamento Incontrovertvel

MN.60

O Buda profere este discurso para um grupo de brmanes chefes de famlia sobre o ensinamento incontrovertvel para ajud-los a se desembaraar do n de opinies contenciosas

Apannaka

O Caminho Incontrovertvel

AN.III.16

Trs qualidades que caracterizam o caminho incontrovertvel ou de acordo com o Dhamma

Aparihani

Sem Decair

AN.IV.37

Se algum sincero na sua aspirao de realizar a iluminao, estes quatro aspectos da prtica do Dhamma devem ser desenvolvidos constantemente

Aparijanana (pathama)

Completa Compreenso

SN.XXXV.26

O conhecimento direto e a completa compreenso do todo

Aparijanana (dutiya)

Completa Compreenso

SN.XXXV.27

O conhecimento direto e a completa compreenso do todo

Apayika

Plano Miservel

It.48

Dois tipos de pessoas destinadas a um plano miservel

Appaka

Poucos

SN.III.6

As conseqncias da riqueza

Appamada

Diligncia

SN.III.17

O Buda revela a nica qualidade da mente que oferece real segurana

Appamada

Diligncia

AN.X.15

Dez smiles que ilustram a importncia da diligncia (appamada)

Appamadagarava

Reverenciar a Diligncia

AN.VII.32

Reverenciar estas sete qualidades conduzem ao no-declnio de um bhikkhu

Appassuta

Pouco Aprendizado

AN.IV.6

As distines entre possui e aplicar o aprendizado

Appayaka

A Curta Vida

Ud.V.2

O Buda nos lembra de que a vida curta e, portanto, devemos praticar ardentemente

Arahant

Arahant

SN.I.25

O emprego da linguagem por um Arahant

Arahant (pathama)

Arahant

SN.XXII.76

Os arahants so os melhores

Arahant (dutiya)

Arahant

SN.XXII.77

Os arahants so os melhores

Arahant

Arahant

SN.XXII.110

As caractersticas de um arahant

Arahanta

Arahants

SN LVI.24

Todos os Budas do passado futuro e do presente despertaram para as quatro nobres verdades.

Arahattapaha

Arahant

SN.XXXVIII.2

O que um arahant?

Arakenanusasani

O Ensinamento de Araka

AN.VII.70

Sete belos smiles que descrevem a brevidade da vida humana. Use o pouco tempo com sabedoria!

Arakkha

Proteo

AN.IV.117

Como obter o prprio bem-estar

Aranavibhanga

A Anlise do No Conflito

MN.139

O Buda explica em detalhes as coisas que conduzem a conflitos e aquilo que evita os conflitos

Araaka

Habita na Floresta

AN.V.98

O imperturbvel atravs da ateno plena na respirao

Ariyamagga

O Nobre Caminho

AN.IV.235

Os quatro tipos de kamma anunciados pelo Buda

Ariyapariyesana

A Busca Nobre

MN.26

O Buda relata aos bhikkhus a sua jornada em busca da iluminao desde o tempo em que vivia como um prncipe at a transmisso do Dhamma aos seus primeiros cinco discpulos. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Ariyasavaka (pathama)

O Nobre Discpulo

SN.XII.49

A origem e a cessao do mundo

Ariyasavaka (dutiya)

O Nobre Discpulo

SN.XII.50

A origem e a cessao do mundo

Ariya-vamsa

O Discurso acerca das Tradies dos Nobres

AN.IV.28

O Buda descreve quatro boas qualidades em um bhikkhu: satisfao com relao aos mantos, alimentos, e moradia, e encontrando prazer no cultivo de estados mentais benficos. (Este um dos suttas selecionados pelo rei Asoka ( 270-232 AC) para ser estudado e refletido por todos Budistas, quer sejam ordenados ou no)

Ariyavasa

As Permanncias dos Nobres

AN.X.20

As qualidades mentais com as quais os nobres esto em casa

Asa

Desejos

AN.II.118-129

Diversos tipos de desejos

Asamaya

Ocasies

AN.V.54

Cinco ocasies desfavorveis para o esforo

Asamsa

Anseio

AN.III.13

Uma pessoa sem anseios, cheia de anseios e que superou os anseios

Asappurisa (pathama)

A Pessoa falsa SN.XLV.25

O que faz uma pessoa ser falsa?

Asappurisadana

As Oferendas de uma Pessoa Falsa

AN.V.147

As oferendas de uma pessoa falsa e verdadeira

Asassataditthi

O Mundo no Eterno

SN.XXIV.10

A idia que o mundo no eterno

Asava

Impurezas

SN L.37

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN LI.69

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN LIII.37

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN XLIX.37

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN XLV.163

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN XLVI.113

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN XLVII.87

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

SN XLVIII.107

Os trs tipos de impurezas.

Asava

Impurezas

AN.VI.58

Seis qualidades para abandonar as impurezas

Asava (pathama)

Impurezas

It.56

Os trs tipos de impurezas

Asava (dutiya)

Impurezas

It.57

Os trs tipos de impurezas

Asavakkhaya

A Destruio das Impurezas

SN LII.24

A destruio das impurezas e os fundamentos da ateno plena.

Asavakkhaya

A Destruio das Impurezas

SN LVI.25

A destruio das impurezas e as quatro nobres verdades.

Asavakkhaya

A Destruio das Impurezas

AN.V.70

Cinco coisas que conduzem destruio das impurezas

Asavakkhaya

A Destruio das Impurezas

It.102

Como ocorre a destruio das impurezas

Asavapahana

Abandonando as Impurezas

SN.XXXV.56-59

Como abandonar e desenraizar as impurezas e as tendncias subjacentes

Asivisa

Cobras

AN.IV.110

Quatro tipos de pessoas semelhantes a cobras

Asivisopama

O Smile das Cobras

SN.XXXV.238

Vrios smiles para descrever as bases, agregados,etc.

Assada (pathama)

Gratificao

SN.XXII.26

A gratificao, o perigo e a escapatria dos cinco agregados

Assada (dutiya)

Gratificao

SN.XXII.27

A gratificao, o perigo e a escapatria dos cinco agregados

Assada

Gratificao

SN.XXII.73

A pessoa comum e o nobre discpulo

Assada

Gratificao

SN.XXII.129

A ignorncia e os agregados

Assada (dutiya)

Gratificao

SN.XXII.130

O verdadeiro conhecimento e os agregados

Assada (tatiya)

Gratificao

SN.XXII.28

A gratificao, o perigo e a escapatria dos cinco agregados

Assada

Gratificao (3)

AN.III.105

A gratificao, o perigo e a escapatria do mundo

Assadapariyesana (pathama)

Buscando Gratificao

SN.XXXV.15

A gratificao, perigo e escapatria das seis bases internas

Assadapariyesana (dutiya)

Buscando Gratificao

SN.XXXV.16

A gratificao, perigo e escapatria das seis bases externas

Assaji

Assaji

SN.XXII.88

O venervel Assaji est gravemente enfermo e recebe um ensinamento sobre a importncia do insight dos agregados

Assalayana

Para Assalayana

MN.93

Um jovem brmane aborda o Buda argumentando a tese que a casta dos brmanes a casta superior

Assu

Lgrimas

SN.XV.3

O que maior, as lgrimas que vocs derramaram enquanto transmigravam e perambulavam por esse longo, longo tempo...ou a gua nos quatro grandes oceanos?"

Assutava (pathama)

Sem Instruo

SN.XII.61

O corpo e a mente vistos pela pessoa comum e pelo nobre discpulo

Assutava (dutiya)

Sem Instruo

SN.XII.62

O corpo e a mente vistos pela pessoa comum e pelo nobre discpulo

Asubha

Coisas Repulsivas

AN.IV.163

Quatro tipos de prtica

Asubhanupassi

Contemplao das Coisas Repulsivas

It.85

O treinamento de modo conciso

Atanatiya

Os Versos Protetores Atanata

DN.32

Este sutta um paritta, um composto de versos protetores.

Atapaniya

Sem Remorso

It.31

Duas coisas que no causam remorso

Atapi

Ardente

It.34

Condies para realizar a iluminao

Athana

Impossvel

AN.I.268-270

Uma pessoa dotada de entendimento correto

Atiniva

Residindo por Muito Tempo

AN.V.223

Cinco perigos em residir por muito tempo no mesmo lugar

Atitti

No Sacia

AN.III.108

Trs coisas que no saciam

Attadanda

O Treinamento

Snp.IV.15

O Buda descreve o sentimento de samvega que fez com que ele seguise a vida santa. Ele conclui descrevendo a prtica do caminho e as caractersticas de quem realizaou o caminho

Attadipa

Vocs Mesmos

SN.XXII.43

A investigao dos agregados como refgio

Attanuditthi

Idia do Eu

SN.XXII.156

Como surge a idia do eu

Attanuvada

Repreender a si Mesmo

AN.IV.121

Os quatro tipos de perigos

Atta-rakkhita

Auto-proteo

SN.III.5

A poltica de defesa do Buda

Atthakanagara

O Homem de Atthakanagara

MN.52

O venervel Ananda descreve as onze portas para o Imortal atravs das quais um bhikkhu capaz de obter a suprema segurana contra o cativeiro

Atthakanagara

O Homem de Atthakanagara

AN.XI.16

O venervel Ananda descreve as onze portas para o Imortal atravs das quais um bhikkhu capaz de obter a suprema segurana contra o cativeiro

Atthasatapariyaya

Cento e Oito Sensaes

SN.XXXVI.22

Uma enumerao dos 108 tipos de sensaes

Atthi

O Esqueleto

SN.XIX.1

Moggalana testemunha o sofrimento de um peta

Atthinukhopariyaya

H um mtodo?

SN.XXXV.153

Qual o mtodo para compreender e realizar o Dhamma?

Atthipunja

Pilha de Ossos

It.24

Uma ilustrao de quanto tempo perambulamos no samsara

Atthi Raga

Quando Existe Cobia

SN.XII.64

O Buda descreve quatro fatores aos quais a mente habitualmente se apega. Aqueles que sucedem em abandonar a cobia por esses alimentos pode realizar a cessao do nascimento, envelhecimento e morte

Avakujja

Invertido

AN.III.30

Trs tipos de ouvintes do Dhamma

Avarana

Obstculos

AN.V.51

O Buda emprega um smile ilustrativo para mostrar os perigos dos obstculos

Avaranata

Impedimentos

AN.VI.86

O Buda lista seis qualidades que impedem, e seis que estimulam, o desenvolvimento de estados mentais hbeis

Avassutapariyaya

Discurso sobre o Corrompido

SN.XXXV.243

Aquilo que corrompe e que no corrompe

Aveccappasanna

Inabalvel

AN.X.64

Os modos em que nibbana pode ser realizado neste mundo ou tendo deixado este mundo

Avenikadukkha

Peculiar

SN.XXXVII.3

O sofrimento peculiar s mulheres

Avijja

Ignorncia

SN.XXII.113

A ignorncia e os agregados

Avijja

Ignorncia

SN.XLV.1

O Buda explica que a ignorncia a causa do entendimento incorreto, inteno incorreta, linguagem incorreta, etc., enquanto que a clara compreenso d origem ao entendimento correto e todos os fatores do caminho ctuplo

Avijja

Ignorncia

SN LVI.17

O que a ignorncia?

Avijja

Ignorncia

AN X.61

A natureza condicionada da ignorncia

Avijja

Ignorncia

It.40

As conseqncias da ignorncia

Avijjanivarana

Obstculo da Ignorncia

It.14

A ignorncia o maior obstculo

Avijjapaccaya (dutiya)

Ignorncia como Condio

SN.XII.36

A quem pertencem os elos da da cadeia da origem dependente

Avijjapahana

Abandonando a Ignorncia

SN.XXXV.53

Como abandonar a ignorncia

Avijjapahana (pathama)

Abandonando a Ignorncia

SN.XXXV.79

Como abandonar a ignorncia

Avijjapahana (dutiya)

Abandonando a Ignorncia

SN.XXXV.80

Como abandonar a ignorncia

Avitakka

Sem o Pensamento

SN.XXVIII.2

O segundo jhana

Avutthika

Nuvem sem Chuva

It.75

No seja como uma nuvem que no chove

Ayacana

Aspirao

AN.II.134-136

Investigar e examinar da forma correta

Avyakata

No Declarado

AN.VII.51

Porque aquele que entrou na correnteza no tem dvidas?

Ayogula

A Bola de Ferro

SN LI.22

Como o Buda vai at os mundos de brahma.

Ayoniso-manasikara

Ateno sem Sabedoria SN XLVI.24

As conseqncias da ateno sem sabedoria.

Ayusankharossajjana

O abandono do processo vital

Ud.VI.1

O venervel Ananda perde a oportunidade de pedir ao Buda que escolha por uma vida mais longa


B [go to top]

Bahiradukkha

Externo como Sofrimento

SN.XXXV.5

As bases externas como sofrimento

Bahiradukkhatitanagata

Externo como Sofrimento nos Trs Tempo

SN.XXXV.11

As bases externas como sofrimento no passado, futuro e presente

Bahiranatta

Externo como No-eu

SN.XXXV.6

As bases externas como no-eu

Bahiranattatitanagata

Externo como No-eu nos Trs Tempos

SN.XXXV.12

As bases externas como no-eu no passado, futuro e presente

Bahiranga

Fator Externo

SN XLVI.50

Qual o principal fator externo para o surgimento dos fatores da iluminao.

Bahiranicca

Externo como Impermanente

SN.XXXV.4

As bases externas como impermanentes

Bahiraniccatitanagata

Externo como Impermanente nos Trs Tempos

SN.XXXV.10

As bases externas como impermanentes no passado, futuro e presente

Bahiratitadianatta

Abandonando a Idia da Identidade

SN.XXXV.166

Como abandonar a idia da identidade

Bahirayatanaparijana

Completa Compreenso

SN.XXXV.112

O conhecimento direto e a completa compreenso das bases externas

Bahitika

A Capa

MN.88

O venervel Ananda responde as perguntas formuladas pelo Rei Pasenadi de Kosala com respeito ao comportamento do Buda

Bahiya

Bahiya

SN.XXXV.89

O Dhamma de forma resumida

Bahiya

Bahiya

SN XLVII.15

A virtude e o entendimento correto como pr-requisitos para a prtica da ateno plena.

Bahiya

Bahiya

Ud I.10

Este o conhecido sutta no qual Bahiya recebe uma instruo breve do Buda sobre o desapego com relao aos sentidos.

Bahudhatuka

Os Muitos Tipos de Elementos

MN.115

O Buda explica em detalhes os elementos, as bases dos sentidos, a origem dependente e o tipo de situaes que so possveis e impossveis no mundo

Bahujanahita

Para o benefcio de muitos

It.84

Os trs tipos de pessoas que beneficiam a muitos

Bahukara

Grande Ajuda

It.107

O suporte mtuo entre a comunidade leiga e a Sangha

Bahupakara

Grande Ajuda

AN.V.234

Com estas cinco qualidades um bhikkhu de grande ajuda num monastrio

Bahuvedaniya

Os Muitos Tipos de Sensaes

MN.59

O Buda enumera todos os tipos de sensaes que podem ser experimentadas

Bakkula

Bakkula

MN.124

O ven. Bakkula descreve as suas prticas ascticas. O discurso encerra com a descrio da sua morte inusitada

Bala

Poder

AN.VI.72

Seis qualidades para realizar o poder da concentrao

Bala (pathama)

Poder

AN.VIII.27

Oito tipos de poderes

Bala (dutiya)

Poder

AN.VIII.28

Os oito poderes de um bhikkhu que destruiu as impurezas

Balapandita

Homens Sbios e Tolos

MN.129

O sofrimento do inferno e do mundo animal nos quais renascem os tolos devido s suas aes ruins, e os prazeres do paraso que um homem sbio colhe devido s suas aes boas

Balapandita

A Pessoa Tola e a Pessoa Sbia

SN.XII.19

Qual a diferena entre o tolo e a pessoa sbia?

Balisa

O Anzol

SN.XVII.2

Os ganhos e honrarias so como a isca num anzol para um peixe

Balisikopama

O Smile do Pescador

SN.XXXV.230

As bases externas so como o anzol de um pescador

Bandhana

Atado

SN.XXII.117

Atado pela sujeio aos agregados

Bhabbatthana (dutiya)

Impossvel

AN.VI.93

Impossvel que algum com entendimento correto faa alguma dessas seis coisas

Bhabbatthana (catuttha)

Impossvel

AN.VI.95

O entendimento correto e a condicionalidade dos fenmenos

Bhaddaka

Uma Morte Boa

AN.VI.14

Seis coisas que conduzem a uma morte boa para um bhikkhu

Bhaddali

Para Bhaddali

MN.65

O Buda censura um bhikkhu recalcitrante e explica as desvantagens em recusar a submisso ao treinamento

Bhaddekaratta

Uma nica Noite Excelente

MN.131

O Buda enfatiza a necessidade de esforo no momento presente para desenvolver o insight das coisas como elas realmente so

Bhaddiya (pathama)

Bhaddiya

Ud.VII.1

O venervel Sariputta guia o venervel Bhaddiya ao estado de arahant

Bhaddiya (dutiya)

Bhaddiya

Ud.VII.2

O venervel Sariputta segue instruindo o venervel Bhaddiya sem perceber que ele j havia realizado o estado de arahant

Bhaddiya Kaligodha

Bhaddiya Kaligodha

Ud.II.10

Um bhikkhu proclama a felicidade da vida como um contemplativo na floresta

Bhadraka

Bhadraka

SN.XLII.11

A origem do sofrimento

Bhandana

Brigas

AN.III.124

Trs coisas so abandonadas por aqueles que se envolvem em rixas e brigas

Bhara

O Fardo

SN.XXII.22

O Buda descreve o fardo que carregamos e como podemos deix-lo de lado

Bharadvaja

Sobre Bharadvaja

SN.XXXV.127

O Ven. Pindola Bharadvaja explica para um rei como algum pode ser capaz de manter sua deciso pelo celibato

Bharandukalama

Bharandu

AN.III.126

O encontro do Buda com um antigo companheiro

Bhava

Ser/Existir

SN L.38

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN LI.70

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN LIII.38

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN XLIX.38

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN XLV.164

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN XLVI.114

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN XLVII.88

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

SN XLVIII.108

Os trs tipos de existncias.

Bhava

Ser/Existir

AN.III.76-77

De que modo h o ser/existir?

Bhavana

Desenvolvimento da Mente

AN VII.67

O desenvolvimento da mente no depende apenas da vontade mas da vontade de fazer as coisas certas

Bhaya

Medo

AN VIII.56

Oito designaes para os prazeres dos sentidos

Bhayabherava

Medo e Terror

MN.4

O Buda descreve para um brmane as qualidades requeridas de um bhikkhu que deseja viver s na floresta. Ele em seguida faz um relato da sua prpria conquista do medo e terror durante a busca pela iluminao

Bhikkhaka

O Mendigo

SN.VII.20

Um brmane mendicante pergunta ao Buda qual a diferena entre eles

Bhidura

Perecvel

It.77

Contemplando a impermanncia

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN.XII.28

A compreenso da cadeia causal da origem dependente, da sua origem e cessao e do caminho que conduz cessao das condies da cadeia causal da origem dependente

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN.XVII.30

Os ganhos e honrarias so um obstculo para a concentrao

Bhikkhu (pathama)

Um Bhikkhu

SN.XXII.35

Como definir a ns mesmos em termos dos agregados e como no fazer isso

Bhikkhu (dutiya)

Um Bhikkhu

SN.XXII.36

Como definir a ns mesmos em termos dos agregados e como no fazer isso

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN LI.18

Os poderes espirituais e a libertao.

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN LI.23

Os poderes espirituais e a libertao

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN XLVI.5

Os fatores da iluminao so assim chamados exatamente porque conduzem iluminao.

Bhikkhu

Um Bhikkhu

SN XLVII.3

A virtude e o entendimento correto como pr-requisitos para a prtica da ateno plena.

Bhikkhuni

A Monja

AN.IV.159

O Ven. Ananda ensina uma monja que, apesar de que o desejo pode ser usado para superar o desejo, e a presuno para superar a presuno, o mesmo principio no se aplica para relaes sexuais

Bhikkhunupassaya

Moradia das Bhikkhunis SN XLVII.10

A integrao da prtica da ateno plena com a concentrao.

Bhindi

Cisma

SN.XVII.31

Ganhos e honrarias influenciaram Devadatta a provocar o cisma na Sangha

Bhita

Medo

SN.XVII.31

Aquele que pratica a generosidade no deve temer o rumo de seu prximo renascimento

Bhojana

Refeio

AN.V.37

Cinco coisas que uma pessoa generosa d, e cinco coisas que ela recebe

Bhumija

Bhumija

MN.126

O Buda apresenta uma srie de smiles para ilustrar como o Nobre Caminho ctuplo frutuoso por natureza. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Bhumija

Para Bhumija

SN.XII.25

Qual a origem do prazer e da dor? O Ven. Sariputta esclarece alguns conceitos equivocados

Bhuta

Veio a Ser

SN.XII.31

Ver com correta sabedoria aquilo que veio a ser

Bija

Meios de Reproduo

SN.XXII.54

Uma imagem interessante para ilustrar o abandono da paixo pelos cinco agregados

Bodhaya

Para a Iluminao

SN XLVI.21

Os fatores da iluminao so assim chamados exatamente porque conduzem iluminao.

Bodhi (pathama)

Despertar

Ud.I.1

O Buda pouco depois da Iluminao contempla a Origem Dependente

Bodhi (dutiya)

Despertar

Ud.I.2

O Buda pouco depois da Iluminao contempla a Origem Dependente

Bodhi (tatiya)

Despertar

Ud.I.3

O Buda pouco depois da Iluminao contempla a Origem Dependente

Bodhirajakumara

Para o Prncipe Bodhi

MN.85

O Buda contesta a afirmao de que o prazer obtido atravs da dor e faz um relato da sua busca pela Iluminao

Brahma

Brahma

SN XLVII.18

Pouco tempo depois da iluminao o Buda reflete sobre a importncia dos fundamentos da ateno plena.

Brahmacariya

A Vida Santa

SN.XLV.39

Qual o propsito da vida santa

Brahmacariya

A Vida Santa

AN.IV.25

O propsito da vida santa

Brahmacariyogadha

Estabelecido

SN LV.2

As caractersticas daquele que entrou na correnteza.

Brahmana

Para Unnabha o brmane

SN.LI.15

O Ven. Ananda explica para Unnabha que o caminho do Dhamma tem um objetivo claro o abandono do desejo que somente pode ser alcanado pelo forte desejo de dar fim ao desejo

Brahmana

Brmanes e Ancios

Ud.I.5

O Buda define um brmane como algum livre de ms qualidades e que vive em plena ateno

Brahmanadhammyaga

Oferta do Dhamma

It.100

Oferecer o Dhamma superior a tudo

Brahmajala

Rede Suprema

DN.1

Todos aqueles que especularem sobre o passado ou sobre o futuro iro desenvolver idias que se encaixam nos sessenta e dois modos expostos pelo Buda neste discurso. Todas essas idias refletem esperanas e aspiraes que tm como origem o contato entre as seis bases dos sentidos internas e externas. Por sua vez, o contato condiciona a sensao, que por seu turno, conduz ao apego e a um novo ciclo de renascimento e morte. Mas o Buda superou tudo isso e todos os sessenta e dois modos de entendimento incorreto so capturados na sua rede suprema

Brahmanimantanika

O Convite de um Brahma

MN.49

Um dramtico dilogo entre o Buda e o deus Brahma que acreditava ser eterno o paraso sobre o qual ele presidia e que no havia nenhum estado superior mais alm. O Buda tenta dissuadi-lo desse entendimento incorreto

Brahmayacana

O Pedido de um Brahma

SN.VI.1

O Buda decide ensinar o Dhamma para o mundo

Brahmayu

Brahmayu

MN.91

A histria de um brmane ancio famoso que envia um seu estudante para investigar as 32 marcas de um grande homem no Buda. Estas so relacionadas no sutta. No final o brmane se converte num discpulo do Buda

Buddha

Buda

SN LI.8

Foi desenvolvendo as quatro bases do poder espiritual que o Buda se tornou um Perfeitamente Iluminado.

Buddhavandana

Venerao ao Buda

SN.XI.17

Como Sakka e o Brahma Sahampati veneram o Buda

Byakarana

Declaraes

AN.V.93

Os cinco tipos de declaraes de conhecimento supremo


C [go to top]

Cakkavatti

O Monarca que Gira a Roda

SN XLVI.42

A comparao do governante ideal com os fatores da iluminao.

Cakkavattiraja

O Monarca que Gira a Roda

SN LV.1

Aquele que entrou na correnteza comparado com o monarca que gira a roda.

Cakkavatti-Sihanada

O Rugido do Leo ao Girar a Roda

DN 26

No incio e no final do dicurso O Buda exorta os bhikkhus a se manterem no seu prprio domnio atravs da prtica da ateno plena. O discurso traa a viso do papel de um monarca que faz girar a roda (um governante justo e ntegro) e da evoluo do mundo

Cakkhu

O Olho

SN.XVIII.1

As trs caractersticas e as seis bases internas

Cakkhu

O Olho

SN.XXV.1

As seis bases internas

Cakkhu

O Olho

It.61

Os trs tipos de olho

Cala

Monja Cala

SN.V.6

Mara: Afinal qual problema h em renascer?

Canda

Canda

SN.XLII.1

Porque algumas pessoas so iradas e outras afveis?

Candala

Os Prias

AN.V.175

O Buda descreve cinco qualidades que determinam o grau de comprometimento para ser um discpulo Budista leigo. Como voc se compara?

Candima

Candima

SN.II.9

O eclipse da Lua

Candupama

Tal como a Lua

SN.XVI.3

Sigam o exemplo de Kassapa e comportem-se como a lua

Cankama

Meditao Andando

AN.V.29

Os benefcios da meditao andando

Canki

Com Canki

MN.95

O Buda orienta um jovem brmane sobre como preservar a verdade, a descoberta da verdade e a realizao final da verdade

Capala (Pacala)

Cabeceando

AN VII.58

Os conselhos do Buda para combater a sonolncia

Cara

Caminhando

AN IV.11

O desenvolvimento do pensamento correto

Cara

Caminhando

It.119

Pensamentos de desejo sensual, m-vontade e crueldade

Catuma

Em Catuma

MN.67

At mesmo o Buda pode perder a pacincia. Mas no final ele instrui bhikkhus recm ordenados sobre os quatro perigos a serem superados por aqueles que seguiram a vida santa

Cela

Roupas

SN LVI.34

A aspirao e o esforo extraordinrios para penetrar as quatro nobres verdades.

Cetana

Volio

SN.XII.38

Como a conscincia se estabelece e se expande

Cetana

Volio

SN.XII.39

Como a conscincia se estabelece e se expande

Cetana

Volio

SN.XII.40

Como a conscincia se estabelece e se expande

Cetanakaraniya

Inteno Correta

AN.X.2

O progresso na meditao um processo natural

Cetanakaraniya

Inteno Correta

AN.XI.2

O progresso na meditao um processo natural

Cetasovinibandha

Grilhes na Mente

AN.IX.72

s cinco tipos de grilhes na mente e como super-los

Cetiya

O Santurio

SN LI.10

Quem desenvolve as quatro bases do poder espiritual pode viver por muito tempo.

Cetokhila

Obstrues na Mente

MN.16

O Buda explica aos bhikkhus quais so as cinco obstrues na Mente e os cinco grilhes na mente.

Cetokhila

Obstrues na Mente

AN.IX.71

Os cinco tipos de obstrues na mente e como super-las

Cetokhila

Obstrues na Mente

AN.X.14

Os cinco tipos de obstrues e os cinco tipos de grilhes na mente e como super-los

Cetopariya

A Leitura da Mente

SN LII.14

A leitura da mente e os fundamentos da ateno plena.

Cetovimuttiphala (pathama)

Fruto da Libertao da Mente

AN.V.71

Cinco coisas que conduzem libertao

Chabbisodhana

A Purificao Sxtupla

MN.112

O Buda explica como questionar um bhikkhu que declare ter alcanado o conhecimento supremo e quais deveriam ser as respostas dele

Chachakka

Os Seis Conjuntos de Seis

MN.148

Um discurso particularmente profundo e penetrante sobre a contemplao de todos os fatores da experincia sensorial como no-eu

Chalangadana

Generosidade com Seis Fatores

AN.VI.37

Os fatores que fazem a generosidade produzir um mrito incalculvel

Chandappahana (pathama)

Abandonando o Desejo

SN.XXII.111

Abandonar o desejo pela forma

Chandappahana (dutiya)

Abandonando o Desejo

SN.XXII.112

Abandonar tudo em relao forma

Chandaraga

Desejo e Cobia

SN.XXII.25

Abandonar o desejo e cobia pelos agregados

Chandasamadhi

Concentrao devida ao Desejo

SN LI.13

Uma anlise das quatro bases do poder espiritual.

Channa

Para Channa

SN.XXII.90

O Ven. Channa, que havia sido o cavaleiro do Bodisatva, recebe um ensinamento sobre a des-identificao com os cinco agregados

Channa

Channa

SN.XXXV.87

O ven. Channa, gravemente enfermo, se suicida apesar das tentativas de dissuao do ven. Sariputta e Maha Cunda

Channa

Channa

AN.III.71

Porque abandonar a paixo, raiva e deluso?

Channovada

Exortao para Channa

MN.144

O ven. Channa, gravemente enfermo, se suicida apesar das tentativas de dissuao do ven. Sariputta e Maha Cunda

Chaphassayatana (pathama)

As Seis Bases para Contato

SN.XXXV.71

A escapatria das seis bases dos sentidos

Chaphassayatana (dutiya)

As Seis Bases para Contato

SN.XXXV.72

A escapatria das seis bases dos sentidos

Chaphassayatana (tatiya)

As Seis Bases para Contato

SN.XXXV.73

A escapatria das seis bases dos sentidos

Chappana

Os seis Animais

SN.XXXV.247

O Buda explica como treinar a prpria mente o mesmo que manter seis animais incontrolveis juntos sob uma rdea

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN L.6

Os cinco poderes tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN LI.38

As quatro bases do poder espiritual tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN LIII.6

Os quatro jhanas tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN XLIX.6

Os cinco esforos corretos tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN XLV.97

O Nobre Caminho ctuplo tem Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN XLVI.82

Os sete fatores da iluminao tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN XLVII.56

Os sete fatores da iluminao tm Nibbana como direo.

Chatthapacinaninna

Declivando para o Oceano

SN XLVIII.76

As cinco faculdades tm Nibbana como direo.

Chavalata

O Pedao de Lenha

AN.IV.95

O que o melhor: praticar o Dhamma em benefcio prprio ou dos outros?

Chiggala

O Furo

SN.LVI.48

Este sutta traz o conhecido smile da tartaruga cega, ilustrando a preciosidade e raridade do nascimento humano

Cinta

Reflexo

SN LVI.8

Quais so as reflexes benficas e quais so as prejudiciais.

Ciratthiti

Durao

SN XLVII.22

O que faz com que o Dhamma perdure.

Citta

Mente

SN.I.62

A importncia da mente

Cula-Assapura

O Pequeno Discurso em Assapura

MN.40

Dando seguimento ao sutta anterior o Buda explica que aquilo que faz de algum um contemplativo no a mera prtica externa de austeridades mas a purificao interior das contaminaes

Culadhammasamadana

O Pequeno Discurso de Como Fazer as Coisas

MN.45

O Buda explica as quatro formas como as coisas podem ser feitas diferenciadas de acordo com estas serem dolorosas ou prazerosas agora e o seu resultado no futuro ser doloroso ou prazeroso

Culadukkhakhandha

O Pequeno Discurso da Massa de Sofrimento

MN.14

Uma verso modificada do Mahadukkhakkhandha Sutta (MN 13) concluindo com uma discusso com ascetas Jainistas sobre a natureza do prazer e da dor.

Culagopalaka

O Pequeno Discurso sobre o Pastor

MN.34

O Buda alerta para as conseqncias de seguir um mestre que no compreende o Dhamma

Culagosinga

O Pequeno Discurso em Gosinga

MN.31

O Buda encontra trs bhikkhus que vivem em concrdia, combinando como leite e gua, e indaga como eles so capazes de viver juntos com tanta harmonia

Culahatthipadopama

O Pequeno Discurso sobre o Smile da Pegada do Elefante

MN.27

Usando a analogia de um matuto no encalo de um grande elefante macho, o Buda explica como um discpulo obtm a certeza completa da verdade dos seus ensinamentos. O sutta apresenta o treinamento de um bhikkhu passo por passo. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Culakammavibhanga

A Pequena Anlise da Ao

MN.135

O Buda explica como o kamma o responsvel pela boa fortuna e pela desgraa dos seres

Culamalunkya

O Pequeno Discurso para Malunkyaputta

MN.63

Um bhikkhu ameaa abandonar a Sangha a no ser que o Buda responda as suas questes metafsicas. Com o smile do homem atingido por uma flecha o Buda deixa bem claro o que que ele ensina e o que ele no ensina

Culapanthaka

Culapanthaka

Ud.V.10

A meditao do venervel Culapanthaka

Culapunnama

O Pequeno Discurso na Noite de Lua Cheia

MN.110

O Buda explica a diferena entre um homem verdadeiro e um homem falso

Cularahulovada

A Pequena Exortao para Rahula

MN.147

O Buda profere um discurso para Rahula que o conduz a alcanar o estado de arahant

Culasaccaka

O Pequeno Curto para Saccaka

MN.35

O polemista Saccaka se vangloria que num debate com o Buda ele ser capaz de arrast-lo e agit-lo para c e para l, mas quando ele por fim encontra o Buda a discusso se desenvolve de forma inesperada. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Culasakuludayi

O Pequeno Discurso para Sakuludayin

MN.79

O Buda examina a doutrina de um errante asceta e empregando o smile da moa mais bonita do pas demonstra a tolice das suas afirmaes

Culasaropama

O Pequeno Discurso sobre o Smile do Cerne

MN.30

Da mesma forma que o sutta anterior, este discurso enfatiza que o objetivo da vida santa a libertao inabalvel da mente, em relao qual todos os demais benefcios so secundrios

Culasihanada

O Pequeno Discurso do Rugido do Leo

MN.11

O Buda declara que apenas na sua Revelao so encontrados os quatro tipos de nobre indivduos, explicando como os seus ensinamentos diferem das demais crenas por serem os nicos que rejeitam todas as doutrinas de um eu

Culasuata

O Pequeno Discurso sobre o Vazio

MN.121

O Buda instrui Ananda sobre a descida genuna, no distorcida, pura, para o vazio

Culatanhasankhaya

O Pequeno Discurso sobre a Destruio do Desejo

MN.37

O Ven. Maha Mogallana ouve o Buda dar uma breve explicao para Sakka, o senhor dos devas, sobre como um bhikkhu se liberta atravs da destruio do desejo. Desejando saber se Sakka havia entendido a mensagem, ele o visita no paraso dos Trinta e Trs

Culavedalla

A Pequena Seqncia de Perguntas e Respostas

MN. 44

Uma discusso entre a bhikkhuni Dhammadinna e o discpulo leigo Visakha sobre vrios aspectos sutis do Dhamma

Cula-viyuha

A Pequena Ordem

Snp IV.12

Se h apenas uma verdade, como deve uma pessoa se comportar num mundo no qual distintas verdades so ensinadas?

Cunda

Cunda

SN.XLVII.13

Um relato emocionante da tristeza do Ven. Ananda pela morte do Ven. Sariputta e de como o Buda o consolou com o Dhamma: faa do Dhamma a sua ilha, o seu verdadeiro refgio!

Cunda

Cunda

AN.VI.46

Porque so necessrios ambos, aqueles que se dedicam meditao e aqueles que se dedicam aos estudos?

Cunda

Cunda

Ud.VIII.5

O relato da ltima refeio do Buda

Cunda

Cunda

Snp I.5

Quatro diferentes tipos de contemplativos e como reconhec-los

Cunda Kammaraputta

Para Cunda, o ferreiro

AN.X.176

O Buda explica para Cunda que a genuina auto purificao no obtida atravs de rituais sagrados, mas atravs do cultivo da habilidade com os prprios pensamentos, palavras e atos

Cundi

Cundi

AN.V.32

No que depositar confiana


D [go to top]

Dabba (pathama)

Dabba (1)

Ud.VIII.9

O parinibbana do venervel Dabba Mallaputta

Dabba (dutiya)

Dabba (2)

Ud.VIII.10

O Buda exalta o parinibbana do venervel Dabba Mallaputta e como o destino daqueles que encontraram a felicidade inabalvel no pode ser discernido

Dahara

Jovem

SN.III.1

O primeiro encontro do Rei Pasenadi com o Buda

Dakkhinavibhanga

A Anlise das Oferendas

MN.142

O Buda identifica catorze tipos de oferendas pessoais e comenta sobre os possveis benefcios. Ele tambm descreve sete tipos de oferendas para a Sangha

Damali

Damali

SN.II.5

O arahant o nico que pode dispensar o esforo

Dana

Generosidade

AN.II.141

O valor do Dhamma

Dana

Generosidade

AN.VII.49

O Buda descreve algumas das motivaes que se pode ter sendo generoso. Os frutos kammicos que se colhe depende fortemente dos motivos para ser generoso

Dana (pathama)

Generosidade

AN.VIII.31

Oito motivos para a generosidade

Dana

Generosidade

It.26

Se apenas os seres soubessem os resultados da generosidade

Dana

Generosidade

It.98

Dois tipos de generosidade

Danavatthu

Motivos para a Generosidade

AN.VIII.33

Oito motivos para a generosidade

Danda

A Vareta

SN.XV.9

Ns saltamos de um nascimento para outro, igual a uma vareta arremessada vai saltando pelo cho

Danda

A Vareta

SN LVI.33

O ciclo de samsara e as quatro nobres verdades.

Danda

Pedao de Pau

Ud.II.3

Causar dano a outros seres no conduz felicidade

Dananisamsa

Benefcios da Generosidade

AN.V.35

Cinco benefcios da generosidade

Dantabhumi

O Grau dos Domados

MN.125

Empregando a analogia da domesticao de um elefante o Buda explica como ele doma os seus discpulos

Danupapatti

Renascimento por Conta da Generosidade

AN.VIII.35

Oito tipos de renascimento por conta da generosidade

Daruna

Terrvel

SN.XVII.1

Terrveis so os ganhos e honrarias

Daruka-khandha

A Pilha de Madeira

AN.VI.41

Os poderes supra-humanos e os elementos

Darukkhandhopama (pathama)

O Smile do Tronco de Madeira

SN.XXXV.241

O smile de um tronco de madeira para ilustrar as seis bases dos sentidos

Darukkhandhopama (dutiya)

O Smile do Tronco de Madeira

SN.XXXV.242

O smile de um tronco de madeira para ilustrar as seis bases dos sentidos

Dasabala (pathama)

Os Dez Poderes

SN.XII.21

Os poderes do Tathagata expressos nos agregados e na origem dependente

Dasabala (dutiya)

Os Dez Poderes

SN.XII.22

O esforo para alcanar aquilo que ainda no foi alcanado

Dasa Dhamma

Dez Coisas

AN.X.48

Dez reflexes para um bhikkhu

Dasuttara

Dcada Expandida

DN.34

Material semelhante ao DN 33 - Sankhitta Sutta, organizado sob dez ttulos.

Datthabba

Para ser Visto

SN.XXXVI.5

Por trs das sensaes mais felizes e prazerosas espreita uma dor persistente que pode ser submetida atravs da prtica correta

Datthabba

Para ser Visto

SN XLVIII.8

Como desenvolver as cinco faculdades.

Datthabba

Para ser Visto

AN V.15

Onde podem ser encontrados os cinco poderes

Desana

Ensinamento

It.39

Dois ensinamentos do Dhamma

Devadaha

Em Devadaha

MN.101

O Buda examina a tese Jainista de que a libertao deve ser alcanada atravs da mortificao. Este um importante discurso sobre como aplicar o esforo correto na prtica

Em Devadaha

Devadaha

SN.XXXV.134

Os treinandos ainda tm trabalho a ser feito

Devadaha

Em Devadaha

SN.XXII.2

O Ven. Sariputta explica a melhor maneira de apresentar os ensinamentos do Buda para pessoas curiosas e inteligentes

Devadatta

Devadatta

It.89

O destino ruim de Devadatta

Devadattavipatti

O Fracasso de Devadatta

AN.VIII.7

As causas para o fracasso de Devadatta

Devaduta

Os Mensageiros Divinos

MN.130

Os cinco mensageiros divinos e os sofrimentos do inferno relatados por Yama, o rei da morte

Devaloka

Mundo dos Devas

AN.III.18

A atitude em relao ao renascimento no mundo dos devas

Devasabhaga

Semelhante aos Devas

SN LV.36

Os fatores daquele que entrou na correnteza conduzem a um renascimento celestial.

Devasadda

Palavras dos Devas

It.82

Trs ocasies nas quais os devas se rejubilam

Devasurasangama

Batalha entre os Devas e os Asuras

AN.IX.39

Como escapar do controle de Mara

Dhajagga

O Topo do Estandarte

SN.XI.3

Voc est tomado pelo temor? O Buda oferece um antdoto

Dhammacakkappavattana

Colocando a Roda do Dhamma em Movimento

SN.LVI.11

Este o primeiro discurso do Buda, proferido pouco tempo depois do seu Despertar para um grupo de cinco contemplativos com os quais ele tinha praticado as austeridades na floresta durante muitos anos. O sutta contm o ensino bsico das Quatro Nobres Verdades e o Nobre Caminho ctuplo. Aps ouvir este discurso, Kondaa atingiu o primeiro estgio do Despertar, dessa forma dando origem ariya sangha (Nobre Sangha)

Dhammacetiya

Monumentos ao Dhamma

MN.89

O Rei Pasenadi descreve dez razes porque ele demonstra to profunda venerao pelo Buda

Dhammadayada

Herdeiros no Dhamma

MN.3

Uma instruo para os bhikkhus se tornarem herdeiros no Dhamma e no herdeiros em coisas materiais. Primeiro uma prescrio do Buda e em seguida o Ven. Sariputta prossegue no mesmo tema explicando como os discpulos devem treinar para se tornarem herdeiros no Dhamma

Dhammakathika

Um Orador do Dhamma

SN.XII.16

As qualidades de um orador do Dhamma

Dhammakathika (pathama)

Um Orador do Dhamma

SN.XXII.115

O que um mestre do Dhamma deve ensinar

Dhammakathika (dutiya)

Um Orador do Dhamma

SN.XXII.116

O que um mestre do Dhamma deve ensinar

Dhammakathika

Um Orador do Dhamma

SN.XXXV.155

As caractersticas de um orador do Dhamma

Dhammakathika

Oradores do Dhamma

AN.IV.139

Quatro tipos de oradores do Dhamma

Dhamma-niyama

A Regularidade do Dhamma

AN.III.134

Quer um Buda surja no mundo ou no, as trs caractersticas da existncia se mantm: impermanncia, insatisfatoriedade e no-eu

Dhammanudhammapatipanna

Prtica de Acordo com o Dhamma

It.86

Como algum pratica de acordo com o Dhamma

Dhammapada

Fatores do Dhamma

AN.IV.29

Quatro fatores do Dhamma

Dhammassavana

Ouvindo o Dhamma

AN.V.202

As cinco recompensas em ouvir o Dhamma

Dhammau

Algum com Noo do Dhamma

AN.VII.64

Voc quer ser digno do respeito de outras pessoas? Aqui o Buda descreve as sete qualidades que fazem um indivduo ser honrado e respeitado

Dhammavadipaha

Proponentes do Dhamma

SN.XXXVIII.3

Quem so os proponentes do Dhamma

Dhammavihari (pathama)

Permanece com o Dhamma

AN.V.73

Aquele que no negligencia o isolamento e se dedica quietude da mente

Dhammavihari (dutiya)

Permanece com o Dhamma

AN.V.74

Aquele que compreende o significado atravs da sabedoria

Dhammika

Dhammika

Snp.II.14

O discpulo leigo Dhammika pergunta ao Buda como um discpulo deve agir com virtude. O Buda explica

Dhana

Tesouro

AN.V.47

Os cinco tipos de tesouros

Dhana

Tesouro

AN.VII.6

Se algum possui estes sete tesouros no seu corao, a vida no ter sido vivida em vo

Dhananjani

Para Dhananjani

MN.97

O Ven. Sariputta adverte um brmane que tenta se desculpar da sua negligncia apelando para as suas muitas responsabilidades. Mais tarde, quando este est morrendo, Sariputta o conduz ao renascimento no mundo de Brahma mas censurado pelo Buda por ter feito isso

Dhaniya

Dhaniya

Snp I.2

Um dilogo potico contrastando a riqueza e segurana da vida laica com a riqueza e segurana da vida santa vivida at o seu pice

Dhatu

Elementos

SN.XXVII.9

Os seis elementos

Dhatu

Elementos

It.51

Os trs elementos

Dhatusosamsandana

Igual aos Elementos

It.78

Escolha boas companhias

Dhatuvibhanga

A Anlise dos Elementos

MN.140

O Buda decide pernoitar na oficina de um oleiro e l encontra o bhikkhu Pukkusati e profere um discurso profundo acerca dos elementos, culminando com os quatro fundamentos para o estado de arahant

Dibbacakkhu

O Olho Divino

SN LII.23

O olho divino e os fundamentos da ateno plena.

Dibbasota

O Ouvido Divino

SN LII.13

O ouvido divino e os fundamentos da ateno plena.

Dighajanu

Para Dighajanu

AN.VIII.54

O Buda instrui chefes de famlia sobre como preservar e incrementar a sua riqueza e felicidade tanto no plano mundano como no plano espiritual

Dighanakha

Para Dighanakha

MN.74

O Buda contesta as afirmaes de um ctico e lhe ensina o caminho para a libertao atravs da contemplao das sensaes

Dighavu-kumara Vatthu

A Histria do Prncipe Dighavu

Mah.X.232

Esta com certeza uma das mais dramticas histrias do Cnone assassinato, intriga e vingana ensinando a maneira mais sbia de acertar as contas

Dighavu-upasaka

Dighavu

SN LV.3

O Buda ensina seis contemplaes para aquele que entrou na correnteza.

Ditthi

Entendimento

AN.X.93

O chefe de famlia Anathapindika instrui um grupo de errantes no Budistas acerca da natureza do Entendimento Correto

Ditthigata

Suportados por Idias

It.49

Dois pontos de vista

Dona

Dona

AN.IV.36

Um transeunte se impressiona com o Buda e pergunta Quem voc? Um deva, um esprito, um ser humano? A resposta do Buda uma das passagens do Cnone mencionadas com muita freqncia

Donapaka

O Rei Pasenadi faz Dieta

SN.III.13

Quem poderia imaginar que perder peso fosse to fcil

Dosa

Raiva

It.2

O abandono da raiva assegura o no retorno

Dosaparia

Compreende a Raiva

It.10

A compreenso e o abandono da raiva

Duccarita

Conduta Ruim

It.64

Trs tipos de conduta ruim

Duccaritavipaka

Frutos das Aes com o Corpo

AN.VIII.40

Os frutos de aes prejudiciais

Duggata

Misria

SN.XV.11

Ao encontrar uma pessoa desafortunada lembre-se: voc tambm j experimentou isso

Duggativinipatabhaya

Destino Ruim

SN LV.15

Aquele que entrou na correnteza no tem medo da morte.

Dukkarapaha

Difcil de Ser Feito

SN.XXXIX.16

O que difcil na prtica do Dhamma?

Dukkatha

Discurso Endereado Incorretamente

AN.V.157

Como enderear um discurso

Dukkha

Sofrimento

SN.XII.43

A origem e cessao do sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXII.13

Vendo o sofrimento dos agregados conduz ao desencantamento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXII.67

Abandonar o desejo por tudo que sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXII.104

O sofrimento e os cinco agregados

Dukkha (pathama)

Sofrimento

SN.XXII.140

Abandonar o desejo por tudo que sofrimento

Dukkha (dutiya)

Sofrimento

SN.XXII.141

Abandonar a cobia por tudo que sofrimento

Dukkha (tatiya)

Sofrimento

SN.XXII.142

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.106

A origem e cessao do sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.189-191

As bases internas no passado, futuro e presente

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.198-200

As bases externas no passado. futuro e presente

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.207-209

As bases internas no passado, futuro e presente

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.216-218

As bases externas no passado

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.223

As bases internas so sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXV.226

As bases externas so sofrimento

Dukkha

Sofrimento

SN.XXXVIII.14

O Ven. Sariputta descreve os trs tipos de sofrimento (dukkha) e como eles devem ser completamente compreendidos

Dukkha

Sofrimento

AN.V.3

Cinco qualidades que conduzem ao sofrimento

Dukkhachanda

Desejo pelo Sofrimento

SN.XXXV.171-173

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que sofrimento

Dukkhachanda

Desejo pelo Sofrimento

SN.XXXV.180-182

Abandonar o desejo e a cobia por tudo que sofrimento

Dukkhadhamma

Estados que Envolvem o Sofrimento

SN.XXXV.244

Os agregados, a conteno das bases, a ateno plena

Dukkhanupassi

Contemplao do Sofrimento

SN.XXII.148

Contemplar o sofrimento dos agregados

Dukkhanupassi

Contemplao do Sofrimento

AN.VII.17

Sete modos de realizar a libertao atravs da contemplao do sofrimento

Dukkhata

Sofrimento

SN L.39

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN LI.71

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN LIII.39

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN XLIX.39

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN XLV.165

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN XLVI.115

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN XLVII.89

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhata

Sofrimento

SN XLVIII.109

Os trs tipos de sofrimento.

Dukkhavihara

Permanece com o Sofrimento

It.28

No guardar as portas dos sentidos e sem moderao ao comer

Dukkhuppada (pathama)

Surgimento do Sofrimento

SN.XXXV.21

O surgimento das bases internas o surgimento do sofrimento

Dukkhuppada (dutiya)

Surgimento do Sofrimento

SN.XXXV.22

O surgimento das bases externas o surgimento do sofrimento

Dussila

Sem Virtude

AN V.24

O insight apenas prospera onde h a concentrao correta (jhanas)

Dutthatthaka

Corrompido

Snp.IV.3

Ser livre no gabar-se das suas qualidades ou debater as suas idias

Dutthatthaka

Corrompido

Snp.IV.3

Ser livre no gabar-se das suas qualidades ou debater as suas idias

Dvaya (pathama)

A Dade

SN.XXXV.92

Como surge a conscincia

Dvaya (dutiya)

A Dade

SN.XXXV.93

Como surge a conscincia

Dvayakari

Ambivalente

SN.XXX.3

O renascimento dentre os supannas

Dvayatanupassana

A Contemplao das Dualidades

Snp.III.12

Nem todas dualidades so enganosas. Este sutta ensina o mtodo para contemplar as dualidades

Dvedhavitakka

Dois Tipos de Pensamento

MN.19

Fazendo referncia sua prpria busca pela iluminao o Buda explica a forma de superar os pensamentos inbeis e substitu-los por pensamentos hbeis. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Dvidhapatha

Bifurcao

Ud.VIII.7

Um monge teimoso segue pela direo errada e assaltado


EF [go to top]

Eja (pathama)

Agitado

SN.XXXV.90

Conceber gera agitao

Eja (Dutiya)

Agitado

SN.XXXV.91

Conceber gera agitao

Ekamsena

Definitivamente

AN.II.18

As consequncias das aes com o corpo, linguagem e mente

Ekadhamma

Uma Coisa

SN XLVI.29

O abandono dos grilhes

Ekadhamma

Uma Coisa

AN.I.306-310

O entendimento correto e incorreto

Ekaputta

nico Filho

Ud.II.7

O sofrimento causado por aquilo que querido

Esana

Buscas

SN L.35

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN LI.67

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN LIII.35

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN XLIX.35

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN XLV.161

Os trs tipos de buscas.

Esana

Buscas

SN XLVI.111

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN XLVII.85

Os trs tipos de buscas

Esana

Buscas

SN XLVIII.105

Os trs tipos de buscas

Esana (pathama)

Buscas

It.54

Os trs tipos de buscas

Esana (dutiya)

Buscas

It.55

Os trs tipos de buscas

Esukari

Para Esukari

MN.96

O Buda e um brmane discutem a pretenso dos brmanes serem uma casta superior s demais

Etammama

Isso meu

SN.XXII.151

A idia da personalidade

Etammama

Isso meu

SN.XXIV.2

A idia da existncia de um ego


G [go to top]

Gabhini

Mulher Grvida

Ud.II.6

O Buda compara a felicidade e a sabedoria daqueles que nada possuem com o sofrimento daqueles atados e agrilhoados outrm

Gaddula

A Correia

SN.XXII.99

Aqueles que so incapazes de penetrar a natureza no eu dos cinco agregados esto condenados a ficar rodando em crculos, igual a um co atado a um poste

Gaddula

A Correia

SN.XXII.100

Aqueles que so incapazes de penetrar a natureza no eu dos cinco agregados esto condenados a ficar rodando em crculos, igual a um co atado a um poste

Gahatthavandana

A Venerao dos Chefes de Famlia

SN.XI.18

Alm do Buda, Sakka tambm venera os chefes de famlia

Ganaka-Moggalana

O Discurso para Ganaka-Moggallana

MN.107

O Buda expe o treinamento gradual do monge Budista e descreve a si mesmo como aquele que mostra o caminho. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Ganika

Cortes

Ud.VI.8

Os afetos por uma cortes

Garava

Reverncia

SN.VI.2

Pouco depois do seu Despertar, o Buda analisa o mundo sua volta, buscando por um outro ser que ele possa com razo chamar de mestre

Gavi

A Vaca

AN.IX.35

Se voc quiser avanar demasiado rpido atravs dos nveis de concentrao ir tropear igual a uma vaca tola numa montanha ngreme

Gayasisa

Gaya

AN.VIII.64

O Abenoado relata as suas experincais com os devas antes da sua iluminao

Gelaa

Na Enfermaria

SN.XXXVI.7

O Buda visita uma enfermaria e aconselha os bhikkhus sobre como enfrentar a morte com ateno plena

Gelaa

Na Enfermaria

SN.XXXVI.8

Este sutta praticamente idntico ao SN.XXXVI.7, exceto que a sensao prazerosa, etc., dito depender do contato (impacto sensual) ao invs do corpo

Ghatikara

Ghatikara o Oleiro

MN.81

O Buda relata a histria do principal patrocinador laico do Buda Kassapa que antecedeu o Buda Gotama

Ghosita

Ghosita

SN.XXXV.129

A diversidade dos elementos

Ghotamukha

Para Ghotamukha

MN.94

Uma discusso entre um brmane e um bhikkhu acerca da vida contemplativa

Gihi

Para Um Leigo

AN.V.179

Cinco caractersticas de um sotapanna

Gilana (pathama)

Enfermo

SN.XXXV.74

O Buda visita um monge enfermo

Gilana (dutiya)

Enfermo

SN.XXXV.75

O Buda visita um monge enfermo

Gilana

Enfermo

SN.XLVI.14

O Buda orienta o Ven. Maha Kassapa, que est gravemente enfermo, sobre os Sete Fatores para a Iluminao

Gilana

Enfermo

SN.XLVI.16

O Ven. Maha Cunda, discursa os sete Fatores para a Iluminao para o Buda que se encontra enfermo

Gilana

Enfermo

SN LV.54

Como guiar um discpulo leigo no leito de morte.

Gilana

Enfermo

SN XLVII.9

O Buda exorta os bhikkhus a fazerem uma ilha de si mesmos e do Dhamma.

Gilana

Enfermo

AN.III.22

O Buda compara o ensino do Dhamma ao tratamento mdico

Gilana

Enfermo

AN.V.121

Cinco coisas que conduzem libertao mesmo quando enfermo

Gijakavasatha

A Casa de Tijolos

SN LV.8

O espelho do Dhamma

Girimananda

Para Girimananda

AN X.60

Dez contemplaes para curar o corpo e a mente

Godhika

Godhika

SN.IV.23

Um bhikkhu se suicida

Gomayapinda

Torro de Esterco de Vaca

SN.XXII.96

Um bhikkhu pergunta se h algum agregado que seja permanente, estvel, eterno, no sujeito mudana

Gopaka-Moggalana

Com Gopaka- Moggalana

MN.108

O Venervel Ananda explica como a Sangha mantm a sua unio e disciplina interna aps a morte do Buda

Gopala

Sobre o Vaqueiro

Ud.IV.3

O Buda lembra que uma mente ou pensamento mal intencionado pode lhe fazer mais mal do que qualquer inimigo ou rival

Gotama

Gotama

SN.XII.10

O Bodisatva descreve a compreenso da origem e cessao dependente

Gotami

Monja Gotami

SN.V.3

Mara: Porque perder tempo sentada em isolamento na floresta?

Gotami

Para Gotami

AN.VIII.53

O Buda explica para Mahapajapati Gotami (sua tia) como reconhecer a diferena entre ensinamentos que esto de acordo com o Dhamma e aqueles que no esto. Esses oito critrios so pertinentes da mesma forma hoje!

Gulissani

Gulissani

MN.69

O Venervel Sariputta explica o treinamento apropriado para um bhikkhu que vive na floresta

Guthabhani

Bosta

AN.III.28

Trs tipos de linguagem


H [go to top]

 

Haliddakani (pathama)

Haliddakani

SN.XXII.3

O Ven. Maha Kaccana explica para um chefe de familia o que significa viver como um bhikkhu, livre da sociedade, livre da paixo sensual, livre do anseio e livre das disputas

Haliddakani (dutiya)

Haliddakani

SN.XXII.4

O significado da libertao do desejo

Haliddakani

Haliddakani

SN.XXXV.130

A diversidade dos elementos e a diversidade das sensaes

Haranti

Boa Conduta

SN.XXXI.2

O renascimento dentre os gandhabbas

Haranti

Boa Conduta

SN.XXXII.2

O renascimento dentre os devas que habitam nas nuvens

Hatthaka

Hatthaka

AN.III.35

Porque o Buda sempre dorme bem

Hatthaka (dutiya)

Hatthaka

AN.VIII.24

As oito qualidades maravilhosas e admirveis de Hatthaka

Hatthipadopama (pathama)

O Smile das Mos e Ps

SN.XXXV.236

O contato como condio para o prazer e a dor

Hatthipadopama (dutiya)

O Smile das Mos e Ps

SN.XXXV.237

O contato como condio para o prazer e a dor

Hatthisariputta

Hatthi

AN.VI.60

Cuidado para no perder as realizaes meditativas

Hetu

A Causa

SN.XXXVII.31

A condio principal para o renascimento no paraso

Himavanta

O Himalaia

SN.XLVI.1

Um resumo dos sete Fatores para a Iluminao

Himavanta

O Himalaia

AN.VI.24

Seis qualidades reativas concentrao

Hirigarava

Reverenciar a Vergonha

AN.VII.33

Reverenciar estas sete qualidades conduzem ao no-declnio de um bhikkhu

Hiriottapa

Vergonha e Temor

AN.VII.65

As condies que conduzem ao conhecimento e viso da libertao

Humhunka

Prepotncia e Arrogncia

Ud.I.4

O Buda pouco depois da Iluminao define um brmane como algum livre de qualquer arrogncia com relao ao mundo


I [go to top]

Iddhadidesana

Um Ensinamento

SN LI.19

Os poderes espirituais, as suas bases e o caminho para o seu desenvolvimento.

Iddhividha

Os Poderes Supra-humanos

SN LII.12

Os poderes supra-humanos e os fundamentos da ateno plena.

Ina

Dvida

AN VI.45

Os prazeres dos sentidos so como uma dvida

Indriya

Faculdades

SN.XXXV.154

Um bhikkhu pergunta ao Buda: O que significa ter as faculdades consumadas?

Indriya

Faculdades

AN.VI.3

As cinco faculdades mais a libertao

Indriya

Faculdades

It.62

As trs faculdades

Indriyabhavana

O Desenvolvimento das Faculdades

MN.152

O Buda explica o desenvolvimento supremo do controle sobre as faculdades sensoriais e a maestria do arahant sobre as suas percepes

Indriyasamvara

O Conteno das Faculdades

AN.VI.50

O treinamento passo a passo

Indriya-vibhanga

Anlise das Faculdades Mentais

SN.XLVIII.10

Um resumo das cinco faculdades mentais: convico, energia, ateno plena, concentrao, sabedoria

Isigili

Isigili: A Garganta dos Profetas

MN.116

A enumerao dos nomes e eptetos dos paccekabuddhas que viveram na montanha Isigili.

Issattha

Habilidades com o Arco

SN.III.24

Todos sabemos que a generosidade traz bons resultados, mas para quem devemos dar oferendas de modo a produzir os melhores frutos?

Ittha

O que Bem-vindo

AN.V.43

O Buda explica para Anathapindika que a verdadeira felicidade no pode ser alcanada apenas atravs do desejo


J [go to top]

Jagara

Desperto

SN I.6

Quem est adormecido ou desperto?

Jagariya

Vigilncia

It.47

Os frutos da vigilncia

Jaliya

Jaliya

DN.7

Este sutta idntico ao DN 6 Mahali Sutta

Jambali

A Lagoa de Efluentes

AN.IV.178

O Buda emprega alguns smiles memorveis para descrever a superao da identificao de um eu e da ignorncia

Jana (Dutiya)

Produz (2)

SN.I.56

O que produz uma pessoa?

Jana (Tatiya)

Produz (2)

SN.I.57

O que produz uma pessoa?

Janavasabha

Janavasabha

DN.18

Um yakkha se apresenta ao Buda declarando que ele Janavasabha mas que numa vida passada ele foi o Rei Bimbisara de Magadha, o grande benfeitor Budista que foi morto pelo seu filho Ajatasattu. Ele relata acontecimentos numa assemblia dos devas do Trinta e Trs

Janussoni

Janussoni

SN.XII.47

O ensino do Dhamma pelo meio

Janussoni

Janussoni

AN.X.177

A ocasio em que oferendas podem beneficiar os mortos

Jara

Velhice

SN.I.51

O que bom at a velhice?

Jara

Velhice

SN.XLVIII.41

O Buda, agora um homem envelhecido, fala sobre a velhice

Jara

Velhice

Snp IV.6

A vida curta. As posses trazem angstia

Jaradhammam

Sujeito ao Envelhecimento, etc

SN.XXXV.34-42

O todo est sujeito ao envelhecimento, etc.

Jaramarana

Envelhecimento e Morte

SN.XII.71

Compreender o envelhecimento e a morte

Jata

Enredo

SN.I.23

Como desenredar o enredo?

Jati

Nascimento

SN.XII.72-81

Compreender a cadeia da origem dependente

Jatidhammam

Sujeito ao Nascimento

SN.XXXV.33

O todo est sujeito ao nascimento

Jhana

Jhana

AN.IX.36

A meditao, tal como o tiro de arco, uma habilidade que se desenvolve ao longo do tempo, atravs da prtica, prtica, prtica....

Jhana

Jhana

AN.IV.123

O Buda descreve quatro tipos de renascimentos para aqueles que praticam os jhanas

Jhana

Jhana

AN.IV.124

O Buda descreve um outro possvel renascimento para aqueles que praticam os jhanas

Jhanapaha (pathama)

O Primeiro Jhana

SN.XL.1

O primeiro jhana

Jhanapaha (dutiya)

O Segundo Jhana

SN.XL.2

O segundo jhana

Jinna

Velho

SN.XVI.5

Kassapa segue as prticas ascticas por compaixo

Jivaka

Para Jivaka

MN.55

O Buda explica as regras que se aplicam ao consumo de carne e defende os seus discpulos de acusaes injustas

Jivaka (pathama)

Jivaka

SN.XXXV.160

Desenvolver a concentrao para o correto discernimento

Jivaka (dutiya)

Jivaka

SN.XXXV.161

Cultivar o isolamento para o correto discernimento

Jivaka

Jivaka

AN.VIII.26

As qualidades de um discpulo leigo

Jivika

Modo de Vida

It.91

O modo de vida de um bhikkhu

Jivitindriya

A Faculdade Vital

SN XLVIII.22

Trs outros tipos de faculdades.

Junha

Sob a Luz do Luar

Ud.IV.4

O Buda exalta a felicidade, firmeza e segurana da mente cultivada e disciplinada do venervel Sariputta


K [go to top]

Kaccana

Kaccana

Ud.VII.8

A meditao do venervel Mahakaccana

Kaccayanagotta

Para Kaccayana Gotta (Entendimento Correto)

SN.XII.15

O Buda explica para o Ven. Kaccayana Gotta como se emprega a origem dependente no desenvolvimento do entendimento correto

Kakacupama

O Smile da Serra

MN 21

Um discurso acerca da necessidade de ter pacincia ao ouvir palavras desagradveis

Kakusandha

Kakusandha

SN.XII.7

O Bodisatva Kakusandha contempla a origem do sofrimento

Kala (dutiya)

Tempo

AN.IV.147

Os quatro tempos

Kaladana

Oferendas Oportunas

AN.V.36

Oferendas dadas nos momentos oportunos produzem os maiores frutos. Aqui o Buda descreve cinco ocasies oportunas. (Com frequncia recitado pelos bhikkhus como bno depois de terem recebido comida ou outras oferendas)

Kalaha-vivada

Brigas e Disputas

Snp.IV.11

O Buda perguntado sobre a causa de brigas e disputas, e sobre o nvel mais elevado de realizao espiritual

Kalakarama

No Parque de Kalaka

AN.IV.24

Muito embora o entendimento do Buda seja profundo ele no se estabelece nisso

Kalama

Para os Kalamas

AN.III.65

O Buda explica para um grupo de cticos os critrios adequados para aceitar um ensinamento espiritual

Kalara

Kalara

SN.XII.32

O Venervel Sariputta declara o conhecimento supremo

Kalattaya-anatta

No-eu nos Trs Tempos

SN.XXII.11

No-eu no passado, futuro e presente

Kalattaya-anicca

Impermanente nos Trs Tempos

SN.XXII.9

A impermanncia no passado, futuro e presente

Kalattaya-dukkha

Sofrimento nos Trs Tempos

SN.XXII.10

O sofrimento no passado, futuro e presente

Kaligodha

Kaligodha

SN LV.39

A generosidade como um dos fatores daquele que entrou na correnteza.

Kalyanamitta

Amizade Admirvel

SN.XLV.84

O bom amigo e o nobre caminho ctuplo.

Kalyanasila

Bela Virtude

It.97

A bela virtude, bela conduta e bela sabedoria

Kama

Prazer Sensual

Snp.IV.1

As desvantagens dos desejos sensuais

Kamabhu

Kamabhu

SN.XXXV.233

O Ven. Ananda explica ao Ven. Kamabhu que o nosso problema no est nem nos prprios sentidos nem nos objetos aos quais os sentidos se apegam; em vez disso, o sofrimento vem do desejo e paixo

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN.XXXV.117

A cessao das seis bases

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN L.50

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN LI.82

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN LIII.50

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN XLIX.50

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN XLV.176

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN XLVI.126

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN XLVII.100

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaguna

Elementos do Prazer Sensual

SN XLVIII.120

Os cinco elementos do prazer sensual.

Kamaupapatti

Obteno dos Prazeres Sensuais

It.95

Trs formas de obteno dos objetos dos prazeres dos sentidos

Kamayoga

Grilho do Prazer Sensual

It.96

O grilho do prazer sensual e do apego a ser/existir

Kamma

Kamma

SN.XXXV.146

O Buda explica o que o kamma passado e o novo, a cessao de kamma e o caminho para a cessao de kamma

Kammanidana

Causas de Kamma

AN.X.174

As trs fontes e origens de kamma

Kammavaranata

Obstrues por Kamma

AN.VI.87

Seis coisas que fazem com que uma pessoa seja incapaz de desenvolver qualidades mentais hbeis

Kammavipakaja

Aes e seus Frutos

Ud.III.1

O Buda exalta um discpulo dedicado e equnime diante de sensaes dolorosas, frutos de aes inbeis e prejudiciais anteriores

Kandaraka

Para Kandaraka

MN.51

O Buda explica os quatro tipos de pessoas que podem ser encontradas no mundo aquela que tortura a si mesma, aquela que tortura os outros, aquela que tortura a si mesma e os outros e aquela que no torura nem a si nem os outros e vive a verdadeira vida santa

Kandarayana

Para Kandarayana

AN.II.38

O estgio de um ancio velho e o estgio de um jovem

Kankharevata

Revata o Duvidoso

Ud.V.7

A meditao do venervel Revata

Kankheyya

Perplexidade

SN LIV.12

A permanncia preferida do Tathagata a concentrao atravs da ateno plena na respirao.

Kannakatthala

Em Kannakatthala

MN.90

O Rei Pasenadi visita o Buda e pergunta sobre a oniscincia, a distino entre as castas e as divindades

Kantaka

Espinho

AN.X.72

Os vrios tipos de espinhos

Kappa (pathama)

Kappa

SN.XXII.124

Abandonar o desejo por tudo que sedutor

Kappa (dutiya)

Kappa

SN.XXII.125

Como no fabricar um 'eu' ou 'meu' em relao aos agregados

Kappa-manava-puccha

As Perguntas de Kappa

Snp.V.10

H algum refgio seguro contra o envelhecimento e morte?

Karaniya Metta

O Discurso do Amor Bondade

Snp.I.8

As palavras do Buda sobre como direcionar amor bondade (metta) para todos os seres

Kassapa

Kassapa

SN.XII.9

O Bodisatva Kassapa contempla a origem do sofrimento

Kassapa

Kassapa

SN.XII.17

O sofrimento criado pela prpria pessoa ou pelos outros?

Kassapa

Kassapa

Ud.I.6

O Buda define um brmane como algum que abandonou o dio, a raiva e a averso

Kasibharadvaja

Kasi Bharadvaja

SN.VII.11

O Buda encontra um brmane lavrador que lhe pergunta sobre o tipo de trabalho que o Buda faz

Katau

Retribuindo os Prprios Pais

AN.II.33

Como e porque retribuir ao prprio pai e me

Katha

Conversa

AN.V.97

O imperturbvel atravs da ateno plena na respirao

Kathavatthu

Tpicos para Conversao

AN.III.67

Este breve discurso contm instrues prticas detalhadas sobre como responder perguntas com habilidade

Kathavatthu

Tpicos para Conversao

AN.X.69

O Buda apresenta dez tpicos saudveis para conversao como alternativa para fofocas

Katichinda

Quantos Devem ser Cortados?

SN I.5

Cinco devem ser cortados, abandonados e desenvolvidos

Kaya

O Corpo

SN XLVI.2

O alimento para os obstculos e o alimento para os fatores da iluminao.

Kaya

Corpo

AN.X.23

Aquilo que deve ser abandonado atravs do corpo, da linguagem e da sabedoria

Kayagatasati

A Ateno Plena no Corpo

MN.119

O Buda explica como deve ser praticada a ateno plena no corpo e quais benefcios podem ser obtidos

Kayagatasati

Ateno Plena no Corpo

SN.XLIII.1

A ateno plena no corpo como caminho para Nibbana

Kayagatasati

Ateno Plena no Corpo

AN.I.575

Os benefcios da prtica da ateno Plena no Corpo

Kayagatasati

Ateno Plena no Corpo

AN.I.576-582

Os benefcios da prtica da ateno Plena no Corpo

Kayagatasati

Ateno Plena no Corpo

AN.I.583-590

Os benefcios da prtica da ateno Plena no Corpo

Kayasakkhi

Toca com o Corpo

AN.IX.43

Neste breve sutta, o Ven. Ananda responde pergunta do Ven. Udayin sobre o significado deste termo chave que o Buda empregou em outros suttas: O que tocar com o corpo? O Ven. Ananda mostra que o desenvolvimento dos jhanas parte integrante do desenvolvimento da sabedoria

Kesakambala

Cobertor de Plos

AN.IV.111

O Buda critica a doutrina de Makkhali

Kesi

Para Kesi o Treinados de Cavalos

AN.IV.111

O Buda explica para Kesi, o treinador de cavalos, a forma como ele ensina o Dhamma. Kesi fica to tocado pela explicao do Buda que ele promete seguir o Buda pelo resto de sua vida. Esta brilhante exposio merece estudo cuidadoso por todos mestres no somente do Dhamma j que revela os mltiplos nveis em que o treinamento eficaz opera: o Buda fala em termos que o ouvinte entende (treinamento de cavalos), ele usa smiles com grande efeito, e com habilidade ele responde a verdadeira questo que est por detrs da pergunta do estudante ("Por favor, voc pode me treinar?")

Kevaddha

Kevaddha

DN.11

Kevaddha pede ao Buda que realize faanhas supra-humanas de modo a estimular a f nas pessoas

Khaggavisana

O Chifre do Rinoceronte

Snp I.3

Os benefcios de uma vida solitria monstica

Khajjaniya

Transtornado

SN.XXII.79

Como obter a libertao da identificao como os cinco agregados

Khama (pathama)

Paciente

AN.IV.164

Quatro tipos de prtica

Khama (dutiya)

Paciente

AN.IV.165

Quatro tipos de comportamento

Khana

Oportunidade

SN.XXXV.135

Os benefcios da vida santa

Khandha

Agregados

SN.XVIII.10

As trs caractersticas e os cinco agregados

Khandha

Agregados

SN.XXII.48

O Buda d um resumo do ensinamento sobre os cinco agregados

Khandha

Agregados

SN.XXVII.10

Os cinco agregados

Khandha

Agregados

SN. LVI.13

A nobre verdade do sofrimento e os agregados.

Khanti (pathama)

Pacincia

AN.V.215

Cinco benefcios da pacincia

Khanti (dutiya)

Pacincia

AN.V.216

Cinco benefcios da pacincia

Khattiya

Khattiya

AN.VI.52

A aspirao, a busca, o apoio, o objetivo e o objetivo final de khattiyas, brmanes, chefes de famlia, mulheres, ladres e contemplativos

Khema

Com Khema

SN.II.22

Agir de modo que no cause arrependimento

Khema

Com Khema

AN.VI.49

Tendo abandonado a idia de um eu, os arahants no se consideram superiores, inferiores ou iguais a ningum

Khemaka

Sobre Khemaka

SN.XXII.89

Embora a des-identificao com os cinco agregados de fato desempenha um papel crucial para se tornar um nobre discpulo, a plena iluminao demanda mais que isso

Khettupama

O Smile do Campo

SN.XLII.7

Por que o Buda ensina o Dhamma de modos distintos?

Khinasavabala

Poderes

AN.X.90

Os dez poderes de um bhikkhu cujas impurezas foram destrudas

Khippanisa

Rpida Compreenso

AN.V.169

As qualidade de quem possui rpida compreenso

Khiraukkhopama

A rvore Leitosa

SN.XXXV.231

Com a presena da cobia, raiva e deluso mesmo formas insignificantes podem obcecar a mente

Kimatthiya

Qual o Propsito?

SN.XXXVIII.4

Porque viver a vida santa?

Kimatthiya

Qual o Propsito? SN.XLV.5

Qual o propsito da vida santa e qual o caminho para a sua plena realizao?

Kimatthiya

Qual o Propsito

AN.X.1

O propsito da virtude

Kimatthiya

Qual o Propsito?

AN.XI.1

O propsito da virtude

Kimatthiyabrahmacariya

Qual o Propsito da Vida Santa?

SN.XXXV.152

A completa compreenso do sofrimento. E o que o sofrimento?

Kimbila

Kimbila

SN LIV.10

A correlao entre os fundamentos da ateno plena e a ateno plena na respirao.

Kimdada

Doador de que

SN.I.42

O presente do Dhamma excede todas as demais oferendas.

Kimila

Para Kimila

AN.VII.56

Ento, voc diz que gostaria que o Budismo se desenvolvesse no Ocidente? Neste sutta o Buda explica para o Ven. Kimila o que exigido daqueles que querem ver o Dhamma durar um longo, longo tempo

Kimsila

Com Qual Virtude?

Snp.II.9

A atitude e o comportamento que mais favorecem o aprendizado e proveito do Dhamma

Kimsuka

A rvore de Charadas

SN.XXXV.245

O Buda explica como a tranquilidade (samatha) e o insight (vipassana) agem juntos como um par de geis mensageiros para guiar o meditador at Nibbana

Kinti

O que vocs pensam de mim

MN. 103

O Buda explica como os bhikkhus podem solucionar as disputas em relao ao Dhamma

Kitagiri

Em Kitagiri

MN.70

Ao advertir dois monges desobedientes o Buda pergunta se eles conhecem alguma ocasio na qual ele tenha proferido algum tipo de ensinamento que no faa com que os estados benficos aumentem e os estados prejudiciais diminuam. Ele tambm descreve os sete tipos de nobres discpulos que existem no mundo

Kodha

Raiva

It.4

O abandono da raiva assegura o no retorno

Kodhagaru (pathama)

Raiva

AN.IV.43

Quatro tipos de pessoas

Kodhana

Uma Pessoa Enraivecida

AN.VII.60

O Buda descreve sete perigos por ceder raiva. Tenha cuidado!

Kodhaparia

Compreende a Raiva

It.12

A compreenso e o abandono da raiva

Kokalika

Kokalika

SN.VI.7

Como medir um sbio

Kolita

Kolita

SN.XXI.1

O nobre silncio

Konagamana

Konagamana

SN.XII.8

O Bodisatva Konagamana contempla a origem do sofrimento

Kosala

Kosala

AN.V.49

Quando a rainha Mallika falece, seu marido, o rei Pasenadi, est tomado pelo pesar. O Buda aconselha o rei sobre como se libertar do pesar obsessivo

Kosala (dutiya)

Kosala

AN.X.30

O Rei Pasenadi descreve dez razes porque ele demonstra to profunda venerao pelo Buda

Kosambi

Em Kosambi (Compreendendo a Origem Dependente)

SN.XII.68

Quatro bons amigos debatem com franqueza o seu entendimento da origem dependente. Um deles utiliza um smile memorvel para ilustrar a diferena entre um arahant e aquele que entrou na correnteza

Kosambiya

Os Kosambianos

MN.48

Durante o perodo em que os bhikkhus em Kosambi esto divididos por uma disputa, o Buda lhes ensina as seis qualidades que criam o amor e respeito e conduzem unio. Em seguida ele explica os sete conhecimentos extraordinrios que o nobre discpulo que realizou o fruto de entrar na correnteza possui

Kotigama

Kotigama

SN LVI.21

por no compreender e penetrar as quatro nobres verdades que os seres perambulam no samsara.

Kotthita (pathama)

Kotthita

SN.XXII.133

A ignorncia e o verdadeiro conhecimento

Kotthita (dutiya)

Kotthita

SN.XXII.134

A ignorncia e o verdadeiro conhecimento

Kotthita (tatiya)

Kotthita

SN.XXII.135

A ignorncia e o verdadeiro conhecimento

Kotthita (pathama)

Kotthita

SN.XXXV.162

O Dhamma de forma resumida

Kotthita (dutiya)

Kotthita

SN.XXXV.163

O Dhamma de forma resumida

Kotthita (tatiya)

Kotthita

SN.XXXV.164

O Dhamma de forma resumida

Kotthita

Kotthita

SN.XXXV.232

O Ven. Sariputta explica ao Ven. Maha Kotthita que o nosso problema no est nem nos prprios sentidos nem nos objetos aos quais os sentidos se apegam; em vez disso, o sofrimento vem do desejo e paixo

Kotthita

Kotthita

AN.IV.174

Como responder questo, O que est alm de nibbana?

Kuha

Enganadores

AN.IV.26

As qualidades daqueles que progridem no Dhamma e Disciplina

Kuha

Enganadores

It.108

Estes no so discpulos do Buda

Kula

Famlias

SN.XLII.9

Quem vive em abundncia, devido ao fato de terem sido generosos no passado

Kukkula

Carvo em Brasa

SN.XXII.136

Os agregados como carvo em brasa

Kukkuravatika

O Contemplativo Nu com Deveres de Co

MN.57

O Buda encontra dois contemplativos, um que imita o comportamento de um co, o outro que imita o comportamento de um boi. Ele lhes revela a futilidade dessa prtica e discursa sobre kamma e os seus frutos

Kukkutarama

O Parque do Galo SN.XLV.19

O que a vida santa e qual o seu objetivo?

Kula

Sobre Famlias

AN.IV.255

Como uma famlia perde ou preserva suas riquezas

Kulaputta

Membros de Cls

SN LVI.3

As quatro nobres verdades no so apenas a doutrina do Buda histrico mas de todos iluminados em todos os tempos.

Kumaraka

Meninos

Ud.V.4

Um grupo de meninos atormentam os peixes

Kumbha

O Pote

SN L.27

Quem desenvolve e cultiva os cinco poderes abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN LI.59

Quem desenvolve e cultiva as quatro bases do poder espiritual abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN LIII.27

Quem desenvolve e cultiva os quatro jhanas abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN XLIX.27

Quem desenvolve e cultiva os cinco esforos corretos abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN XLV.153

Quem desenvolve e cultiva o Nobre Caminho ctuplo abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN XLVI.103

Quem desenvolve e cultiva os sete fatores da iluminao abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN XLVII.77

Quem desenvolve e cultiva os sete fatores da iluminao abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN XLVIII.97

Quem desenvolve e cultiva as cinco faculdades abandona todos os estados ruins e prejudiciais.

Kumbha

O Pote

SN.XLV.27

Um suporte para a mente.

Kumma

O Jabuti

SN.XXXV.240

Se guardarmos os sentidos com sabedoria, tal como o jabuti que se recolhe dentro da casca para se defender de um ataque, estaremos com segurana fora do alcance de Mara

Kundaliya

Kundaliya

SN XLVI.6

Como desenvolver os sete fatores da iluminao para realizar o verdadeiro conhecimento e libertao.

Kusala (Dutiya)

Benfico (2)

SN XLVI.32

O papel da ateno com sabedoria.

Kusala

Benfico

SN XLVI.31

A diligncia como condio para os sete fatores da iluminao.

Kusala

Benfico

AN.II.19

Sim, na verdade possvel abandonar hbitos inbeis e desenvolver hbitos hbeis

Kusinara

Kusinara

AN.X.44

As qualidades que algum deve ter para admoestar uma outra pessoa

Kusita-Arabbhavatthu

As Razes para Preguia e o Estmulo da Energia

AN.VIII.80

Essas desculpas para adiar a sua meditao soam familiares: "Estou com muita fome!"; "Estou muito cheio!"; "Estou muito cansado!"; "Estou muito enfermo!" ? Aqui o Buda oferece conselhos sadios de como superar esse tipo de preguia

Kutadanta

Um Sacrifcio sem Sangue

DN.5

A questo neste sutta Qual o melhor sacrifcio? Depois de rejeitar o sacrifcio de animais, o Buda ilustra atravs de uma histria do Jataka uma sequncia ascendente de importncia de sacrifcios iniciando com a generosidade, a f, o treinamento nos preceitos de virtude e todas as etapas do treinamento monstico

Kutagara

A Casa com Cumeeira SN LVI.44

Sem penetrar as quatro nobres verdades impossvel dar um fim ao sofrimento.

Kutthi

O Leproso

Ud V.3

O Buda instrui um leproso que alcana o estado de entrar na correnteza


L [go to top] 

Lakkhana

As Marcas de um Grande Homem

DN.30

A descrio das trinta e duas marcas de um grande homem e as suas origens como frutos de kamma

Lakkhana

Caractersticas

AN.III.2

As caractersticas de um tolo e um sbio

Lakuntakabhaddiya

Venervel Bhaddiya

Ud.VII.5

O Buda reflete sobre como a sabedoria de algum no tem relao com a sua aparncia externa

Latukikopama

O Smile da Codorna

MN.66

O Buda enfatiza a importncia de abandonar todos os apegos, sem importar quo inofensivos ou sem importncia eles possam parecer. O sutta tambm destaca, por meio de smiles, que no a situao em si que produz o apego mas a forma como a situao interpretada atravs das idias/opinies

Lekha

Inscries

AN.III.133

Com que firmeza voc se agarra sua raiva? Voc permite que ela fique gravada profundamente na sua psique, como uma inscrio em rocha slida?

Lobha

Cobia

It.1

O abandono da cobia assegura o no retorno

Lobhaparia

Compreende a Cobia

It.9

A compreenso e o abandono da cobia

Lohicca

Lohicca

DN.12

A questo neste sutta Quem um bom mestre?

Lohicca

Lohicca

SN.XXXV.132

O Ven. Mahakaccana dialoga com o brmane Lohicca sobre o controle das bases dos sentidos

Loka

O Mundo

SN.XII.44

Como o mundo surge e termina de acordo com a lei da origem dependente

Loka

O Mundo

SN.XXXV.82

O Buda explica como todas as coisas no mundo partilham da mesma infeliz caracterstica. Voc quer ficar apegado a um mundo igual a esse?

Loka

O Mundo

SN.XXXV.107

Como o mundo surge e termina de acordo com a lei da origem dependente

Loka

O Mundo

SN LVI.28

As nobres verdades so nobres porque so ensinadas por um ser supremo, o Buda

Loka

O Mundo

Ud.III.10

Depois da sua iluminao o Buda v um mundo cheio de ignorncia, desejo e sofrimento

Loka

O Mundo

It.112

Porque ele chamado de Tathagata

Lokantagamana

O Fim do Mundo

SN.XXXV.116

Como chegar ao fim do mundo

Lokapala

Duas Qualidades Puras

AN.II.9

As duas qualidades que protegem o mundo

Lokavipatti

Os Defeitos do Mundo

AN.VIII.6

A diferena entre uma pessoa comum e um nobre discpulo se manifesta no modo como eles respondem s inevitveis vicissitudes da vida

Lokayatika

Cosmologista

SN.XII.48

O ensino do Dhamma pelo meio

Lokayatika

Cosmologista

AN.IX.38

Dois brmanes perguntam sobre como chegar ao fim do mundo

Lomasakangiyabhaddekaratta

Lomasakangiya e Uma nica Noite Excelente

MN.134

O Buda enfatiza a necessidade de esforo no momento presente para desenvolver o insight das coisas como elas realmente so

Lonaphala

O Punhado de Sal

AN.III.99

Usando vrios similes memorveis, o Buda explica porque as conseqncias de aes inbeis podem parecer severas para uma pessoa e suaves para uma outra. Moral da histria: reforce a sua virtude!


M [go to top]

Maajaniya

Puro Sangue

AN.III.96-97-98

As qualidades de beleza, fora e velocidade num bhikkhu

Macchariya

Egosmo

SN.I.32

Os benefcios da generosidade

Macchariya

Egosmo

AN.V.254-271

A generosidade no apenas uma idia simptica: ela um requisito para o progresso no caminho Budista

Madhupindika

A Bola de Mel

MN.18

O Buda faz um enunciado profundo porm enigmtico sobre a fonte atravs da qual as percepes e noes impregnadas pela proliferao mental atormentam um homem. Esse enunciado esclarecido pelo venervel Maha Kaccana, e a sua explicao elogiada pelo Buda. Este sutta tambm est disponvel em udio, clique para Ouvir

Madhura

Em Madhura

MN.84

O Ven. Maha Kaccana examina a afirmao de que os brmanes so a casta superior

Magandiya

Para Magandiya

MN.75

O Buda encontra o filsofo hedonista Magandiya e aponta os perigos contidos nos prazeres dos sentidos, os benefcios da renncia e o significado de Nibbana

Magandiya

Magandiya

Snp IV.9

Magandiya oferece a sua filha ao Buda em casamento. O Buda recusa e lhe transmite um ensinamento descrevendo a pureza suprema

Magga

O Caminho

SN XLVII.43

O Buda relata a sua reflexo pouco depois da iluminao.